Busca:

Zé Paulo Becker

José Paulo Becker
11/12/1968 Rio de Janeiro, RJ

Não deixe de ver:

Dados Artísticos

Começou a carreira como concertista de violão erudito recebendo vários prêmios nacionais e internacionais. No ano de 1990 ganhou o “Concurso Nacional Villa-Lobos” na categoria “Violão Clássico”. No ano de 1977, ao lado de Zé Carlos Bigorna (flauta e sax), Betinho Maciel (violão), Adriano Giffoni (baixo), Fernando Pereira (bateria) e Carlos Miranda, no pandeiro, formou o sexteto instrumental Sambachoro, que gravou o primeiro LP "Sambachoro" no ano seguinte. O disco foi bem aceito pela crítica e por músicos como Hermeto Pascoal, Altamiro Carrilho, Abel Ferreira e Severino Araújo. Algumas músicas desse disco viraram prefixo da Rádio Nacional e da Rádio Globo FM.  Ao lado de Marcelo Gonçalves (violão sete cordas) e Ronaldo do Bandolim, integrou o Trio Madeira Brasil, com o qual gravou, em 1998, "Trio Madeira Brasil". No CD, o grupo interpretou clássicos do choro como "Um a zero", de Pixinguinha e Benedito Lacerda, contando nesta faixa com a participação especial do cantor e compositor Zé Renato, que interpretou a letra composta por Nélson Angelo. Outras composições do mesmo disco foram "Labirinto", "Batuque", "Guerreiro" e  "Celestial", todas de Ernesto Nazareth, e ainda "Santa morena", de Jacob do Bandolim. O disco trouxe também compositores contemporâneos aos integrantes do grupo, como  Edu Lobo em "Corrupião", Egberto Gismonti em "Loro" e Chico Buarque em "As vitrines". Com este primeiro trabalho, gravado originalmente em produção independente, o grupo teve duas indicações para o Prêmio Sharp de 1998: "Melhor Grupo" e "Melhor Disco". Neste mesmo ano, o violonista fez duo com Egberto Gismonti participando do "Festival Chorando Alto", em São Paulo. No ano seguinte, integrando o Trio Madeira Brasil, destacou-se no "Free Jazz", sendo o grupo, também pioneiro na gravação do primeiro videoclipe de choro. No ano 2000, integrando o Octeto Bach In Brazil, liderado pelo cavaquinista Henrique Cazes, fez turnê pela Inglaterra e Portugal. Ainda em 2000, após 20 anos, o grupo Sambachoro voltou a se reunir, desta vez como um trio, gravando o CD "Alma carioca". O Sambachoro realizava uma mistura de choro, samba, gafieira, bossa nova, jazz e clássico. Em 2001 lançou seu primeiro disco solo, "Lendas brasileiras" com distribuição pela Kuarup. Sobre o CD escreveu o compositor Guinga: "Zé Paulo, eu me entrego. Por doze vezes seguidas eu me entrego, e pelo resto da vida te entrego as chaves da minha cidade". No CD interpretou "Folhas secas" (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito), "Chovendo na roseira" (Tom Jobim), "Feitiço da Vila" (Vadico e Roel Rosa), "Amor proibido" (Cartola), "Choro bandido" (Edu Lobo e Chico Buarque), "Feira de mangaio" (Sivuca e Glorinha Gadelha), "Fato consumado" (Djavan), "Gotas de ouro" (Ernesto Nazareth) e "Infância" e "Palhaço", ambas de autoria de Egberto Gismonti e ainda a faixa-título "Lendas brasileira", de Guinga e Aldir Blanc. O CD foi produzido pelo também violonista Maurício Carrilho que declarou: "Ele é uma espécie de tataraneto de Quincas Laranjeiras, com sólida formação técnica". O disco foi lançado em show no teatro Café Arena, em Copacabana. Ainda em 2001, com o grupo Sacode Evaristo, apresentou-se regularmente no Bar Semente, na Lapa, centro do Rio de Janeiro. No ano de 2002, ainda integrando o grupo Trio Madeira Brasil, apresentou-se nos projetos "Grandes Encontros", no Teatro Leblon e "Quintas no BNDES", ambos os projetos tendo o Trio Madeira Brasil como atração principal, recebendo como  convidado o pianista Leandro Braga. Em 2003, fazendo ainda parte do Trio Madeira Brasil, gravou o disco "A flor e o espinho", de Guilherme de Brito, no qual o grupo foi responsável por todos os arranjos e acompanhamento do compositor e seus convidados, entre eles, Beth Carvalho na faixa "Folhas secas" (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito) e Fagner em "Distância" (Fagner e Guilherme de Brito). Como violonista atuou em shows e gravações com os principais artista da MPB, entre os quais Francis Hime, Armandinho (com quem trabalhou em duo em vários shows), Élton Medeiros, Zé Renato e Elza Soares. Atuou em duo com o violonista Yamandú Costa em vários shows. Apresentou o show "Zé Paulo Becker homenageia Baden Powell" no projeto "Quintas do BNDES". Com Baden Powell gravou um especial para a TV Francesa. Nesse mesmo ano, lançou o CD "Sob o redentor", no qual contou com as participações de Leila Pinheiro na faixa "Rua Bariri" (c/ Aldir Blanc), Elza Soares em "Há Miles que vem pra bem" (c/ Aldir Blanc), Yamandú Costa, Zé Renato, Zé da Velha e Silvério Pontes. Entre as composições, destacam-se "Samba Lelê", "Nada bem claro", com a participação do acordeonista Chico Chagas; "Zé Pureza" (com cordas orquestradas por Jayme Vignoli em tema composto para o documentário homônimo sobre um acampamento dos Sem-Terra) e também "Galope de São Domingos" com a participação de Dominguinhos na voz e no acordeom. No ano de 2004, integrando o grupo Trio Madeira Brasil, apresentou-se no Teatro Municipal de Niterói, quando recebeu como convidados Elza Soares, Guinga e Zezé Gonzaga. O show foi montado exclusivamente para a gravação do segundo bloco do documentário "Brasileirinho", do cineasta finlandês Mika Kaurismaki, radicado no Rio de Janeiro desde o início da década de 1990. Do documentário sobre o gênero 'choro' também fizeram parte Tereza Cristina, Yamandu Costa e Paulo Moura, entre outros. O filme foi lançado em 2005 no "Fórum Internacional do Novo Cinema", uma das mostras paralelas do "Festival de Berlim", na Alemanha. No ano de 2006, pela gravadora Biscoito Fino, lançou o CD "Um violão na roda de choro", disco no qual apresentou diversas composições própria, entre as quais as da série "Guinguinianas", dedicadas ao violonista e compositor Guinga e ainda outras em homenagem aos amigos Rogério Souza, violonista do grupo Nó em Pingo D'água, com o "Choro pro Rogério", ao compositor e pianista Laércio de Freitas no "Choro p/ Tio", além de "Cabritada em Nikiti", um maxixe dedicado ao trompetista Silvério Pontes. No CD também incluiu "Choro da Miranda" (em homenagem à Carmen Miranda), "Endiabrado", dedicado a Jacob do Bandolim e "Choro bebop", de sua autoria, faixa em que presta uma homenagem ao gênero americano bebop, mas sem perder as característica de choro. Em 2011 seu primeiro CD “Lendas Brasileiras” foi reeditado pelo selo Biscoito Fino. Em 2012 participou da gravação do DVD “Casuarina - 10 anos de Lapa”, interpretando, ao lado de Nicolas Krassik, a música “Bole-bole” (Jacob do Bandolim), em show que contou com a participação de artistas que fizeram parte do cenário de revitalização do bairro da Lapa, como Eduardo Gallotti, Teresa Cristina, Moyseis Marques, Marcos Sacramento, Nilze Carvalho, Pedro Miranda, Áurea Martins, Ana Costa, Zé da Velha e Silvério Pontes, entre outros. Apresentou-se, ao lado de Julio Dain, Vidal Assis e Moyseis Marques, no “Panorama da Nova Canção Carioca”, evento realizado pela Caixa Cultural no Teatro Nelson Rodrigues, no Rio de Janeiro, que contou com a participação especial do cantor Marcos Sacramento. Ainda em 2012 lançou, ao lado do cantor Marcos Sacramento, o CD “Todo mundo quer amar”, que incluiu 14 faixas inéditas de sua autoria em parceria com o poeta Paulo César Pinheiro. Interpretado por Marcos Sacramento, o disco contou com as participações de músicos como Rogério Caetano (violão de sete cordas), Bebê Kramer (acordeom), Leandro Braga (piano), Márcio Almeida (cavaquinho), Pedro Aune (baixo), Paulino Dias (percussão), entre outros. O show de lançamento do disco foi realizado no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, e contou com a participação dos músicos Rogério Caetano (violão de sete cordas), Humberto Araujo (sopros), Romulo Duarte (baixo), Netinho Albuquerque e Bernardo Aguiar (percussões). Participou do programa “Agora no Ar!”, talk-show apresentado por Ricardo Cravo Albin na Rádio Roquette-Pinto, no qual executou, ao lado de Marcos Sacramento, as músicas do disco “Todo mundo quer amar”. Gravou “Feira de Mangaio” (Sivuca e Glorinha Gadelha), faixa incluída no CD que acompanha o livro “Violão Ibérico”, primeiro título da editora Trem Mineiro Produções Artísticas, produzido por Giselle Goldoni Tiso. Em 2013 participou da semana “Os Sambas do Brasil”, dentro das comemorações do “Ano Brasil Portugal”, apresentando-se no Espaço Brasil, em Lisboa (Portugal), acompanhado do grupo Semente Choro Jazz, formado por Caio Márcio (violões), Tiago Souza (bandolim) e Bernardo Aguiar (percussão). Nesse mesmo ano lançou o livro acompanhado de CD “Levadas Brasileiras para Violão”, onde registrou levadas de ritmos brasileiros, a partir de sua perspectiva. Em 2013 aApresentou o show “Saravá!”, ao lado de Marcos Sacramento, no qual interpretaram canções de Vinicius de Moraes e Baden Powell, dentro do projeto “Vinicius, o poeta do encontro”, realizado no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil), no Rio de Janeiro, em homenagem ao centenário do Poetinha. Em 2015 lançou o CD “Parceria”, em duo com o violonista cearense Cainã Cavalcante, no qual assinou oito das dez músicas do disco. Em 2018 comemorou seus 30 anos de carreira lançando o DVD “Violão, amigos e canções”, que teve participação de Nei Matogrosso, Roberta Sá, Marcos Sacramento, Beth Marques e Deco Fiori. O DVD também contou com uma roda de conversa entre amigos, em uma mesa ocupada por Yamandu Costa, Moyseis Marques, Mauro Aguiar e Marcos Sacramento. O show de lançamento foi apresentado na casa de shows Blue Note Rio.

Mais visitados
da semana

1 Agnaldo Timóteo
2 Tiee
3 Barreto e Barroso
4 Noel Rosa
5 Claudio Cartier
6 Caetano Veloso
7 Gonzaguinha
8 Cartola
9 Luiz Gonzaga
10 Tom Jobim