Busca:

Wilson Batista

Wilson Batista de Oliveira
3/7/1913 Campos, RJ
7/7/1968 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Começou a carreira, freqüentando os cabarés da Lapa, RJ, onde fez amizade com os irmãos Meira, malandros de má fama da época. Por causa dessa amizade, chegou a ser preso várias vezes. Logo depois, conseguiu ingressar no ambiente artístico, empregando-se como eletricista e ajudante de contra -regra no Teatro Recreio, na Praça Tiradentes. A casa vivia cheia, com as peças de Aracy Cortes e Margarida Max. Fez o primeiro samba aos 16 anos, "Na estrada da vida", que para sua alegria, foi cantado no Teatro Recreio pela própria estrêla Aracy Cortes, na época a cantora popular mais famosa da então capital da República.  Em 1932, teve sua primeira composição gravada, o samba "Por favor vai embora", parceria com Benedito Lacerda e Osvaldo Silva lançado por Patrício Teixeira na Victor. Em 1933, teve gravados os sambas "Desacato", com P. Vieira, registrado por Francisco Alves, Castro Barbosa e Murilo Caldas na Odeon e que se tornou seu primeiro sucesso; "Eu vivo sem destino", com Sílvio Caldas e Osvaldo Silva, lançado por Sílvio Caldas; "Na estrada da vida", gravado por Luiz Barbosa e a batucada "Barulho no beco", lançada por Almirante, as três últimas, na Victor. Nesse ano, Sílvio Caldas gravou na RCA Victor o samba "Lenço no pescoço", que iniciaria uma famosa polêmica musical travada com Noel Rosa. Com letra que fazia a apologia da malandragem, o samba traçava o retrato perfeito do malandro carioca daquele período: "Meu chapéu de lado/ Tamanco arrastando/ Lenço no pescoço/ Navalha no bolso/ Eu passo gingando/Provoco desafio/ Eu tenho orgulho de ser vadio/ Sei que eles falam desse meu proceder/ Eu vejo quem trabalha andar no miserê". Também nessa época, atuou como crooner de um conjunto de subúrbio, a Orquestra de Romeu de Malaguta. Nesse período, era um assíduo freqüentador da "Esquina do Pecado", reduto dos sambistas em início de carreira, uma espécie de Café Nice dos pobres. Ele era um sambista da vertente da malandragem, da vadiagem, da orgia, da gandaia. Os freqüentadores do Café Nice representavam o sambista respeitável, boêmio, mas, profissional. Pouco tempo depois, Noel Rosa escreveu o samba "Rapaz folgado" como resposta à exaltação da malandragem feita em "Lenço no pescoço". A polêmica teve continuidade com seu samba "Mocinho da Vila". Em 1934, Noel Rosa respondeu com o samba "Feitiço da Vila" que teve como resposta o samba "Conversa fiada", respondido por Noel Rosa com o samba "Palpite infeliz". Nesse ano, teve gravados os samba "Cadê a fantasia", parceria com Valfrido Silva, por Almirante e "Está no meu caderno", com Benedito Lacerda e Osvaldo Silva, por Mário Reis, ambos na Victor. No ano seguinte,o Bando da Lua gravou na Victor o samba "Raiando", com Murilo Caldas, que por sua vez, gravou na Columbia a marcha "Se você morrer", com Roberto Martins. Deu ainda sequência à polêmica com Noel Rosa com mais dois sambas, "Frankenstein da Vila" e "Terra de cego", que acabaram não recendo resposta. Apesar dessa polêmica, acabou ficando amigo de Noel Rosa. Em 1936, com Erasmo Silva, que ele considerava um sósia seu, constituiu a dupla "Verde e Amarelo" que chegou a gravar dez disco em 78 rpm. Fizeram temporada de três meses em Buenos Aires, Argentina, junto com a orquestra "Os Almirantes Jonas". De volta ao Brasil, ficaram um ano em São Paulo, onde gravaram o primeiro disco, com as Irmãs Vidal, pela Columbia, com as músicas "Adeus, adeus", de Francisco Alves e Frazão e "Ela não voltou", dos mesmos autores e mais Aluísio Silva Araújo. Em São Paulo, trabalharam nas rádios Atlântica, de Santos e Record, da capital paulista. Fizeram temporada em Porto Alegre e Pelotas, retornando à São Paulo para trabalharem na Rádio Tupi. Também em 1936, seu samba "Não durmo em paz", com Germano Augusto, foi gravado na Odeon por Carmen Miranda. EM 1937, gravou com Erasmo Silva o samba "Não devemos brigar". Em 1938, atuando com Erasmo Silva em São Paulo, recebeu uma carta de Sílvio Caldas avisando que a Rádio Mayrink Veiga tinha interesse em contratá-los. Voltaram ao Rio de Janeiro e passaram a atuar naquela rádio com sucesso. Mas ele não pretendia fazer carreira como cantor. Queria mesmo era firmar-se como compositor. Erasmo Silva, percebendo que o parceiro não tinha o mesmo objetivo que ele, decidiu voltar à Argentina, desfazendo a dupla "Verde e Amarelo", que o famoso locutor da rádio, César Ladeira anunciava como tendo "cores diferentes, vozes iguais!". No mesmo ano seguinte, seu samba "O teu riso tem", parceria com Roberto Martins foi lançado pela Odeon na voz de Sílvio Caldas. Conheceu seu primeiro grande sucesso na voz de Moreira da Silva com o samba "Acertei no milher", parceria com Geraldo Pereira gravado na Odeon. Nesse ano, Cinara Rios gravou na Victor o samba "Artigo nacional", com Germano Augusto. Também na Victor, Aracy de Almeida gravou "Brigamos outra vez" e Odete Amaral "Chinelo velho", sambas feitos em parceria com Marino Pinto. Também no mesmo ano, teve gravados na Columbia a marcha "Cowboy do amor", com Roberto Martins, pelos Anjos do Inferno e "Carta verde", samba com W. Silva e A . Lima, gravado por Zilá Fonseca. Nessa época, tinha um "relações públicas", talvez o primeiro a surgir em nossa música popular, o amigo português Germano Augusto, que se tornou parceiro seu parceiro em 14 músicas. Germano era mestre em "descobrir" músicas entre marinheiros freqüentadores da zona do baixo meretrício. Através de Germano, conheceu o bicheiro China, para quem vendeu várias músicas. Quando estava sem dinheiro, procurava o China: "Quer um sambinha barato, Major?". Ainda em 1939, compôs com Ataulfo Alves o samba "Oh! Seu Oscar" gravado por Cyro Monteiro na Victor e que  venceu o concurso de músicas para o carnaval, promovido pelo DIP, Departamento de Imprensa e Propaganda, do governo Vargas.  Por volta de 1940, sua temática mudou, por conta de suas novas parcerias, e, principalmente, pela influência de uma portaria do governo que proibia a exaltação da malandragem. Nessa época, elegeu Cyro Monteiro e Aracy de Almeida como seus dois intérpretes favoritos. Com Cyro Monteiro obteve grande sucesso em 1940 com o samba "O bonde de São Januário", parceria com Ataulfo Alves, que tinha uma letra de exaltação ao trabalho e que foi muito cantado no carnaval seguinte, seja com a letra original, seja com a alteração promovida pela população que em lugar de cantar "O bonde São Januário/Vai levar mais um operário/Sou eu que vou trabalhar", passou a cantar: "O bonde São Januário vai levar mais um otário/Pra ver o Vasco apanhar". Teve mais um samba lançado por Aracy de Almeida em 1941, "Eu não sou daqui", parceria com Ataulfo Alves. Nesse ano, fez com Moreira da Silva o samba "Esta noite eu tive um sonho", gravado por Moreira da Silva e com Haroldo Lobo a marcha "Essa vida não é sopa", grabada por Patrício Teixeira. Também no mesmo ano, Vassourinha gravou com grande sucesso na Columbia o samba "Emilia".  Em 1942, teve outra parceria com Ataulfo Alves gravada, o samba "Faz um homem enlouquecer", lançado por Cyro Monteiro na Victor. Nesse ano, Carlos Galhardo gravou o samba "Largo da Lapa", com Marino Pinto; Sílvio Caldas o samba "Meus vinte anos", parceria dos dois e Déo os sambas "No mundo da lua", com Zé da Zilda e "A outra santa", com Jorge de Castro. No ano seguinte, obteve novo grande sucesso com o samba "Louco (Ela é o seu mundo), parceria com Henrique de Almeida gravado por Orlando Silva na Odeon. Também em 1943, teve gravados os sambas "Gosto mais do Salgueiro", parceria com Germano Augusto, por Aracy de Almeida na Odeon; "Fala baiano", com Roberto Martins, lançado pelos Anjos do Inferno na Columbia e "Botões de laranjeira", com Jorge de Castro gravado por Orlando Silva na Odeon.  Em 1944, Carlos Galhardo gravou na Victor o samba "Deus no céu e ela na terr", parceria com Marino Pinto. Também nesse ano, o samba "Como se faz uma cuíca" foi gravado pelos Anjos do Inferno na Victor e a marcha "O mundo às avessas" e o samba "Não tenho juízo", as duas com Haroldo Lobo, por Aracy de Almeida na Odeon. Em 1945, Linda Batista gravou na Victor a marcha "No boteco do José", parceria com Augusto Garcez, e que fazia uma brincadeira com a torcida do Vasco da Gama e que foi grande sucesso do carnaval do ano seguinte. Teve gravado em 1946, por Aracy de Almeida na Odeon, o samba "Memórias de torcedor", parceria com Geraldo Gomes. A mesma Aracy de Almeida regravou com sucesso nesse ano o samba "Louco (Ela é o seu mundo)"; Carlos Galhardo lançou na Victor o samba "Comício em Mangueira", com Germano Augusto e Orlando Silva gravou na Odeon o samba "Gostei de você", com Arlindo Marques Junior. Três anos depois, conheceu no grande sucesso carnavalesco com a marcha "Pedreiro Valdemar", parceria com Roberto Martins e gravada por Blecaute em novembro do ano anterior. Em novembro de 1949, Jorge Goulart gravou na Continental a marcha "Balzaquiana", cujo título se reporta ao escritor francês Honoré de Balzac, parceria com Nássara e grande sucesso no carnaval do ano seguinte. Ainda em 1949, fez sucesso com o samba "Chico Brito", com Afonso Teixeira gravado por Dircinha Batista na Odeon. Este samba, aliás, foi o primeiro a fazer referência à maconha na MPB. Em 1950, Dircinha Batista gravou na Odeon a marcha "Pindamonhangaba", com Pedro Caetano. No ano seguinte, a marcha "Pombinha branca", com Nássara foi gravada por Gilberto Milfont na Victor. Na mesma gravadora, o grupo Anjos do Inferno gravou o samba "Olhos vermelhos", com Roberto Martins. Ainda nesse ano, conheceu novo sucesso como samba "Mundo de zinco", parceria com Nássara e gravado por Jorge Goulart na Continental. Em 1952, Nelson Gonçalves lançou na Victor a marcha "Minha linda hindu", parceria com Nássara e os Quatro Azes e Um Coringa o samba "Garota dos discos", com Afonso Teixeira. A marcha "Um brasileiro em Paris", com Jorge de Castro e o samba "Sistema nervoso", com Arlindo Marques Júnior e Roberto Roberti foram gravadas por Orlando Correia na Todamérica em 1953, mesmo ano em que Emilinha Borba gravou na Continental o "Baião de São Pedro", com Alberto Rego e Nelson Gonçalves na Victor o samba "Datilógrafa", com Jorge Faraj. Roberto Silva gravou em 1955 na Copacabana o samba "Vedete", com Jorge de Castro. Nesse ano, teve mais uma de suas composições de temática sobre o futebol gravada, o "Samba rubro-negro", com Jorge de Castro lançado por Roberto Silva na Copacabana. No ano seguinte com Jorge de Castro e Nássara fez o samba "Vou para Goiás" gravado na Victor por Nelson Gonçalves. Ainda em 1956, as músicas de sua polêmica com Noel Rosa foram reunidas no LP "Polêmica", da gravadora Odeon, interpretadas por Roberto Paiva e Francisco Egídio.  Em 1957, teve gravados o samba "Vagabundo", com Jorge de Castro por Roberto Silva na Copacabana;  "Taberna", com Cícero Nunes, por Roberto Luna na Odeon e "Sempre Mangueira", com Jorde de Castro e Nássara, por Jorge Goulart na Continental e a marcha "Uma vaca Vitória", com Jorge Murad, por Jorge Veiga na Continental. Em 1958, Gilberto Alves gravou na Copacabana a marcha "Velhice transviada" e Jorge Goulart na Victor o samba "O último samba", parcerias com Jorge de Castro. Nesse ano, o samba "Rei do futebol", com Jorge de Castro foi gravado por Roberto Silva na Copacabana. No ano seguinte, homenageou o jogador Garrincha, do Botafogo o Rio com a marcha "Mané Garrincha" gravada pela vedete Angelita Martinez.  Em 1961, fez com Jorge de Castro, o principal parceiro da fase final de sua carreira, o samba "A última mulher" gravado por João Dias na Columbia e com Jorge de Castro e Luiz Vanderley o chachacha "Rei Pelé", homenagem ao jogador de futebol Pelé, gravado por Luiz Vanderley na Victor. Dois anos depois a vedete Anilza Leoni gravou no selo Albatroz a marcha "Terezinha", com J. Batista. Em 1967, seu samba "Mundo de zinco", com Nássara, foi gravado por Elis Regina e Jair Rodrigues no "Pout pourri de Mangueira", faixa do LP "Dois na bossa nº3" lançado por eles na gravadora Philips. Em 1968, foi conviado a participar da Bienal do samba em São Paulo, criada pela TV Record, mas sua música acabou chegando atrasada e não foi incluída no Festival. Por solicitação do crítico R. C. Albin, contudo, ele foi homenageado na finalíssima do evento com um pot-pourri dos seus maiores sucessos. Esta seria a última homenagem pública que lhe foi prestada enquanto ainda vivia. Em 1977, teve os sambas "O bonde São januário", "Oh! Seu Oscar", "Mundo de zinco" e "Louco" regravadas pelo grupo vocal MPB-4 no LP "Antologias volume 2". Em 1979, Paulino da Viola regravou o samba "Chico Brito". Em 1985, foi publicado pela Funarte o livro "Wilson Batista e sua época", de Breno Ferreira Gomes. Em 1995, Cristina Buarque regravou "Memórias de torcedor" no CD "Estácio e Flamengo 100 anos de samba e amor". Em 1997, a editora Globo, na série "MPB - Compositores" lançou um fascículo e um Cd dedicados a sua obra. Nesse CD estão presentes 12 composições suas, entre as quais, "Sistema nervoso", que havia sido gravado por Simone em seu segundo LP, interpretado por Paulinho Boca de cantor, "Flor da Lapa", por Cristina Buarque, "Meu mundo é hoje", por Eliete Negreiros e "Samba rubro-negro", por Carlinhos Vergueiro. Em 2004, seu samba "Estás no meu caderno", com Benedito Lacerda e Oswaldo Silva foi incluído na caixa de três CDs "Um cantor moderno" lançada pela BMG com a obra do cantor Mário Reis. Em 2009, foi homenageado no espetáculo "O samba foi minha glória" no qual o músico e pesquisador Rodrigo Alzuguir e a cantora Cláudia Ventura contaram histórias dele e interpretaram suas músicas. Em 2011, foi lançado pelo selo Discobertas em convênio com o ICCA - Instituto Cultural Cravo Albin a caixa "100 anos de música popular brasileira" com a reedição em 4 CDs duplos dos oito LPs lançados com as gravações dos programas realizados pelo radialista e produtor Ricardo Cravo Albin na Rádio MEC em 1974 e 1975. No volume 3 estão incluídos seus sambas "Oh, Seu oscar" e "O bonde de São Januário", ambos com Ataulfo Alves, na interpretação de Gilberto Milfont e As Gatas. Ainda em 2011, foi lançado pelo selo Biscoito Fino o CD duplo "O samba carioca de Wilson Batista", produzido por Rodrigo Alzuguir. O disco 1 contou com as participações especiais de diferentes artistas interpretando suas composições. Foram eles: Elza Soares, que cantou "Artigo Nacional", com Germano Augusto; Marcos Sacramento: "Apaguei o Nome dela", com Haroldo Lobo e  Jorge de Castro, "Não sei dar Adeus", com Ataulfo Alves,  "O Princípio do Fim", com Jorge de Castro, e "Fantoche", com Américo Seixas; Cristina Buarque: "O teu Riso tem", com Roberto Martins, "Vinte e Cinco Anos", com Christóvão de Alencar,  "Timidez", com Marcléo, e "Venha manso (O tambor do Edgar)", com José baptista e Marina Baptista; Céu: "Nega Luzia", com Jorge de Castro; Rosa Passos: "Oh, Dona Ignez", com Marino Pinto; Zélia Duncan: "Que Malandro você é", com Erasmo Silva; Nina Becker e Wilson das Neves: "Interessante", com Erasmo Silva, e "Essa Mulher tem qualquer Coisa na Cabeça", com Christóvão de Alencar; Mart’nália: "Não me Pise o Calo", com Carlos de Souza; Wilson das Neves: "Louca Alegria"; o grupo Samba de Fato, que interpretou um pot-pourri com os sambas "Deixai vir a mim as Mulheres", com Jorge de Castro; "Boa Companheira", com  J. Baptista e Nássara, "A Morena que eu Gosto", com Marino Pinto; "A Garota dos discos", com Alberto Jesus, "Essa Mulata", com Afonso Teixeira, e "Os Melhores dias de minha Vida", com Eratóstenes Frazão e Marina Batista; Tantinho da Mangueira: "Rei Chicão"; Teresa Cristina: "Nelson Cavaquinho", com Manoel Pereira de Andrade; Claudia Ventura e Rodrigo Alzuguir: "Perdi meu Carinho", e "Depois da Discussão", com Marino Pinto, e Roberto Silva: "Vedete" e "Vagabundo", com Jorge de Castro, e "Felicíssimo", com Alberto Jesus e Wilson Batista. Já o disco 2 incluiu as músicas do espetáculo musical "O samba carioca de Wilson Baptista", que contou com canto e atuação de Claudia Ventura e Rodrigi Alzoguir, arranjos de Roberto Gnattali e Nando Duarte, e participações de Nando Duarte, violão de 6 e 7 cordas; Luis Barcelos, bandolim; Levi Chaves, sax alto, sax tenor, clarineta, flauta e flautim, e Nailson Simões, percussão. Ao longo do espetáculo foram interpretados suas composições "Chico Brito", com Afonso Teixeira; "Sou fã da Jovem Guarda", com Antônio Barbosa Freitas e  L. França Santos; "A Voz do Sangue", com Valfrido Silva; "Diagnóstico", com Germano Augusto; "Transplante de Coração", composição inédita, que ele tentou inscrever na 1º Bienal do Samba, em 1968, quando as inscrições já haviam sido encerradas; "Meus Vinte Anos", com Sílvio Caldas; "Cidade de São Sebastião", com Nássara; "Barulho no Beco", com Osvaldo Silva; "Largo da Lapa", com Marino Pinto; "História da Lapa", com Jorge de Castro; "História de Criança", com Germano Augusto; "Lenço no Pescoço"; "Mocinho da Vila"; "Conversa Fiada"; "Frankenstein da Vila"; "Terra de Cego"; "Deixa de Ser Convencida", com Noel Rosa; "Sophia Loren", com Jorge de Castro; "Nasci Cansado", com Henrique Alves; "Hildebrando", com Haroldo Lobo; "Cala a Boca - Etelvina", com Antônio Almeida; "Acertei no Milhar", com Geraldo Pereira; "Inimigo do Batente", com Germano Augusto; "Papai não vai", com  Ataulfo Alves; "Mundo às Avessas", com Haroldo Lobo; "Goodbye Amor", com Roberto Martins e Oscar Lavado; "Café Nice", com Jorge de Castro; "Oh, Seu Oscar!", com Ataulfo Alves; "Mulato Calado", com Benjamim Batista e Marina Batista; "Preconceito", com Marino Pinto; "Louco (Ela é seu Mundo)", com (Henrique de Almeida; "Emília", com Haroldo Lobo; "Lealdade", com Jorge de Castro; "Se não Fosse eu", com Haroldo Lobo e Jorge de Castro; "O Bonde de São Januário", com Ataulfo Alves; "Pertinho do Céu", com Roberto Martins; "E o 56 não Veio", com Haroldo Lobo; "Cadê a Jane?", com Erasmo Silva; "No Fim da Estrada", com Nóbrega de Macedo; "Alberto Bronqueou", com Haroldo Lobo; "Sambei 24 Horas", com Haroldo Lobo; "Lavei as Mãos", com Marino Pinto; "Vou Botar no Fogo", com Nássara; "Baiana Escandalosa", com José Batista; "Rosalina", com Haroldo Lobo; "Balzaquiana", com Nássara; "Dolores Sierra", com Jorge de Castro; "Mão Solteira", com Jorge de Castro; "; "Coisas do Destino"; "Samba Rubro Negro", com Jorge de Castro; "E o Juiz Apitou", com  Antônio Almeida; "No Boteco do José", com Augusto Garcez; "Pedreiro Waldemar", com Roberto Martins; "Meu Mundo é Hoje", com José Batista; "Mundo de Zinco", com Nássara. Em 2013, por ocasião das comemorações do centenário de seu nascimento foi homenageado com rodas de samba na Livraria Folha Seca e no Trapiche Gamboa, além do lançamento da coleção de partituras "O cancioneiro comentado", de Rodrigo Alzuguir, com 105 partituras de sambas de sua autoria.

Mais visitados
da semana

1 Elis Regina
2 Irmãs Galvão
3 Noel Rosa
4 Caetano Veloso
5 Ronaldo Bôscoli
6 Isolda
7 Tom Jobim
8 Chitãozinho e Xororó
9 Luiz Gonzaga
10 Gonzaguinha