0.000
Nome Artístico
Paulo Diniz
Nome verdadeiro
Paulo Lira de Oliveira
Data de nascimento
24/1/1940
Local de nascimento
Pesqueira, PE
Dados biográficos

Cantor. Compositor. Mudou ainda criança para a cidade de Recife, onde trabalhou como engraxate.

Dados artísticos

Iniciou a carreira artística trabalhando como crooner e baterista de cabarés. Ainda no Recife, atuou como ator e locutor na Rádio Jornal do Comércio. Em fins da década de 1950, mudou para o Ceará a fim de trabalhar como ator. Em 1964, transferiu-se para o Rio de Janeiro. Começou a trabalhar como locutor na Rádio Tupi em substituição ao radialista Paulo Porto. Durante algum tempo, foi locutor esportivo. Nesse período, enveredou pela Jovem Guarda, cantando iê-iê-iê. Em 1966, gravou pela Copacabana seu primeiro disco, interpretando “O chorão”, de Edson Mello e Luís Keller. Em 1967, foi morar no Solar da Fossa, onde conviveu com Paulinho da Viola, Caetano Veloso e outros artistas. No mesmo ano lançou o LP “Brasil, brasa, brasileiro”, pela Copacabana. Em 1970, lançou o LP “Quero voltar para a Bahia”, pela Odeon, onde se destacam “Um chop pra distrair” e a música título, ambas de sua parceria com Odibar. No ano seguinte, gravou pela mesma gravadora “Paulo Diniz”, no qual fez sucesso com “O meu amor chorou”, de Luiz Marçal Neto e “Pingos de amor”, em parceria com Odibar, um de seus maiores sucessos e que recebeu inúmeras regravações. Gravou, também no mesmo ano, “Asa Branca”, de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Em 1974, fez sucesso com a gravação de “E agora José”, poema de Carlos Drummond de Andrade musicado por ele. Em 1976, fez sucesso com “Vou me embora pra Pasárgada”, poema de Manuel Bandeira que ele musicou. Em 1978 lançou o LP “É marca ferrada”, onde fizeram sucesso as composições “Me leva morena”, parceria com Marconi Norato e Juhareiz Correya e “Severina cooper (ItS not mole não)”, de Accioly Neto. Em 1984, lançou “Canção do exílio”. Ao longo de sua carreira, musicou diversos poemas de consagrados poetas brasileiros, entre os quais Augusto dos Anjos, “Versos íntimos”, e Gregório de Mattos, com “Definição do amor”. Suas composições foram gravadas por diversos intérpretes, entre os quais Fagner, com “Quero voltar pra Bahia”, Simone, que gravou “Chega”, Emílio Santiago, com “Um chope pra distrair”, Clara Nunes, com “Canseira”, Elizeth Cardoso, com “Símbolo de paz”. Sua composição “Pingos de amor” conheceu diversas regravações, entre as quais as de Kid Abelha, Neguinho da Beija-Flor, Ricardo Chaves, Sula Miranda, Fernando Mendes e Araketu.

Em 2002, teve relançados os LPs “Brasa, Brasil, braseiro” e “Quero voltar pra Bahia” em CD na série “Dois em um”.

Discografias
1997 EMI CD Meus momentos vol. 2
1995 EMI CD O talento de Paulo Diniz
1994 EMI CD Meus momentos vol. 1
1984 Lança LP Canção do exílio
1978 EMI-Odeon LP É marca ferrada
1976 EMI-Odeon LP Estradas
1974 Odeon LP Paulo Diniz
1973 Odeon LP Lugar comum
1971 Odeon LP Paulo Diniz
1970 Odeon LP Quero voltar para a Bahia
1967 Copacabana LP Brasil, brasa, brasileiro
Obras
A gente se entende
Bahia comigo (c/ Odibar)
Bela bela
Brasil, brasa, brasileiro (c/ Odibar)
Caboclo império (c/ Odibar)
Caminhando pelo parque (c/ Odibar)
Canoeiro (c/ Odibar)
Canseira (c/ Odibar)
Canção do exílio
Canção do meu amor (c/ Odibar)
Capim da lagoa (c/ Zé Castor)
Chega (c/ Odibar)
Ciranda do mar (c/ Zé do Norte)
Depois de você ninguém (c/ Deto Costa)
Desejo mudo (c/ Juhareiz Correya)
E agora José? (c/ Carlos Drummond de Andrade)
Entre as cabras
Essa negra fulô (c/ Jorge de Lima)
Fica comigo amiga
Folia (c/ Juhareiz Correya)
Gosto aborrecido (c/ Odibar)
Guarânia morena (c/ Juhareiz Correya)
Junco do Seridó (c/ Juhareiz Correya)
Limoeiro (c/ Juhareiz Correya)
Lugar comum (c/ Roberto José)
Malandro é São Benedito (c/ Odibar)
Mania matinal
Marginal III (c/ Odibar)
Maria Portugal (c/ Odibar)
Maria das dores (c/ Odibar)
Me leva morena (c/ Marconi Nonato e Juhareiz Correya)
Metrô (c/ Odibar)
Miradouro (c/ Odibar)
Mundo velho (c/ Juhareiz Correya)
Muro azul (c/ Eugenio Malta)
Nega doida (c/ Odibar)
Ninfa mulata (c/ Odibar)
O chorão no dentista
O meu amor chorou
O risonho
O trevo (c/ Tom Gomes)
Pelas ruas (c/ Juhareiz Correya)
Pingos de amor (c/ Odibar)
Piri-piri (c/ Odibar)
Poema pra Léa (c/ Juhareiz Correya)
Ponha um arco-íris na sua moringa (c/ Odibar)
Pés descalços (c/ Odibar)
Quem tem um olho é rei (c/ Odibar)
Quero voltar pra Bahia (c/ Odibar)
Rasgando seda à beça (c/ Odibar)
Rosa da ponte (c/ Odibar)
Sabedoria (c/ Juhareiz Correya)
Sujeito chato (c/ Pedrinho)
Um chope pra distrair
Um dia desses eu me caso com você (c/ Torquato Neto)
Velho solar (c/ Odibar)
Verei verei (c/ Odibar)
Viola no paletó (c/ Roberto José)
Viva Maria (c/ Odibar)
Vou explodir de felicidade (c/
Vou me embora (c/ Roberto José)
Vou me embora pra Pasárgada (c/ Manuel Bandeira)
Xote pernambucano (c/ César Barra)
luazazul (c/ Eugenio Malta)
Água e poeira (c/ Eugenio Malta)
Águas mansas
Ôco do mundo (c/ Juhareiz Correya)