Busca:

Zezinho

José Delphino Filho
11/5/1915 Rio de Janeiro, RJ
Circa 2000 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Começou a carreira artística em 1942, como crooner do conjunto Samba Danças. Em 1953, apresentou-se como crooner da boate Vogue cantando com os conjuntos de Moacyr Silva e Sacha Rubin. Atuou como crooner em diversas boates de Copacabana. Em 1955, integrou o Sexteto de Louis Cole, na gravação do LP "Uma noite no Vogue - Louis Cole e Seu Sexteto", do selo Rádio. Em 1956, foi vocalista no LP "Dançando com Vadico", no qual, com acompanhamento do pianista Vadico, interpretou sambas como "Agora é cinza", de Bide e Marçal; "Você vai se quiser", de Noel Rosa; "Aos pés da cruz", de Marino Pinto e Zé da Zilda, e "Se você jurar", de Ismael Silva e Nilton Bastos. Em 1957, gravou, pela Odeon, com o conjunto Os Copacabana, o LP "Mesa de pista - Zezinho e Os Copacabana", interpretando, além de clássicos internacionais, os sambas "Faceira" e "Morena Boca de Ouro", de Ary Barroso; "Feitio de oração", de Noel Rosa e Vadico; "Homenagem", de Astor Silva; "Longe dos olhos", de Cristóvão de Alencar e Djalma Ferreira, e "Não dou conselho", de Antonio Nássara e Erasmo Silva. Em 1959, também pela Odeon, lançou o LP "Mesa de pista Nº 2 - Zezinho e Seu Conjunto", com a interpretação de sucessos internacionais, além dos sambas "Calado venci", de Ataulfo Alves e Herivelto Martins; "Completamente", de Astor Silva; "Não tive tempo", de Haroldo Barbosa e Nanai; "Champanhota", de Lindolfo Gaya; "Pra machucar meu coração", de Ary Barroso, e "Apoio moral", de Herivelto Martins e Marino Pinto. No mesmo ano, gravou o LP "Zezinho e seu piston - Zezinho e sua orquestra de TV", pela Odeon, interpretando os sambas "Viva meu samba", de Billy Blanco; "Além", de Edson Borges e Sidney Morais; "Chega de saudade", de Tom Jobim e Vinícius de Moraes; "Estrada do sol", de Tom Jobim e Dolores Duran, e "Franqueza", de Denis Brean e Osvaldo Guilherme, além de sucessos internacionais. Em 1960, gravou, pela Odeon, o LP "Noite para dois", que incluiu, entre outras, as músicas "Na hora do adeus", de Tom Jobim e Vinícius de Moraes; "Prelúdio", de Vadico; "Cha cha cha do passarinho", de Haroldo Barbosa; "Segunda feira", de Heron Domingues e Jairo Argileo; "O sax do Jorginho", de Astor Silva; "É isso mesmo", de Luis Antônio e Jarbas Assad; "O canto da Yara", de Lindolfo Gaya e E. de Assis; "Eu não quero saber", de Lindolfo Gaya; "Odete", de Herivelto Martins, e "Deixa eu bater meu tamborim", de Wilson Batista e Erasmo Silva. Em 1961 e 1962, atuou como assistente de direção artística na fábrica de discos Odeon. Passou em seguida a atuar como assistente de direção da gravadora Elenco. Ainda em 1962, gravou o LP "O espetacular carnaval do Rio - Zezinho e Escola de samba com Astor e seu trombone", no qual foram interpretados três pot-pourris de sambas e três de marchas, que incluíram clássicos como "Está chegando a hora", de Henricão e Rubens Campos; "Se eu errei!, de Risadinha, Humberto Meirelles e Edu Rocha; "A fonte secou", de Monsueto, Tufic Lauar e Marcléo; "Marchinha do grande galo", de Lamartine Babo e Paulo Barbosa; "Confete", de David Nasser e Jota Júnior; "Mamãe eu quero", de Jararaca e Vicente Paiva; "Eu brinco", de Pedro Caetano e Claudionor Cruz; "Sassaricando", de Luis Antônio e Oldemar Magalhães, e "Índio quer apito", de Haroldo Lobo e Milton de Oliveira. No mesmo ano, integrou o Conjunto Sete de Ouros, juntamente com Edmundo Maciel, Julinho Barbosa, Lauro Miranda, Lenita Bruno, Maestro Cipó, Paulinho Baterista e Vidal. O grupo lançou o LP "7 de Ouros", no qual ele interpretou os sambas-canção "Dizem por aí", de Manoel da Conceição e Alberto Paz; "Chorou chorou", de Luis Antônio, e "Você passou", de Alcyr Pires Vermelho e Nazareno de Brito. Em 1968, participou do LP "Fala Mangueira", da Odeon, uma homenagem a Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira, interpretando os sambas "Mundo de zinco", de Antônio Nássara e Wilson Batista; "Alegria", de Cartola, em dueto com Clementina de Jesus, e "Exaltação à Mangueira", de Enéas Brites da Silva e Aloísio Augusto da Costa. Fez gravações pela Continental, Odeon e selo Rádio, além de participar de diferentes orquestras e apresentar-se em inúmeras boates cariocas.

Mais visitados
da semana

1 Durval e Davi
2 Tiee
3 Gilberto Monteiro
4 Teresa Cristina
5 Alceu Valença
6 Creone e Barrerito
7 Festivais de Música Popular
8 Gilberto Gil
9 Noel Rosa
10 Martha Rocha