Busca:

Trio Nordestino



Dados Artísticos

  Cantores. Instrumentistas. Trio de forró. O trio foi apadrinhado pelo compositor baiano Gordurinha e o seu nome foi dado por Luiz Gonzaga. A primeira formação do trio foi em 1957 com Dominguinhos, Zito Borborema e Miudinho. Em 1960, o trio mudou-se para o Rio de Janeiro, alterando sua formação com a entrada de Lindu, Cobrinha e Coroné. Gravaram o primeiro disco em 1964 pela Copacabana, interpretando os cocos "Chupando gelo", de Edésio Deda, e "Retrato da Bahia", de Lindolfo Barbosa. No mesmo ano, gravaram de Gordurinha o baião "Carta a Maceió" e, de Elias Alves, o também baião "Defesa de baiano". Gravaram diversos LPs, entre os quais "Adeus, Rosinha", pela Japoti, "Forró pesado", pela Copacabana, e "Os rouxinóis da Bahia", também pela Copacabana. Um dos maiores sucessos do trio nos anos 1960 foi "Chupando gelo", de Edésio Deda. Em 1970 gravou de Antônio Barros e J. Luna, "Procurando tu", que vendeu mais de um milhão de cópias. Por conta da alta vendagem, foram premiados, no mesmo ano, com o Troféu Chico Viola, uma premiação organizada pela Associação dos Funcionários das Emissoras Unidas (AFEU), e exibida pela TV Record de São Paulo. Em 1976, lançaram o LP "O alegríssimo Trio Nordestino",  com destaque para "Forró brasileirão", de Severino Ramos, "Cadeira de balanço", de Assisão e Lindolfo Barbosa, "Me bote no colo", de Severino Ramos e Antônio Rodrigues, e "Cintura de abelha", de José Marcolino. Em 1977, lançaram "Estamos aí pra balancear", interpretando, entre outros, "Menina apimentada", de Lindolfo Barbosa e Assisão, "Forró do bole-bole", de João Silva e Raymundo Evangelista, "Vou ficar doidão", de Dominguinhos e Anastácia, e "Que diabo tem você", também de Dominguinhos e Anastácia. Em 1980 lançou pela Copacabana o LP "Corte o bolo", com destaque para "Toque toque", de Lindolfo Barbosa e Barthô Galeno. Com a morte de Lindolfo Barbosa, o Lindu, e de Cobrinha, o trio terminou dissolveu. Em 2000, Coroné, o componente remanescente, aliou-se ao produtor Talmo Scaranari para gravar um tributo ao Trio Nordestino, contando com a presença de Beto do Acordeom, no acordeom, e de Luiz Mário, filho de Lindu, no triângulo, CD "Xodó do Brasil", onde interpretam diversos clássicos da música nordestina, tais como "Asa branca", de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, "Forró do Limoeiro", de Edgard Ferreira, "Súplica sertaneja", de Gordurinha e Nelinho, e "Último pau-de-arara", de Venâncio e Corumba, entre outras. Regravaram também dois grandes sucessos do trio original, "Meu Pitiguari", de Agripino Arueira e Rosilda Santos, e "Na emenda", de Manuel Euzébio e Juarez Santiago, sendo que, nesta última, graças a um recurso tecnológico, a voz de Lindu aparece fazendo dueto com a de seu filho. No mesmo ano, a Polydisc lançou "20 supersucessos", remasterizados, contando, entre outros, com os sucessos, "Cuidado com as coisas", de Antônio Barros, "As Marias que eu amei", de Renê Bitencourt e Francisco Xavier, "A Bahia tem", de Tito Mendes e Almeidinha, "No meio das meninas", de Lindolfo Barbosa, e "Vamos chamegar", de Dilson Dória e Elino Julião, entre outras. O trio voltou a atuar com essa nova formação e apresentou-se no Rio de Janeiro, no projeto "Canta Brasil", na casa de espetáculos Asa Branca, no bairro da Lapa. Ainda em 2000 lançou o CD "Nós tudo junto", comemorando 40 anos de carreira, trazendo sucessos como "Tá chegando mais", "Chupando gelo" e "Machucando sim". O Trio tornou-se em fins do século XX um dos mais requissitados no movimento conhecido como novo forró. Em 2001 lançou o CD "Balanço bom", pela Abril Music, que contou com as participações do Trio Virgulino na faixa "Forró e paixão" e do Rastapé nas faixas "Cochilou o cachimbo cai" e "Balanço bom". Regravou também "Fumacê", de Rossini Pinto e SolangeCorrêa. No mesmo período, apresentou-se em diversas casas de espetáculos, como o Malagueta, em São Cristovão no Rio de Janeiro. A partir de 2002, passaram a realizar turnês pelo exterior, se apresentaram em mais de dez países, entre eles EUA, França, Inglaterra e Alemanha. Em 2003, o Trio lançou pela Indie Record o CD "O baú do Trio Nordestino", com 14 faixas, quase todas em pot-pourri e que contou com as participações especiais de Alceu Valença, Elba Ramalho, Lenine, Dominguinhos, Forroçacana e Fagner. Fazem parte desse disco sucessos como "Bichinho danado", "Menina da noite", "Petrolina", "Juazeiro" e "Procurando tu". Nesse ano, participou na Fundição Progresso, Rio de Janeiro do show comemorativo dos 45 anos de carreira que contou com as participações especiais de Elba Ramalho, Dominguinhos e Forroçacana. Em 2004, foi lançado, também pela Indie Records, o CD "O Baú do Trio Nordestino - 2" que contou com as participações especiais do grupo Falamansa na faixa "Amor de São João", Eduardo Krieger; Bezerra da Silva em "Parada boa", de Dino Gaudêncio Braia e Tavinho Paes; Alcione, na música "O neném", de Cecéu e Quininho Valente no pot-pourri "Meu pitiguari", de Agripino Aroeira e Rosilda Santos, "Chora viola', de Venâncio e Corumba e "Na emenda", de Manoel Euzébio e Juarez Santiago. Destacaram-se ainda as faixas "Apague o candeeiro", de João Silva e Raimundo Evangelista; "Bola de meia", de Duani e "Atira no bicho", de Agripino Aroeira e Onildo Almeida. Em 2005, o grupo se apresentou no Clube Sírio e Libanês, na zona sul do Rio de Janeiro, dentro do projeto Forró Carioca, finalizando um show que contou com Mestre Zinho, Trio Girassol e o Trio Xamego. Em 11 de abril do mesmo ano, o Trio perdeu o último integrante que participara de sua formação original, com a morte do zabumbeiro Coroné. Em outubro do mesmo ano, a Indie Records lançou o CD "O melhor do Trio Nordestino", trazendo um painel representativo da produção de cocos, forrós e xaxados. No disco, o grupo recebe convidados como Alceu Valença, Elba Ramalho e Dominguinhos. É destaque o   pot-pourri com "Procurando tu", "Petrolina", Juazeiro" e "Paixão de Beata". Ainda em 2005, Coroneto assumiu o lugar do avô, Coroné, no Trio. Em 2011, apresentaram-se em programas especiais na TV Alerj e também no canal Sportv. Em 2017, lançaram o CD “Trio Nordestino canta o nordeste”, pela Biscoito Fino,  prestando uma homenagem a diversos compositores nordestinos, regravando clássicos como "Sebastiana", de Rosil Cavalcanti, "Tenho sede", de Dominguinhos e Anastácia, "Bate coração", de Ceceu, e "A morte do vaqueiro", de Luiz Gonzaga e Nelson Barbalho. O disco teve participações especiais de Zeca Pagodinho, em “Súplica Cearense”, de Gordurinha e Nelinho, e Lucy Alves, em “Carcará”, de João do Vale e José Cândido. Na época possuíam, aos 60 anos de trajetória, mais de 50 discos lançados. Em 2018, foram indicados ao Prêmio da Música Brasileira na categoria Melhor Grupo regional.

 

Mais visitados
da semana

1 Hermeto Pascoal
2 Caetano Veloso
3 Dorival Caymmi
4 Noel Rosa
5 Tom Jobim
6 Luiz Gonzaga
7 João Gilberto
8 Festivais de Música Popular
9 Música Brega
10 Candeia