3.673
©
Nome Artístico
Monarco
Nome verdadeiro
Hildemar Diniz
Data de nascimento
17/8/1933
Local de nascimento
Rio de Janeiro, RJ
Data de morte
11/12/2021
Local de morte
Rio de Janeiro, RJ
Dados biográficos

Cantor. Compositor.

Filho do marceneiro e poeta José Felipe Diniz (chegou a publicar poemas no Jornal das Moças).
Nasceu no bairro de Cavalcanti e foi criado em Oswaldo Cruz, onde freqüentava as rodas de samba desde pequeno, conhecendo os bambas da Portela, como Paulo da Portela. Recebeu o apelido de “Monarco” aos seis anos.
Aos 11 anos já compunha seus primeiros sambas para blocos do subúrbio.
Em 1950 ingrtessou na Ala de Compositores da Portela, tendo como padrinho e grande incentivado o compositor Alcides Malandro Histórico, de quem tornou-se um dos principais parceiro.
Estudou até o terceiro ano primário.
Em meados dos anos quarenta, ingressou no Bloco Primavera.
Também toca cavaquinho e percussão.
Atuou como diretor de harmonia da Portela.
Além da carreira artística, trabalhou como guardador de carros, feirante e contínuo.
Seu filho Mauro Diniz é arranjador e cavaquinista, além de compositor de sucessos gravados por boa parte de intérpretes da MPB. A neta, Juliana Diniz, filha de Mauro Diniz, é atriz e cantora com disco solo. Marcos Diniz, o outro filho, além de compositor de sucessos, faz parte do Trio Calafrio.
Em 2004 casou-se com Olinda, sua companheira de 10 anos. Neste mesmo ano, foi lançada sua biografia pela Coleção Perfis do Rio, da Editora Relume – Dumará/RioArte, escrita pelo cavaquinista Henrique Cazes.
No ano de 2005 foi homenageado como enredo do G.R.E.S. Unidos do Jacarezinho, classificando a Escola no décimo lugar do Grupo de Acesso B. Neste mesmo ano recebeu da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro a condecoração pelos seus 72 anos de vida e mais de meio século dedicado à música brasiliera, mais específicamente ao samba. A Medalha Pedro Ernesto foi iniciativa da ex-vereadora Lícia Canindé (Ruça) e do vereador e ator Stepan Nercessian.

No mês de novembro de 2021 o presidente de honra da Portela, e então mais antigo membro da Velha Guarda Azul e Branco, foi internado para uma cirurgia no intestino, entretanto não resistiu às complicações. Faleceu aos 88 anos, no dia 11 de dezembro de 2021.

Dados artísticos

Quando era garoto compôs “Retumbante vitória”, seu primeiro samba a ser cantado pela Escola de Samba Portela. Apresentado por João da Gente a Natal, presidente da Portela, passou a integrar a Ala dos Compositores da Escola em 1950.
Em meados da década de 1960, deixou a Portela e entrou para a Unidos de Jacarezinho (para a qual compôs “História de Vila Rica do Pilar – a descoberta do ouro” para o carnaval de 1970 e ‘Homenagem a Geraldo Pereira’ para o carnaval de 1980), mas retornou à Portela em 1969, tornando-se responsável pelo grupo Velha-Guarda da Portela.
Em 1970 gravou, ao lado da Velha-Guarda da Portela, o disco “Portela passado de glória”, produzido por Paulinho da Viola e lançado pela gravadora RGE. NO ano posterior, em 1971, Paulinho da Viola interpretou de sua autoria “Lenço” (c/ Chico Santana) e, no ano seguinte, em 1972, gravou outra composição sua: “Passado de glória”.
Risadinha gravou em 1975 “Vida de rainha” (c/ Alvaiade). Neste mesmo ano, Roberto Ribeiro gravou “Proposta amorosa”, de sua autoria e sucesso na época.
Passou a liderar a Velha-Guarda da Portela após a morte de Manaceia. Com ela, apresentou-se no Teatro Opinião, no Rio de Janeiro, e no teatro da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo.
No ano de 1974 gravou seu primeiro LP como cantor. No ano seguinte, em 1975, “Amor de malandro” (c/ Alcides Dias Lopes) foi gravada por João Nogueira no disco “Vem quem tem”.
O segundo LP, lançado em 1976, pela Eldorado, foi reeditado em CD em 2000. O disco contou com a participação especial da Velha-Guarda da Portela, no qual interpretou “O quitandeiro” (c/ Paulo da Portela), “Lenço” (c/ Chico Santana), “Ingratidão” (c/ José Mauro), “Conselho” (c/ Manaeéia), entre outras.
Em 1977, “O passado da Portela”, de sua autoria, foi interpretada por João Nogueira no LP “Espelho”. No ano seguinte, em 1978, em parceria com Raul Marques e Bucy Moreira, fez a adaptação do tema folclórico “Miudinho”, gravado por Paulinho da Viola.
Em 1979, Roberto Ribeiro lançou outro sucesso de sua autoria, “Triste desventura”, em parceria com José Mauro. Ainda em 1979, “Força de vontade”, parceria com Mijinha, foi incluída no disco “Zumbido”, de Paulinho da Viola. Neste mesmo ano, João Nogueira interpretou “Enganadora” (c/ Alcides Dias Lopes) no LP “Clube do Samba”. Ainda em 1979, Beth Carvalho no disco “No pagode”, incluiu “Obrigado pelas flores”, em parceria com Manacéia No ano posterior, em 1980, João Nogueira gravou outra composição de sua autoria, “Serei teu ioiô”, parceria com Paulo da Portela. Neste mesmo ano de 1980 Beth Carvalho no LP “Sentimento brasileiro”, interpretou “Você pensa que eu me apaixonei”, parceria com Alcides Malandro Histórico
Lançou o LP “Terreiro”, que contou com 12 faixas, entre as quais “Homenagem à Velha Guarda”‘, “Sofres porque queres liberdade” (c/ Mijinha), “Estácio de Sá, glória do samba”, “Você pensa que eu me apaixonei” (c/ Alcides Lopes) e “Falsa recompensa”, parceria com Mijinha
Em 1983, “Quem lucrou fui eu”, de sua autoria, foi gravada com sucesso por Roberto Ribeiro.
No ano de 1984, interpretou, com a Velha-Guarda da Portela a faixa “Direito à vida” (Elton Medeiros e Ana Terra) no LP “Histórias do céu e da terra”, disco e projeto infantil da poeta e letrista Ana Terra. Dois anos depois, em 1986, produzido por Katsunori Tanaka para o mercado japonês, foi lançado o disco “Doce recordação”, da Velha-Guarda da Portela (da qual sempre fez parte). No LP, interpretou várias composições, entre elas, algumas de sua autoria como “Fui condenado”, parceria com Mijinha. Neste mesmo ano, no disco de estreia de Zeca Pagodinho, foi incluída a sua composição “Coração em desalinho”, na época apareceu no crédito da música apenas Diniz e Ratinho e não Monarco e Ratinho, como viria a aparecer em outros discos.
Em 1987 o grupo Exporta Samba gravou, no LP “Valeu a experiência”, a sua composição “Quero ver meu amor”, em parceria com Ratinho (Alcino Correa). No ano posterior, em 1988, pelos dez anos de falecimento do compositor Candeia, a Funarte (Fundação Nacional de Artes) lançou um disco em homenagem ao amigo, sendo incluída a música “Portela é uma família reunida”, parceria de ambos.
Em 1989 gravou o disco “Inéditas: Projeto Preservação da Música Popular”, com 11 faixas, entre as quais “Homenagem a Carlos Cachaça” (c/ Ratinho), “Portela desde criança”, “Encontro comovente”, “Nostalgia”, “Mágoas de um coração” (c/ Alcides Malandro Histórico), “Já me esqueci” (c/ Alcides Malandro Histórico)), “Simples tempestade” (c/ Ratinho), “Você não deve beber”, “Alegria das flores”, “Cavaleiro da esperança” (c/ Paulo da Portela) e “A execução de Frei Caneca”.
No ano de 1994 foi lançado no Brasil o CD “A voz do samba”, produzido por Henrique Cazes e gravado em 1991, mas lançado somente no Japão. Po este disco recebeu o “Prêmio Sharp” na categoria “Melhor Cantor de Samba”. Logo em seguinda, no ano de 1995, apresentou-se em São Paulo, no bar Vou Vivendo.
Em 2000, participou de shows da Velha-Guarda da Portela com a cantora Marisa Monte, lançando o CD “Tudo azul”. Ainda neste ano, Leci Brandão e Péricles interpretaram “Tudo menos amor”, parceria com Walter Rosa, no disco “Casa de samba 4”, produzido por Rildo Hora para a gravadora Universal Music. Zeca Pagodinho interpretou de sua autoria “Nunca vi você triste”, parceria com Alcino Correa – o Ratinho. Ainda em 2000, participou ao lado de Cristina Buarque do segundo show da série de quatro espetáculos dedicados a Nelson Cavaquinho “Pranto de poeta”, escritos e dirigidos por Ricardo Cravo Albin para o CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil). Neste mesmo ano, de 2000, com Eliane Faria, Paulinho da Viola, João Nogueira, Cristina Buarque, Simone Moreno, Wilson Moreira, Noca da Portela e Dorina, participou do disco “Ala dos Compositores da Portela”, no qual este grupo interpretou “Hino da Velha Guarda”, de autoria de Chico Santana. Participou da gravação do CD “Velhas companheiras – Mangueira & Portela”, no qual interpretou as faixas “Não faz amor”, “Velhas companheiras”, “Queremos ver”. Gravado em 1999 para o mercado japonês, por iniciativa do produtor japonês Katsunori Tanaka e coproduzido de Henrique Cazes, o disco contou com as participações de Guilherme de Brito, Nelson Sargento e Cristina Buarque.
No ano de 2001, ao lado de Nei Lopes, Nelson Sargento, Dona Ivone Lara, Baianinho, Niltinho Tristeza, Casquinha, Zé Luiz, Nilton Campolino, Jair do Cavaquinho, Elton Medeiros, Luiz Grande, Jurandir da Mangueira e Aluízio Machado, participou do show “Meninos do Rio”, apresentado no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, sendo o CD homônimo lançado neste mesmo ano, ano em que Henrique Cazes e Katsunori Tanaka produziram o CD “Uma história do samba”, disco somente para o mercado japonês, no qual foi incluído de sua autoria “Amor de malandro” (c/ Alcides Malandro Histórico), “Nossos pioneiros” e ainda “O samba não pode acabar”, parceria com o filho Mauro Diniz. Interpretou também “Rir” (Noel Rosa e Cartola), “João Ninguém” (Noel Rosa), “Escurinho” (Geraldo Pereira), “Uma jura que eu fiz” (Ismael Silva), “Aquarela brasileira” (Silas de Oliveira), “Isto é bom” (Xisto Bahia), “Ora vejam só” (Sinhô) e “A malandragem” (Bide). O disco contou com a participação dos músicos Paulão Sete Cordas, Mauro Diniz, Beto Cazes e Paulo Sérgio Santos, além do coro composto por Cristina Buarque, Tia, Doca, Surica, Teresa Cristina, Pedro Miranda e Mariana Bernardes. No mesmo ano, o CD ganhou o prêmio “Disco do Ano”, da revista “Music Magazine”, a principal publicação sobre música no Japão. Participou, ao lado de Manacea, Casquinha, Chico Santana e Cristina Buarque, do CD “Homenagem a Paulo da Portela”, lançado no Japão pelo selo Nikita Music, com 14 faizas do compositor portelense, entre as quais “Conselho” (Lincoln e Paulo da Portela), “Deus te ouça” (Cartola e Paulo da Portela) e “Quem espera sempre alcança”, de Paulo de Portela.
Em 2002, Zeca Pagodinho incluiu “Amor não me maltrate”, de sua autoria no disco “Deixa a vida me levar”. Neste mesmo ano foi lançado o livro “Velhas histórias, memórias futuras” (Editora Uerj) de Eduardo Granja Coutinho, livro no qual o autor faz várias referências ao compositor.
No ano de 2003 foi o vencedor do festival “Fábrica do Samba”, com a composição “Coração feliz”, em parceria com seu filho Mauro Diniz. Neste mesmo ano, o grupo Revelação, no disco “Samba de raiz 3”, regravou “Coração em desalinho”, desta vez, constando nos créditos os nomes: Monarco e Ratinho. Ainda em 2003, ao completar 70 anos, comemorou com show na Quadra da Portela e participação de inúmeros convidados de várias escolas de samba. O mesmo show foi apresentado também no ATL Hall, na Barra da Tijuca, com a presença de diversos convidados, entre eles Paulinho da Viola e Velha-Guarda da Portela. Neste mesmo ano, ao lado de Dona Ivone Lara, Wilson Moreira, Elton Medeiros, Cristina Buarque, Renato Braz, Velha Guarda da Portela, Elza Soares, Teresa Cristina, Mart’nália, Cristina Buarque, Nilze Carvalho, Seu Jorge e Walter Alfaiate, entre outros, participou do CD “Um ser de luz – saudação à Clara Nunes”, lançado pela gravadora Deck Disc, no qual interpretou com a Velha-Guarda da Portela a faixa “Peixe com coco”, de autoria de Alberto Lonato, Josias e Maceió do Cavaco. Ainda em 2003 o disco “Uma história do samba” foi lançado no Brasil pela gravadora Rob Digital.
Em 2004 participou do disco de Tia Surica, interpretando em dueto com a pastora a faixa “Ditado certo”, de sua autoria, composta em 1952 e nunca gravada. Comandou uma roda de samba que reuniu Xangô da Mangueira, Roberto Serrão, Mauro Diniz, Genaro e Délcio Carvalho, entre outros, apresentada no “Projeto Puxando Conversa”, no Museu da República no Rio de Janeiro. Apresentou-se no Bar, Restaurante e Casa de Shows Feitiço Mineiro, no projeto “Gente do Samba”, acompanhado do grupo Samba Choro integrado por Evandro Barcellos (violão de sete cordas), Valerinho (cavaquinho), Chico Lopes (sax e flauta), Kunka (surdo) e Makley (pandeiro e vocais). Neste mesmo ano de 2004 seu disco “Uma história do samba” recebeu do “II Prêmio Tim”, na categoria “Melhor Disco de Samba”. Ainda neste ano foi um dos convidados de Beth Carvalho no DVD “Beth Carvalho – a madrinha do samba”, no qual interpretou com a Velha-Guarda da Portela e a anfitriã as faixas “Passarinho” (Chatim), “Saco de feijão” (Chico Santana) e “A chuva cai” (Argemiro e Casquinha). No disco “Daqui, dali e de lá”, o grupo Toque de Prima gravou de sua autoria “Titia”, parceria com Ratinho. Sua composição “Velhas lagartas, novas borboletas” (c/ Dalmo Castello) foi incluída no CD “Passeador de palavras”, de Dalmo Castello. Participou de show “Pirajá – Esquina Carioca – A cozinha do Samba”, realizado na casa Tom Brasil, em São Paulo, ao lado de Moacyr Luz, Aldir Blanc, Martinho da Vila e Tia Surica. No ano seguinte, em 2005, sua composição “Coração feliz” (c/ Mauro Diniz), foi incluída no CD “À vera”, de Zeca Pagodinho, faixa na qual participou com integrante da Velha-Guarda da Portela. Neste mesmo ano, sua neta Juliana Diniz gravou de sua autoria “Beijo na boca” (c/ Ratinho).
Em 2006 fez show na Sala Funarte Sidney Miller, no Rio de Janeiro, no qual comemorou 72 anos de idade e recebeu diversos convidados especiais, amigos e parceiros. Neste mesmo ano, ao lado de Eliane Faria, Elton Medeiros, Nilze Carvalho, Gabriel # 9 e Roberto Silva, participou da coletânea “Circuito original” que reuniu alguns artistas participantes do projeto homônimo, apresentado em bares do Rio de Janeiro. No CD interpretou “Chuva” (Hortêncio Rocha) e “Conselho de vadio”, de autoria de Alvarenga.
No ano de 2010 classificou em terceiro lugar o samba “Esqueça de mim”, composto em parceria com os filhos Mauro Diniz e Marquinho Diniz no “2º Concurso Samba de Quadra – Troféu Jamelão”. Com direção artística de Haroldo Costa, direção musical de Ruy Quaresma e direção geral e produção executiva de Paulo Roberto Direito, a finalissíma aconteceu em show no Circo Voador, no Rio de Janeiro, contando com shows de Jorge Aragão, Banda de Ipanema, Ivo Meirelles e Niltinho Tristeza. O samba vencedor foi “Luiz, Luz da Vila”, dos compositores Espanhol e Sylvio Paulo, uma homenagem ao compositor Luiz Carlos da Vila. O júri, presidido por Ricardo Cravo Albin, ainda premiou em segundo lugar o samba “Capital do amor” (Noca da Portela e Riko Dorilêo). Neste mesmo ano, de 2010, apresentou-se no programa “Agora no ar!”, no auditório da Rádio Roquette-Pinto, juntamente com seus filhos Marcos e Mauro Diniz e ainda sua neta, a cantora Juliana Diniz. Na ocasião, com roteiro e apresentação de Ricardo Cravo Albin, a Família Diniz apresentou vários sucessos de carreira de cada um dos integrantes. Apresentou-se no Centro Cultural Light, no “Projeto MPB 12:30 em ponto”, série de encontros musicais comandados por Ricardo Cravo Albin, com direção de Haroldo Costa e Paulo Roberto Direito. Realizou o show “Monarco, a memória do samba”, no Teatro Casa Grande, no Rio de Janeiro, acompanhado por Paulão Sete Cordas, seu filho Mauro Diniz (cavaquinho), Rogério Caetano (violão), Marcus Esguleba (percussão) e Dirceu Leite (sopros). O show contou com as participações de Zeca Pagodinho, em “Vida da rainha”; Paulinho da Viola, em “O passado da Portela”; Martinho da Vila, em “Tudo menos amor” e “De Paulo da Portela a Paulinho da Viola”; e da Velha-Guarda da Portela com família Diniz: seus filhos Marcos e Mauro, e sua neta Juliana, em “Isolado do mundo”. Conquistou o primeiro lugar no “3º Concurso de Samba de Quadra da Light”, com o samba “A Grande Conquista”, feito em parceria com Marquinho do Pandeiro. Em comemoração aos 35 anos no seu primeiro LP “Monarco”, apresentou-se no Instituto Moreira Salles, no Rio de Janeiro, acompanhado por Paulão Sete Cordas, Mauro Diniz (cavaquinho) e Felipe de Angola (percissão). Na ocasião cantou todas as faixas do disco e contou suas histórias em um bate papo com o jornalista Sérgio Cabral, relembrando aspectos de sua carreira.
Em 2011 participou do projeto “Samba & Outras Coisas” que consistiu em um bate-papo sobre o samba, apresentado por Haroldo Costa no Teatro SESI Centro, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano recebeu, na 22ª edição do “Prêmio da Música Brasileira”, o prêmio de “Melhor Canção”, pela música “Dolores e suas desilusões”, composição de sua autoria em parceria com seu filho Mauro Diniz, que fora gravado no CD “Vida da minha Vida”, de Zeca Pagodinho. Apresentou-se no Teatro Sesi Caxias, no Rio de Janeiro, em show realizado no projeto “Samba & Outras Coisas”, produzido por Haroldo Costa e Paulo Roberto Direito. Participou, como convidado do grupo Samba de Fato, da série “MPB na ABL”, realizada no Teatro R. Magalhães Jr., na Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro, na qual apresentou o show “Quando eu me chamar saudade”, em homenagem a Nelson Cavaquinho. Ainda em 2011, participou da gravação do “Samba Book – João Nogueira”, lançado em CD, DVD e Blu Ray pela Musickeria em 2012, no qual interpretou as faixas “Sonho de bamba”, com a Velha Guarda da Portela e “Clube do samba”. Também em 2012, participou do projeto “Samba & Outras Coisas”, realizado pelos produtores Haroldo Costa e Paulo Roberto Direito, no Teatro Sesi Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Nesse mesmo ano apresentou-se na Cidade do Samba, no Rio de Janeiro, para a gravação do DVD “Família Diniz – um coração azul e branco”, unindo três gerações da família Diniz, seus filhos Mauro e Marquinhos e sua neta Juliana. O show contou a participação de Zeca Pagodinho, Arlindo Cruz e seu filho Arlindinho, Dorina e a Velha-Guarda da Portela. A música “Família Diniz”, de Mauro Diniz, abre o show, cujo repertório incluiu a inédita “Flores em vida”, que Marcos Diniz compôs em sua homenagem.
Em 2013 participou do show em comemoração aos seis anos do programa “Samba Social Clube”, da rádio MPB FM, realizado na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro. O show contou com arranjos de Paulão Sete Cordas e participação de Arlindo Cruz, Almir Guineto, Xande de Pilares, Diogo Nogueira, entre outros. Neste mesmo ano, recebeu o prêmio de “Melhor Cantor de Samba”, no “24º Prêmio da Música Brasileira”. Apresentou-se no Circo Voador, no Rio de Janeiro, recebendo ao palco como convidados a Velha-Guarda da Portela, Diogo Nogueira, Mariene de Castro, Dorina, Leandro Fregonesi, entre outros artistas. Em comemoração aos seus 80 anos, completados em 2013, realizou show na Quadra do G.R.E.S. Portela, no Rio de Janeiro, recebendo ao palco convidados como a Velha-Guarda da Portela, Paulinho da Viola, Cristina Buarque, Teresa Cristina, Nilze Carvalho, entre outros. O registro ao vivo do show “Pirajá – Esquina Carioca – A cozinha do Samba”, realizado na casa Tom Brasil, em São Paulo, ao lado de Moacyr Luz, Aldir Blanc, Martinho da Vila e Tia Surica foi lançado em CD, pelo selo Dabliú Discos, neste mesmo ano de 2013.
Participou, ao lado da Velha-Guarda da Portela, do “Sambabook Zeca Pagodinho”, lançado nos formatos CD duplo, DVD e blu-ray pelo selo Zeca PagoDiscos/Universal Music, em 2014. Na ocasião, interpretou “Falsa alegria”, em parceria com Zeca Pagodinha e Alcino Correa – Ratinho. Ainda em 2014 lançou o CD “Passado de Glória – Monarco 80 anos”, com apoio do projeto “Natura Musical”. Com 13 sambas inéditos e autorais, o CD produzido por Mauro Diniz, contou com participações de Beth Carvalho em “Tristonha saudade”; Marisa Monte em “Estação primaveril” (c/ Quininho); Zeca Pagodinho em “Verifica-se de fato” (c/ Ratinho); Juliana Diniz em “Pobre passarinho” (c/ Ratinho); Tuco Pellegrino em “Fingida”; Cristina Buarque em “Momentos emocionais”; Diogo Nogueira em “A grande vitória”; Marquinhos Diniz em “Meu criador” (c/ Mijinha) e os netos Matheus Diniz e Thereza Beatriz Diniz na faixa “Crioulinho sabu”.
No ano de 2015 o disco “Passado de Glória ¬ Monarco 80 anos” recebeu o prêmio de “Melhor Álbum de Samba” na 26ª edição do “Prêmio da Música Brasileira”, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. No ano posterior, em 2017, apresentou-se no festival “Rock in Rio”, no Rio de Janeiro, como uma das atrações do show “Salve o Samba’, realizado no Palco Sunset.
No ano de 2018 lançou, pela gravadora Biscoito Fino, o CD “Monarco De Todos Os Tempos”, no qual interpretou as faixas “Agora é tarde”; “Hora da partida” (c/ Mauro Diniz); “Vem meu amor” (c/ Mauro e Marcos Diniz); “Aprendi a ser feliz” (c/ Mauro Diniz e Alcino Correa); “Mercado da ilusão” (c/ Mauro Diniz); “Alegria das flores”; “Beija-Flor” (c/ Mauro Diniz); “Viestes, beijastes, fugistes” (c/ Alcino Correa); “Nova criatura” (c/ Mauro Diniz); “Início de felicidade”; “Aurora da minha vida”; “Obrigada, pelas flores” (c/ Manaceia) e “Samba pra Maricá”, além do pout-pourri “Não te perdoei, nem vou te perdoar” (c/ Alcino Correa), “Meu relógio parou” (c/ Ivo) e “Vai vadiar”, com Alcino Correa. No disco contou com as participações especiais de Zeca Pagodinho na faixa “Seu Bernardo sapateiro” (c/ Alcino Correa) e da cantora Alcione, na gravação de “Uma canção pra São Luís”.
Em 2020 participou como convidado de Zeca Pagodinho na “Roda de Samba do Zeca”, no Jochey Club, ao lado de outros cantores como Adriano Ribeiro, Mingo Silva, Renato da Rocinha e Thiago Martins. Neste mesmo ano, de 2020, foi lançado pelos selos Guitarra Brasileira e Tratore o EP “Luiz Melodia e Renato Piau Ao Vivo”. Gravado em ocasiões de shows por diversos teatros de estados brasileiros, no disco foi incluída a composição “Amor de malandro”, parceria sua com Alcides Malandro Histórico.

Discografias
2018 Gravadora Biscoito Fino CD Monarco De Todos Os Tempos
2014 Independente CD Passado de Glória – Monarco 80 anos
2013 Dabliú Discos CD Pirajá – Esquia Carioca – A cozinha do Samba (vários)
2013 Selo Dabliú Discos CD Pirajá – Esquina Carioca – A Cozinha do Samba

(vários)

2012 Independente CD Baú da Dona Ivone

(participação)

2012 Independente CD Baú da Dona Ivone (participação)
2012 Selo Musikeria CD Samba Book - João Nogueira

(participação)

2012 Musikeria CD Samba Book - João Nogueira (participação)
2012 Musikeria DVD Samba Book - João Nogueira (participação)
2006 Selo Rio 8 Fonográfico CD Circuito original

(vários)

2005 Universal CD À vera

(participação)

2004 Rob Digital CD Surica

(participação)

2003 Deck Disc CD Um ser de luz - saudação à Clara Nunes

(vários)

2003 Gravadora Rob Digital/Japão CD Uma história do samba
2003 Rob Digital CD Uma história do samba
2001 Nikita Music CD Homenagem a Paulo da Portela

(participação)

2001 Nikita Music CD Homenagem a Paulo da Portela (participação)
2001 Carioca Discos CD Meninos do Rio

(vários)

2001 Selo Carioca Discos CD Meninos do Rio

(vários)

2001 (Japão) CD Uma história do samba

Selo Office Sambinha

2000 (vários) CD Ala de Compositores da Portela
2000 Selo Nikita Music CD Doce recordação

(c/ a Velha-Guarda da Portela)

2000 Warner CD Monarco

relançamento

2000 Nikita Music CD Nikita Music
2000 Phonomotor CD Tudo azul

(c/ a Velha-Guarda da Portela)

1994 Kuarup CD A voz do samba
1994 Kuarup Music CD A voz do samba
1989 CCSP (Clube de Criação de São Paulo) LP Inéditas: Projeto Preservação da Música Popular
1986 Selo Office Sambinha CD Doce recordação

(c/ a Velha Guarda da Portela)

1984 (participação) LP Histórias do céu e da terra

infantil

1980 Eldorado LP Terreiro
1976 Eldorado LP Monarco

(c/ a Velha-Guarda da Portela)

1974 Continental LP Monarco
1970 RGE LP Portela passado de glória (c/ Velha Guarda da Portela)
Obras
A execução de Frei Caneca
A grande vitória
Agora é tarde
Alegria das flores
Amor de malandro (c/ Alcides Malandro Histórico)
Amor não me maltrate
Aprendi a ser feliz (c/ Mauro Diniz e Alcino Correa)
Aquele beberrão (c/ Nilson)
Aurora da minha vida
Beija-Flor (c/ Mauro Diniz)
Beijo na boca (c/ Ratinho)
Cavaleiro da esperança c/ Paulo da Portela
Conselho (c/ Manacéia)
Coração em desalinho (c/ Ratinho)
Coração feliz (c/ Mauro Diniz)
Crioulinho sabu
De Paulo a Paulinho (c/ Chico Santana)
Deixa meu nome em paz (c/ Alcides Malandro Histórico)
Desdita (c/ Chico Santana)
Dolores e suas desilusões (c/ Mauro Diniz)
Dor da saudade (c/ Mauro Diniz)
Encontro comovente
Enganadora (c/ Alcides Malandro Histórico)
Escolas em desfile
Estacio de Sá, glória do samba
Estação primaveril c/ Quininho
Falsa alegria (c/ Ratinho e Zeca Pagodinho)
Falsa recompensa c/ Mijinha
Falso pai-de-santo (c/ Betinho da Balança)
Fim de sofrimento
Fingida
Foi só palpitação (c/ Ratinho)
Força de vontade (c/ Mijinha)
Fui condenado (c/ Mijinha)
Homenagem a Carlos Cachaça c/ Ratinho
Homenagem à Velha Guarda
Hora da partida (c/ Mauro Diniz)
Horas de meditação c/ Mauro Diniz
Ingratidão (c/ José Mauro)
Insensata e rude c/ Mauro Diniz
Início de felicidade
Já me esqueci c/ Alcides Lopes
Lenço (c/ Chico Santana)
Mercado da ilusão (c/ Mauro Diniz)
Meu criador c/ Mijinha
Meu relógio parou (c/ Ivo)
Miudinho (c/ Raul Marques e Bucy Moreira)
Momentos emocionais
Mágoas de um coração c/ Alcides
Nossos pioneiros
Nostalgia
Nova criatura (c/ Mauro Diniz)
Nunca vi você tão triste (c/ Alcino Correa)
Não reclame pastorinha
Não te perdoei, nem vou te perdoar (c/ Alcino Correa)
O passado da Portela
Obrigada, pelas flores (c/ Manacéia)
Passado de glória
Pobre passarinho c/ Ratinho
Poeta apaixonado c/ Mário Lago
Portela desde criança
Portela sem vaidade
Portela é uma família reunida (c/ Candeia)
Presença incerta (c/ Ratinho)
Proposta amorosa
Quero ver meu amor (c/ Ratinho)
Quitandeiro (c/ Paulo da Portela)
Rabo de saia (c/ Betinho da Balança)
Samba pra Maricá
Saudades da Portela
Se conforme com o desprezo (c/ Alcides Malandro Histórico)
Serei teu ioiô (c/ Paulo da Portela)
Seu Bernardo sapateiro (c/ Alcino Correa)
Simples tempestade c/ Ratinho
Sofres porque queres liberdade c/ Mijinha
Titia (c/ Ratinho)
Tristonha saudade
Tudo menos amor (c/ Walter Rosa)
Uma canção pra São Luís
Vai vadiar (c/ Ratinho)
Vai, amor (c/ Walter Rosa)
Velhas lagartas, novas borboletas (c/ Dalmo Castello)
Vem meu amor (c/ Mauro e Marcos Diniz)
Verifica-se de fato c/ Ratinho
Viestes, beijastes, fugistes (c/ Alcino Correa)
Você não deve beber
Você pensa que eu me apaixonei” c/Alcides Lopes
Vou procurar esquecer (c/ Ratinho)
Shows
2017 Palco Sunset, festival “Rock in Rio”, Rio de Janeiro “Salve o Samba”
2013 Circo Voador, Rio de Janeiro Monarco
2013 Quadra do G.R.E.S. Portela, Rio de Janeiro Monarco
2012 Teatro Sesi Jacarepaguá, Rio de Janeiro Monarco - projeto “Samba & Outras Coisas”
2012 Parque Madureira, Rio de Janeiro Velha Guarda da Portela - Réveillon 2013
2012 Cidade do Samba, Rio de Janeiro gravação do DVD “Família Diniz - um coração azul e branco” (c/ Mauro Diniz, Marquinhos Diniz e Juliana Diniz)
2006 Monarco 72 anos. Sala Funarte Sidney Miller. RJ.
2006 Projeto Circuito original (c/ Elton Medeiros, Eliane Faria, Roberto Silva, Juliana Diniz e Nilze Carvalho). Bar e Cachaçaria Mangue Seco, RJ.
2005 Monarco. Projeto Quintal Brasil. Casa de Cultura Sylvio Monteiro, Nova Iguaçu, RJ.
2004 Beth Carvalho - a madrinha do samba. (participação). Canecão, RJ,
2004 Monarco convida. (Xangô da Mangueira, Roberto Serrão, Délcio Carvalho, entre outros). Projeto Puxando Conversa. Museu da República, RJ,
2004 Projeto Gente do Samba. Bar, Restaurante e Casa de Shows Feitiço Mineiro. Brasília, DF,
2003 Festival Fábrica do Samba. Maracanãzinho, RJ,
2003 Monarco 70 Anos (com Convidados). ATL Hall, RJ,
2003 Projeto Brincando de Roda. Quadra da Escola Brito Elias, Mesquita RJ,
2003 Roda de Samba - 70 anos - Homenagem a Monarco. (com Monarco e convidados). Espaço Rádio Viva Rio, Glória, RJ,
2003 Show 70 anos - Monarco e convidados. Quadra da Portela. RJ,
2002 Samba em família. Monarco, Mauro Diniz e Marcos Diniz. Teatro Rival. RJ.
2001 Meninos do Rio. (Vários). Centro Cultural Banco do Brasil. RJ.
2001 Monarco e Ernesto Pires. Parque das Ruínas. RJ.
2000 Show "Nelson Cavaquinho - O poeta da morte". Com Cristina Buarque. CCBB. Centro Cultural Banco do Brasil. Rio de Janeiro.
2000 Tudo Azul (com a Velha Guarda da Portela e Marisa Montes). Canecão e Olimpo, Rio de Janeiro.
Bibliografia Crítica

ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira – Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.

ALBIN, Ricardo Cravo. MPB – A História de Um Século. 2ª ed. Revista e ampliada, Rio de Janeiro: MEC/Funarte/Instituto Cultural Cravo Albin, 2012.

AMARAL, Euclides. A Letra & a Poesia na MPB: Semelhanças & Diferenças. Rio de Janeiro: EAS Editora, 2019.

AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008; 2ª ed. Esteio Editora, 2009.

CAZES, Henrique. Monarco – voz e memória do samba. Coleção Perfis do Rio. Rio de Janeiro: RioArte/Relume-Dumará, 2004.

COSTA, Cecília. Ricardo Cravo Albin: Uma vida em imagem e som. Rio de Janeiro: Edições de Janeiro, 2018.

COUTINHO, Eduardo Granja. Velhas histórias, memórias futuras. Rio de Janeiro: Editora Uerj, 2002.

MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da música Brasileira – erudita, folclórica e popular. 3. ed. São Paulo: Arte Editora/Itaú Cultural/Publifolha, 1998.

MARCONDES, Marcos Antônio. (Ed.). Enciclopédia da música brasileira – erudita, folclórica e popular. 1 v. São Paulo: Arte Editora/Itaú Cultural, 1977.

MONTE, Carlos e VARGENS, João Baptista M. (Ilustrações Lan). A Velha Guarda da Portela. Rio de Janeiro: Editora Manati, 2001.

Crítica