Busca:

Valdo Abreu

Valdo Abreu

Dados Artísticos

Sua carreira de compositor iniciou-se por volta de 1925, quando compôs com Almirante o samba "Bambo de bambu". Iniciou a carreira radiofônica em 1929. Em 1930, criou e passou a dirigir um dos programas radiofônicos de maior audiência na época, o "Esplêndido programa", inicialmente apresentado na Rádio Philips, passando depois para a Rádio Mayrink, Veiga na qual permaneceu no ar até 1934. No seu programa se apresentaram nomes como Olga Nobre, Madelou de Assis, Castro Barbosa, Ary Barroso, Sílvio Caldas, Milton Amaral, Moreira da Silva, Tute, Luperce Miranda, João da Baiana e Osvaldo Marques, entre outros. Os cantores e cantoras eram acompanhados pelo regional Esplendido dirigido por Benedito Lacerda. Foi no seu "Esplêndido programa" que o cantor Luis Barbosa iniciou a carreira artística em 1931. Ainda em 1931, teve a marcha "Não diz que não", parceria com Eduardo Souto gravada por Alvinho na Parlophon. Atuou ainda em outras rádios cariocas e, entre 1936 e 1942, apresentou o "Esplêndido programa" na Rádio Ipanema, além de fazer crônicas esportivas e cuidar do rádioteatro da emissora. Sobre ele, assim se referiu a revista "Vida doméstica" em 1936: "Valdo Abreu é um dos homens que mais energias vem desprendendo em prol da radiodifusão vem de longa data a dirigir o seu "Esplendido Programa", vencendo tropeços, contornando obstáculos, sempre animoso e com fé, procurando fazer qualquer coisa de útil, qualquer coisa de bom". Em 1932, compôs com Almirante a embolada "Cabelo branco" gravada na Victor por Almirante e Seu Bando de Tangarás. No mesmo ano, fez com Gastão Lamounier o samba "Um beijo não pecado" gravado no mesmo período por Jesy Barbosa na Victor. Teve ainda o fox-trot "Deliciosa", versão de composição do norte americano G. Gershwin gravado por Castro Barbosa na Parlophon. Também em 1932, a valsa "Noite azul", com Gastão Bueno Lobo foi gravada na Columbia por Gastão Bueno Lobo na guitarra e Fernando de Castro Barbosa no canto. Ainda na Columbia, Moacir Bueno Rocha gravou a valsa-canção "Beijar". Em 1933, apresentou-se em São Paulo, no Teatro Santana, numa anunciada "Primeira noite de sambas e tangos" juntamente com Madelou de Assis, Lely Morel e Irmãos Tapajós, além dos artistas argentinos Muraro, Tito Sosa e E. Portela. No mesmo ano, teve o samba-canção "Ciúme", e a canção "Praia dos beijos", gravadas pela cantora Medelou de Assis, sua futura mulher, para quem escrevera especialmente as músicas. Também no mesmo período, sua canção "Ingrata do Arraiá" foi gravada pelo cantor Patrício Teixeira pela Victor. Fez versão para o fox-trot "Heróis esquecidos", de H. Warren, gravado em 1934 pelos Irmãos Tapajós na Columbia. Com uma carreira cada vez mais dedicada ao Rádio, afastou-se da atividade de compositor. Em 1983, no LP "Pois é" gravado por Ney Matogrosso na Barclay foi incluída a faixa "Bambo de bambu", com Almirante. Em 1996, a música "Bambo de bambu", com Almirante, foi regravada por Ney Matogrosso no CD "Vinte e cinco" lançado pela PolyGram. Em 2000, no CD "Valsas brasileiras - volume 2" do selo Revivendo foi incluída sua valsa "Porque jamais a possuí" na interpretação de Moacyr Bueno Rocha. Embora não tenha tido grande destaque como compositor, foi parceiro de nomes emblemáticos da música popular brasileira como Almirante, Gastão Lamounier e Eduardo Souto.

Mais visitados
da semana

1 Chitãozinho e Xororó
2 Festivais de Música Popular
3 Caetano Veloso
4 Hermeto Pascoal
5 João Gilberto
6 Tom Jobim
7 Noel Rosa
8 Dorival Caymmi
9 Luiz Gonzaga
10 Chico Buarque