Busca:

Maracatu Nação Pernambuco



Dados Artísticos

Maracatu, de baque virado, fundado no dia 15 de dezembro de 1989, após uma festa organizada no Clube Vassourinhas, em Olinda(PE). Segundo o percussionista Reppolho em seu livro "Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão": "Baque Virado: Ritmo afro-brasileiro usado nos maracatus de Nação Nagô chamado de Maracatu de Baque Virado ou Maracatu Nação, em Recife. Instituição: nasceu na cidade de Olinda, em 1793, para homenagear os Reis do Congo. Alguns pesquisadores afirmam que esta Instituição fora implantada pelos portugueses. As variações rítmicas tocadas pelo tambor alfaia (bombo) recebem os nomes de Marcação, Malê, Baque-de-Parada Arrastão e Baque-de-Martelo. Vejamos como ocorre normalmente a sequência musical da percussão: o Tarol anuncia levemente um esquema rítmico bem simples, rufando e intercalando pausas. Quase no mesmo instante, o Gonguê assinala a sua rítmica característica, dando entrada às Caixas-de-guerra. Em seguida, ocorre a entrada das Zabumbas, segundo o maestro César Guerra Peixe. No decorrer dos anos o (tambor) Zabumba foi substituído pelo (tambor) Alfaia, acompanhado por Ganzás, Gonguê, e Xequerês, também chamado de Agbê". O Maracatu Nação Pernambuco é um pouco diferente dos maracatus tradicionais, tendo em vista que possui um núcleo fixo de brincantes e um menor número de integrantes, o que lhe possibilita apresentações e viagens nacionais e internacionais. Contudo, mantendo a tradição na instrumentação peculiar dos blocos de maracatu convencionais.
Em 1992 o grupo lançou o primeiro disco intitulado "Batuque da Nação" e produzido pelo músico Zé da Flauta (ex-Quinteto Violado). No ano seguinte, apresentou-se na primeira edição do "Festival Abril Pró Rock", de Recife, e realizou sua primeira turnê internacional com shows em Portugal. Neste mesmo ano de 1993 o grupo lançou, pela gravadora Velas, o CD "Maracatu".
No ano de 1996 gravou a faixa "Seu Luís e Salu" na coletânea "Recifrevoé" e montou o espetáculo de abertura da "Bienal de Dança de Lyon", na França, seguindo para Paris, onde se apresentou nas principais casas noturnas da capital francesa.
Em 1997 o grupo participou do disco "Oceano", de Sérgio Mendes, gravando a faixa "Maracatudo", tema de abertura da novela "A Indomada", da Rede Globo. Participou do disco do cantor Nonô Germano, na faixa "Piaba de ouro". Realizou, nesse mesmo ano de 1997, apresentações em Frankfurt e Amsterdã.
No ano de 1998, fez nova turnê pela Europa com shows em 40 cidades da Alemanha, França, Bélgica, Suíça e Itália, e participou da coletânea "Olinda quero cantar".
Em 2000 fez apresentação no "31º New Orleans Jazz & Heritage Festiva", em New Orleans (EUA). Entre os meses de julho e setembro do mesmo ano, realizou uma temporada de apresentações com o espetáculo "Nação Pernambuco: um eté bresilien à Paris" na casa de espetáculos Divan du Monde, na capital francesa, além de shows em Londres (Inglaterra) e Marselha (França). Ainda no ano 2000, comemorando dez anos de existência, gravou o CD "Maracatu Nação Pernambuco - 10 anos de Batuque Solto Virado".
Durante sua carreira artística o grupo participou de shows e gravações com vários artistas nacionais e internacionais, entre os quais Harald Weiss, Naná Vasconcelos, Ivan Lins, Alceu Valença, Quinteto Violado, Nando Cordel, Lenine, Milton Nascimento, Olodum, Antônio Nóbrega, Antúlio Madureira, Banda de Pau, Daniela Mercury, Jorge Benjor, Daúde, Jimmy Cliff, The Weather Girls, Circo Nacional da China, entre outros. DISCOGRAFIA: 1992;Batuque de Nação;;Independente;;CD
1993;Maracatu;;Velas;;CD
1996;Recifrevoé;(coletânea);participação;Independente;CD
1997;Oceano;(Sérgio Mendes);participação;;CD
1998;Olinda quero cantar;Coletânea;participação;Independente;CD
2000;Maracatu Nação Pernambuco - 10 anos de Batuque Solto Virado;;Independente;;CD SHOWS PRINCIPAIS: 1993: Festival Abril Pró Rock, Recife, PE,
1993: Maracatu Nação Pernambuco. Lisboa, Portugal,
1996: Espetáculo de abertura da Bienal de Dança de Lyon, França,
1996: Espetáculo de abertura da Bienal de Dança, Paris, França,
2000: Maracatu Nação Pernambuco no "31o New Orleans Jazz & Heritage Festiva". New Orleans, EUA,
2000: Espetáculo "Nação Pernambuco: un eté bresilien à Paris". Casa de Espetáculos Divan du Monde, Paris, França.
BIBLIOGRAFIA CRÍTICA: ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006.
AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010.
REPPOLHO. Dicionário Ilustrado de Ritmos & Instrumentos de Percussão. Rio de Janeiro: GJS Editora, 2012.

Mais visitados
da semana

1 Karen Keldani
2 Festivais de Música Popular
3 Noel Rosa
4 Jaburu Batera
5 Gonzaguinha
6 Tiee
7 Vanusa
8 Gilberto Gil
9 João Nogueira
10 Paulinho da Viola