Busca:

Teresa Cristina

Teresa Cristina Macedo Gomes
28/2/1968 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Considerada uma das mais novas revelações do samba carioca, na década de 1990, apresentou-se com a Velha Guarda da Portela, além de Elton Medeiros, Moacyr Luz, Pedro Amorim e outros músicos de expressão. A partir de 1999, passou a integrar o Grupo Semente (Bernardo Dantas - Violão, Pedro Miranda - Pandeiro e voz, Ricardo Cotrim - Surdo e João Callado - Cavaquinho), com o qual realizava uma roda de samba, todos os sábados, no Bar Semente, na Lapa. O cavaquinista do grupo, João Callado, é filho da atriz Tessy Callado e neto do escritor, acadêmico e jornalista Antonio Callado.  Integrando o grupo Semente, participou do projeto "Puxando conversa", da TV Maxambomba, da Zona Oeste do Rio de Janeiro, acompanhando Jair do Cavaquinho, Argemiro da Portela e Tia Surica. Em 2000, o grupo Semente apresentou-se no concorrido show de aniversário do  político carioca (vereador) Eliomar Coelho, no Teatro Rival BR, com grandes nomes do samba, como Guilherme de Brito, Xangô da Mangueira, Nelson Sargento, Wilson Moreira e outros mais. Neste mesmo ano, ainda fazendo parte do grupo, iniciou o projeto "Roda de samba" na Sala Funarte, no qual o grupo tocava todas as quintas, cada semana com um convidado diferente, como Argemiro da Portela, Tia Surica, Tantinho, Xangô da Mangueira, entre outros. Ainda em 2000, Ernesto Pires interpretou de sua autoria "Samba do esquecimento" (c/ João Pimentel e Marceu Vieira) no CD "Novos quilombos", lançado pela gravadora Rob Digital. Em 2002, participou do CD "Argemiro do Patrocínio", lançado pelo selo Phonomotor, disco no qual interpretou em dueto com Argemiro "Amém", parceria de ambos, participando também, ao lado de Marisa Monte, do lançamento do disco no Teatro Clara Nunes, no Rio de Janeiro. Ainda em 2002, participou ao lado de Roberto Silva, Pedro Miranda, Mariana Bernardes, Pedro Aragão e Pedro Paulo do disco "O samba é minha nobreza", lançado pelo selo Biscoito Fino. Neste mesmo ano, pela gravadora Deck Disc, lançou um disco duplo "A música de Paulinho da Viola". No CD, em dueto com Paulinho da Viola interpretou "Depois de tanto amor" (Paulinho da Viola e Hermínio Bello de Carvalho). Também participaram Conjunto Época de Ouro ('Samba do amor'); Velha-Guarda da Portela ('Perdoa' e 'Pode guardar as panelas') e Elton Medeiros em "Tudo se transformou". Ainda neste disco foram incluídas "Coisas banais" parceria de Paulinho da Viola e Candeia; "Mais que a lei da gravidade" e "Coração imprudente", ambas parcerias de Paulinho com o poeta Capinam e ainda, "Moemá, morenou", "Choro negro", "Responsabilidade" e "Argumento", entre outras. O disco, que praticamente a projetou para o grande público, a mídia e boa parte dos críticos, contou com a produção musical e arranjo de Paulão Sete Cordas, sendo lançado neste mesmo ano em show no Teatro Leblon e no Teatro Rival BR. Em 2003, ao lado de Argemiro Patrocínio (Argemiro da Portela), Seu Jair do Cavaquinho e Grupo Semente, apresentou-se no Centro Cultural Carioca, na Praça Tiradentes, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, ao lado de Zé Renato, Elton Medeiros e Dona Ivone Lara, apresentou-se na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro e fez o lançamento do CD "A música de Paulinho da Viola", no  Sesc Pompeia, em São Paulo. Ainda em 2003, participou do show "Samba de Jorge/Festa em Homenagem a São Jorge", no Centro Cultural Carioca e ao lado de Paulinho da Viola, Eliane Faria, Época de Ouro e Velha-Guarda da Portela, participou da festa de lançamento do filme "Paulinho da Viola - Meu Tempo é Hoje" (dirigido por Izabel Jaguaribe) no Teatro Rival BR, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano com Dona Ivone Lara, Wilson Moreira, Elton Medeiros, Cristina Buarque, Monarco, Velha Guarda da Portela, Elza Soares, Renato Braz, Mar'tnália, Cristina Buarque, Nilze Carvalho, Seu Jorge e Walter Alfaiate, entre outros, participou do CD "Um ser de luz - saudação à Clara Nunes", lançado pela gravadora Deck Disc, no qual interpretou a faixa "As forças da natureza", de autoria de João Nogueira e Paulo César Pinheiro. Participou do primeiro CD do Grupo Tira Poeira, interpretando  "Folhas secas", de Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito. Ainda em 2003 ganhou o "Prêmio Rival BR", o "Prêmio TIM de Música", como cantora-revelação, e a indicação ao Grammy Latino de melhor disco de samba. Em 2004 interpretou em dueto com Pedro Miranda "Marcha das flores", parceria de ambos, no CD "Sabe lá o que é isso?", do grupo carioca Cordão do Boitatá. Participou do disco "Surica", no qual fez dueto com a pastora da Velha-Guarda da Portela na faixa "Cafofo da Surica", de sua autoria. Lançou neste mesmo ano, segundo disco solo, "A vida me fez assim", no qual interpretou de sua autoria "Lavoura" (c/ Pedro Amorim), "Portela" (c/ Pedro Miranda), "O passar dos anos" (c/ João Callado) e a faixa-título "A vida me fez assim", em parceria com Argemiro da Portela. No disco também foram incluídas "Um calo de estimação" (Zé da Zilda e Zé Thadeu), "Quantas lágrimas (Manacéia) e "Já era" de Mauro Duarte. Ainda em 2004 participou do DVD "Beth Carvalho - A madrinha do samba" gravado ao vivo em show no Canecão, no qual interpretou em dueto com a anfitriã "Argumento", de Paulinho da Viola. Em 2005 participou do documentário "Brasileirinho", do cineasta finlandês Mika Kaurismaki, radicado no Rio de Janeiro desde o início da década de 1990. Do documentário sobre o gênero 'choro' também fizeram parte Elza Soares, Yamandu Costa e Paulo Moura, entre outros. O filme foi lançado no "Fórum Internacional do Novo Cinema", uma das mostras paralelas do "Festival de Berlim", na Alemanha. Neste mesmo ano gravou em maio o primeiro CD e DVD ao vivo no Teatro Municipal de Niterói, intitulado "O mundo é meu lugar". O trabalho trouxe versões novas para alguns de seus sucessos e ainda a revisão de músicas muito conhecidas, entre as quais "Pra que discutir com madame" (Haroldo Barbosa e Janet de Almeida), "Coração leviano" (Paulinho da Viola), "Onde a dor não tem razão" (Paulinho da Viola e Elton Medeiros), "Cem mil réis" (Vadico e Noel Rosa), "O meu guri" (Chico Buarque), "Com a perna no mundo" (Gonzaguinha) e "Embala eu" (Albaléria). No disco, acompanhada pelo Grupo Semente, incluiu de sua autoria "Pra cobrir a solidão" (c/ Zé Renato), "Cordão de ouro" (c/ Roque Ferreira), "Portela" (c/ Pedro Miranda), "A borboleta e o passarinho" e "Candeeiro". No ano de 2007 lançou o disco "Delicada" no qual incluiu "A gente esquece" (Paulinho da Viola) e a faixa-título, em parceria com Zé Renato. No show de lançamento do disco, no Circo Voador,  também interpretou "Cantar" (Teresa Cristina), "Fim de romance" (Teresa Cristina e Argemiro Patrocínio), "Gema" (Caetano Veloso) e "Carrinho de linha" (Walter Queiróz). No ano de 2008 apresentou-se no "Projeto Tempero Musical", no Centro Cultural Light, em talk-show comandado pelo crítico e jornalista Ricardo Cravo Albin, com direção geral de Paulo Roberto Direito e curadoria de Haroldo Costa. Ainda em 2008, ao completar dez anos de carreira e a convite do Itamaraty, apresentou-se na Bulgária,  África do Sul e Argentina. Neste mesmo ano, ao lado das cantoras Rita Ribeiro (maranhense) e Jussara Silveira (mineira radicada na Bahia) gravou o CD "Três Meninas do Brasil", lançado pelo selo Quitanda em parceria com a gravadora Biscoito Fino. No CD foram incluídas as composições "Meninas do Brasil" (Moraes Moreira e Fausto Nilo), "Menina amanhã de manhã" (Tom Zé e Perna Froes), "Seo Zé" (Carlinhos Brown, Marisa Monte e Nando Reis), "Mulher nova bonita e carinhosa faz o homem gemer sem sentir dor" (Zé Ramalho e Octacílio Batista), "Na cabecinha da Dora" (Antonio Vieira - Pedro Giusti), "Nega do cabelo duro" (David Nasser e  Rubens Soares), "Para ver as meninas" (Paulinho da Viola), "Maiúsculo" (Sérgio Sampaio), "Dama do cassino" (Caetano Veloso), "Cantar" (Teresa Cristina), "Maria, Mariazinha" (Aloísio Ventura), "Chula cortada" (Roque Ferreira), "Isso aqui tá bom demais" (Dominguinhos e  Nando Cordel), "Homem de saia" (Marcelo Reis e Eneas de Castro), "Minha tribo sou eu" (Zeca Baleiro), "Deixa a gira girar" (domínio público - adaptação de Mateus, Dadinho e Heraldo, do grupo Tincoãs). Em 2009 gravou no Espaço Tom Jobim, no Rio de Janeiro, o show "Melhor assim". O Espetáculo, no qual recebeu como convidados Marisa Monte em "Beijo sem" (Adriana Calcanhoto), Dona Hilda e Seu Jorge, gerou o CD e DVD homônimo lançado em 2010. No DVD foram incluídas 23 composições, sendo nove delas de sua autoria, algumas em parceria com Arlindo Cruz, Lula Queiroga e Edu Krieger. Entre os convidados que participaram do disco em gravações de estúdio estão Caetano Veloso (em 'Festa imodesta', de Caetano Veloso), Lenine e Arlindo Cruz. Com produção musical de Paulo Sete Cordas no trabalho interpretou "A voz de uma pessoa vitoriosa" (Caetano Veloso e Wally Salomão), "Melhor assim" (Cláudio Jorge e Nei Lopes), "Maria Joana" (Sidney Miller), "Cantando" (Paulinho da Viola), "Pura semente" (Arlindo Cruz e Acyr Marques), "A história de Lily Braun" (Edu Lobo e Chico Buarque), "O que vier eu traço" (Alvaiade e Zé Maria), entre outras. Participou com a Orquestra de Solistas do Rio de Janeiro, ao lado de Rildo Hora, Carlos Malta, Maíra Freitas e Moyseis Marques, da Homenagem aos 100 anos de Noel Rosa, com regência e direção artística do maestro Rafael de Barros de Castro, na sala Baden Powell, no Rio de Janeiro.  Em 2011 apresentou-se, acompanhada pelo grupo Semente, no Circo Voador, no Rio de Janeiro. O show contou com as participações dos grupos Casuarina e Cordão do Boitatá. Nesse mesmo ano recebeu o premio de "Melhor Cantora de Música Popular" do júri da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Artes). Durante a carreira fez turnê no Japão, Alemanha, França, Espanha, Holanda e Itália. Nesse ano sua gravação da música "Beijo sem" (Adriana Calcanhotto), ao lado de Marisa Monte e Pedro Baby, entrou para a trilha do CD de sambas da novela "Insensato Coração", da Rede Globo. Apresentou-se no Teatro Rival e no Circo Voador, no Rio de Janeiro, ao lado da banda de rock Os Outros, formada por Botika (voz), Eduardo Sodré (guitarra), Fabiano Ribeiro (bateria), Papel (guitarra), Vitor Paiva (baixo) e Yuri Vilar (sorpos). Neste show, cantou músicas do cantor e compositor Roberto Carlos e também "Convite a Roberto Carlos" (Chico da Silva), "Como 2 e 2" (Caetano Veloso), "O moço Velho" (Sílvio César), entre outras. Nesse mesmo ano fez uma participação especial no disco duplo "O samba carioca de Wilson Baptista", lançado pela Biscoito Fino, no qual interpretou a faixa "Nelson Cavaquinho" (Wilson Baptista e Manoel Pereira de Andrade), em tributo ao compositor homônimo. Também participou do disco "Uma flor para Nelson Cavaquinho", lançado pela Lua Music em comemoração aos 100 anos do cantor e compositor homônimo, no qual interpretou a faixa "Quero alegria" (Nelson Cavaquinho e Guilherme de Brito). Apresentou-se no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, em show cujo repertório contou com canções consagradas de compositores portelenses como Candeia, Manacéa e Paulinho da Viola. Em 2012 se apresentou no palco do Circo Voador, no Rio de Janeiro, acompanhada da banda Os Outros, em show no qual interpretou músicas de Roberto Carlos. Participou da gravação do “Samba Book - João Nogueira”, lançado em CD, DVD e Blu Ray pela Musickeria em 2012, no qual interpretou as faixas “As forças da natureza” (João Nogueira e Paulo César Pinheiro) e “Clube do samba”. Participou, ao lado de Arlindo Cruz, da 2ª edição do evento “Batucadas Cariocas”, realizado na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro, do qual já participaram os artistas Diogo Nogueira e Mart’nália, na edição de 2011. Participou da gravação do DVD “Casuarina - 10 anos de Lapa”, interpretando a música “Dia de graça” (Candeia), em show que contou com a participação de artistas que fizeram parte do cenário de revitalização do bairro da Lapa, como Eduardo Gallotti, Áurea Martins, Moyseis Marques, Marcos Sacramento, Nilze Carvalho, Pedro Miranda, Zé Paulo Becker, Ana Costa, Zé da Velha e Silvério Pontes, entre outros. Inaugurou, ao lado de Guinga, o projeto “Sarau de Ideias - Da Semana de 22 ao Mangue Beat”, realizado no Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, apresentando músicas e poesias relacionadas ao tema “Desde que o samba é samba”. Participou do show do grupo PianOrquestra, realizado na Sala Baden Powell, no Rio de Janeiro, para a gravação do DVD “Multifonias”, no qual interpretou a música “A história de Lily Braun”, de Edu Lobo e Chico Buarque. Apresentou-se no Teatro Rival, no Rio de Janeiro, em show que celebrou os 70 anos de Paulinho da Viola e os 10 anos do disco que gravou com músicas do cantor e compositor, com participação especial de Pedro Miranda. Lançou, pelo selo Deckdisc, o CD “Teresa Cristina + Os Outros = Roberto Carlos”, registro em estúdio do show “Teresa Cristina e Os Outros cantam Roberto Carlos”, que estreou nos palcos do Teatro Rival e do Circo Voador em 2011. O disco contou com 14 regravações de músicas presentes no repertório dos discos gravados por Roberto Carlos.  Em 2013 apresentou, acompanhada do Grupo Semente, o show “Teresa Cristina canta Paulinho da Viola” no palco do Theatro Net Rio, no Rio de Janeiro, que contou com o repertório do álbum duplo lançado em 2002 e inserções de outras composições de Paulinho da Viola como “Cantando”, “14 anos”, “A gente esquece”, “Um certo dia para 21”. Nesse mesmo ano realizou o show “Elizeth Cardoso, a Divina”, na abertura da exposição sobre a vida da cantora, no Imperator – Centro Cultural João Nogueira, no Rio de Janeiro. Na ocasião, interpretou músicas gravadas pela Divina como “Canção de amor” (Elano de Paula e Chocolate), “As praias desertas” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), “Luz Negra” (Nelson Cavaquinho e Irani Barros), “Sim” (Cartola e Oswaldo Martins), entre outras como “Barracão” (Luís Antonio e Oldemar Magalhães) e “É luxo só” (Ary Barroso e Luiz Peixoto), nas quais dividiu os vocais com Áurea Martins. Foi uma das atrações principais do palco montado na Praia do Flamengo, para as comemorações do Réveillon de 2014, no Rio de Janeiro. Em 2015 apresentou o show “Teresa canta Cartola: um poeta da Mangueira”, no Theatro Net Rio, em Copacabana, acompanhada somente pelo violonista Carlinhos Sete Cordas. Devido a grande procura e lotação da casa, o show teve sessão dupla. Em 2016 lançou nos Estados Unidos e no Brasil o CD/ DVD “Teresa Cristina canta Cartola”, com texto de Caetano Veloso na capa. Apresentou-se na Academia Brasileira de Letras, ao lado de Carlinhos Sete Cordas, na série “MPB na ABL”, apresentada pelo crítico e pesquisador Ricardo Cravo Albin. Ainda em 2016 saiu em turnê mundial com Caetano Veloso, realizando shows em Paris, (França), Lisboa (Portugal), Seul (Coreia do Sul), Osaka e Toquio (Japão), Nova York (Estados Unidos). Em 2018 estreou o show “Teresa Cristina canta Noel – Batuque é um privilégio”, em que dividiu o palco com o violonista Carlinhos Sete Cordas, sob a direção musical de Caetano Veloso. O repertório do show foi lançado em disco, com a participação de Mosquito em “Minha viola”. Ainda em 2018 apresentou em São Paulo o show “Teresa canta Zé Keti”, em que interpretou músicas do compositor carioca como “A voz do morro”, “Acender as velas”, “Diz que fui por aí”, entre outros sucessos. Mais uma vez, subiu ao palco acompanhada somente pelo violonista Carlinhos Sete Cordas. Apresentou o show “Um sorriso negro”, acompanhada do grupo Samba que Elas Querem, formado apenas por mulheres. O espetáculo foi realizado no Teatro Riachuelo, no Rio de Janeiro, em comemoração ao Dia da Consciência Negra, com repertório composto por músicas de compositores negros.

Mais visitados
da semana

1 Chico Buarque
2 João Gilberto
3 Pixinguinha
4 Geraldo Pereira
5 Tom Jobim
6 Caetano Veloso
7 Música Sertaneja
8 Noel Rosa
9 Jackson do Pandeiro
10 João Bosco