Busca:

Zé Fortuna, Pitangueira e Zé do Fole



Não deixe de ver:

Dados Artísticos

Cantores. Trio sertanejo. Compositores (Zé Fortuna e Pitangueira). Instrumentista. Acordeonista (Zé do Fole).  José Fortuna, o Zé Fortuna - Itápolis, SP - 20/10/1923 - 11/01/1983 - São Paulo, SP Euclides Fortuna, o Pitangueira - Itápolis, SP - 1928 - 11/01/2013 - São Paulo, SP Zé do Fole Os irmãos José e Euclides Fortuna criaram a dupla Zé Fortuna e Pitangueira, em 1947. No mesmo período, mudaram-se para São Paulo onde conheceram  o sanfoneiro Juventus Merenda. Os três formaram então um trio no qual Merenda ficou pouco tempo. Em 1948,  conheceram o acordeonista Coqueirinho, formando com ele o trio "Os Maracanãs". Apresentaram-se no mesmo ano na Rádio Record de São Paulo. Em 1950, inauguraram a Tv Paulista, canal 5 em São Paulo, que nos anos 1960, se tornaria a TV Globo. Em 1953, a acordeonista Rosinha substituiu Coqueirinho, e Os Maracanãs passou a atuar com sucesso no programa "Terra, sempre terra", na  Rádio Piratininga em São Paulo.  Em 1956, gravaram o cateretê "O selo de sangue", de Zé Fortuna e Pitangueira, e um de seus maiores sucessos. Em 1957, emplacaram outro sucesso com a valsa "Lenda da valsa dos noivos", de Zé Fortuna e Pitangueira. Em 1958, passaram a atuar na Rádio Bandeirantes. Em 1962, foram para a Rádio Tupi. Em fins dos anos 1950, passou a fazer parte do trio o sanfoneiro Zé do Fole, em lugar de Rosinha, dando assim forma definitiva ao trio "Os Maracanãs" até a sua dissolução, em 1973. Em muitos discos e informativos, costuma-se mencionar a existência apenas da dupla Zé Fortuna e Pitangueira, como no disco da série "Raízes sertanejas", apresenta a dupla Zé Fortuna e Pitangueira. Segundo Iara, filha de Zé Fortuna, os irmãos Fortuna nunca se apresentaram em dupla, mas sempre como trio, Zé Fortuna, Pitangueira e Zé do Fole, também conhecidos como "Os Maracanãs". O repertório do trio constituía-se, principalmente, de tangos, valsas e guarânias. Interpretavam, também, canções humorísticas, excelentes para o ambiente circence, como "Mané preguiça", de José Fortuna. Em outras composições interpretavam verdadeiras histórias musicadas, tais como "A lenda da valsa dos noivos" e "Drama da vida" e , a primeira de José Fortuna e Pitangueira e a última de José Fortuna. Em 1959, gravaram  a valsa "Paineira véia", de Zé Fortuna, e que tornou um dos maiores sucessos do trio. Em 1960, interpretaram a composição "Sob o céu de Brasília" na inauguração da nova capital brasileira, e considerado como o hino inaugural de Brasília. No mesmo ano, gravaram a guarânia "Por que?", de Zé Fortuna e Pitangueira e o tango "O tango do adeus", de Zé Fortuna e Lucílio Antunes dos Santos. Em 1961,  fizeram grande sucesso com a  valsa "Retalhos de amor", de José Fortuna, no mesmo disco em que gravaram o tango "Divina pecadora", de José Fortuna e Pitangueira. Em 1962, fizeram sucesso com a guarânia "Lembrança", de José Fortuna. Em 1963, gravaram o tango "Justiça de um filho", de Leo Canhoto. Em 1964, passaram a atuar na Rádio Nove de Julho, em São Paulo. Em 1965, transferiram-se para a Rádio Nacional, também em São Paulo. Ao longo dos anos 1950 e 1960, apresentaram-se nas principais rádios de quase todos os estados do Brasil. Em 1968, lançaram o LP "O Sol e a Lua". Gravaram cerca de 40 LPs e diversos discos em 78 rotações.A maior parte das gravações do trio eram composições dos irmãos José Fortuna e Pitangueira.

Mais visitados
da semana

1 Elis Regina
2 Ronaldo Bôscoli
3 Noel Rosa
4 Irmãs Galvão
5 Isolda
6 Caetano Veloso
7 César Camargo Mariano
8 Chitãozinho e Xororó
9 Tom Jobim
10 José Camillo