Busca:

Sidney Mattos

Sidney José de Matos
31/7/1952 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Em 1969, como cantor e guitarrista, integrou o conjunto de baile Som Maior, participando de vários programas de televisão, entre eles, "Flávio Cavalcanti", na TV Tupi e "João Roberto Kelly" na TV Rio. No ano seguinte, ingressou no MAU (Movimento Artístico Universitário), ao lado de Gonzaguinha, Ivan Lins, Ronaldo Monteiro de Souza, Paulo Emílio, Aldir Blanc, Marco Aurélio, Quarteto Forma e Tavinho Bonfá, entre outros, grupo com o qual participava do programa "Som livre exportação", na TV Globo. No ano de 1971, pelo Quarteto Forma, teve a sua primeira música gravada, "Antiga voz" (c/ Marco Aurélio). Neste mesmo ano, Ivan Lins interpretou em LP pela PolyGram "Hey você" (c/ Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza). No ano seguinte,em 1972, ao lado de Gonzaguinha e Ivan Lins, apresentou-se em diversos programas de televisão e participou de gravações com Elis Regina, Jorge Bem e Ivan Lins. Em 1973, pela Odeon, Evinha gravou "Debaixo das rodas" e Maria Alcina interpretou "A voz da noite", ambas em parceria com Augusto Magalhães. Nesse mesmo ano, como convidado especial, participou da turnê de Ivan Lins por todo o país. No ano posterior, em 1974, Maria Alcina gravou "Mulher, mulher" (c/ Augusto Magalhães) e "Carmila", em parceria com Elmar.  No ano de 1975, musicou a peça "Ambrósio - O boneco", com direção de José Roberto Mendes, e organizou com o poeta Xico Chaves o "Circuito Aberto de Música", no Teatro Gil Vicente, projeto no qual se apresentaram João Bosco, Modo Livre, Geraldo Azevedo, Alceu Valença, entre outros. Nesse mesmo ano, ao lado do violonista Codó, montou o show "O velho e o novo", apresentado no Teatro Gláucio Gil, no Rio de Janeiro. Em 1976, fez a direção musical de "Zumbi", de Guarnieri, e do show do grupo Les Étoiles, apresentado no Olympia de Paris. Apresentou-se com Caetano Veloso no projeto "Circuito aberto de música". No ano seguinte, acompanhou a pianista Tânia Maria em turnê pela Suíça, participando do programa "Antenne", na TV francesa. Nesse período, participou também do "Embryo", encontro de teatro e cinema em Munique. Entre 1977 e 1979, fez diversos shows na França, Alemanha, Holanda, Inglaterra. Em 1979 Lourenço Baeta gravou "Dia dos pais", em parceria com Lourenço Baeta e Cacaso. No ano de 1980, apresentou "In Concert na Maison du Brésil", em Paris. De volta ao Brasil, fez show com Geraldo Azevedo na Faculdade Hélio Alonso. No período entre 1981 e 1987 trabalhou em trilhas sonoras de programas na TV Educativa do Rio de Janeiro: "República dos bichos", "Bienal da música contemporânea", "Especial Os músicos - Codó", "Auto de Natal", "Vamos brincar", "Ambrósio, O boneco" e "Canta conto", com Bia Bedran. Por essa época, musicou a peça "A mágica da praça", de Zé Zuca, encenada no Teatro Glaúcio Gil, e foram gravadas duas parcerias suas com Zé Zuca, "Barulhos da noite" e "E por falar de coração", em disco independente lançado pelo parceiro. Além disso, criou a trilha sonora e fez a direção musical das peças "Crise internacional", de Breno Moroni; "A ópera dos três vinténs", com direção de Luiz Mendonça; "Auto pastoril", direção de José Roberto Mendes, e "Com os olhos tristes", de Arthur Peixoto. Por esta época, realizou show na Sala Funarte Sidney Miller com Marisa Gata Mansa. A partir de 1991, dedicou-se ao Núcleo Experimental de Arte-Educação (NEAE), tendo recebido o "Prêmio Cultura 96" e "Prêmio Educação 97", oferecido pelo Lions Club do Rio de Janeiro. Em 1997 lançou seu primeiro disco individual intiluado "Nativa", no qual interpretou várias composições instrumentais de sua autoria, entre elas, "Samsalsa", "Violão brasileiro nº 1" e "Silvestre". No ano seguinte, lançou mais dois discos: "Vital", com a participação do trompetista Barrosinho e do percussionista Reppolho, entre outros músicos de renome internacional, e o CD "Desafio", com músicas em parcerias com Jorge Neguinho. No ano de 1999, lançou o disco infantil "Cantos do Brasil", no qual incluiu três parcerias com Bia Bedran: "Abertura", "Sou Feliz" e O jegue". Nesse mesmo ano, gravou o disco "Caleidoscópio", só com letras de Cléber Costa. No ano seguinte, em 2000, lançou "A voz da noite", disco só de parcerias suas com Augusto Magalhães. Neste mesmo ano, lançou o disco infantil "Cantar, cantar, cantar". No ano posterior, em 2001, lançou os discos "Parcerias 70" e "Parcerias 80", ambos cobrindo suas composições destas duas décadas. No ano seguinte, em 2002, comemorou 50 anos fazendo apresentações nas ruas da cidade do Rio de Janeiro com banda e ainda gravou dois discos autorais, "Solo 1" e "Solo 2". Em 2003 lançou o CD "A minha canoa", disco só com parcerias com o poeta Luiz Alfredo Millecco e ainda o CD instrumental "Reflexos". Em ambos foram incluídas de sua autoria: "Não é verdade", "Humaitá", "Gincanas", "Aviso" e "Quebra-mar". No ano segunte, em 2004, lançou o CD "Boas novas", no qual interpretou "Belarina" (c/ Ivan Wrigg e Euclides Amaral), "Diferente" (c/ Olten e Euclides Amaral), "Amigo", "Pompas", "Na surdina", "Se o amor deixar" e "Voltar", todas em parceria com Luiz Alfredo Millecco. No disco também incluiu "Ia-kekerê" e "Nossos meninos", parcerias com Tibério Gaspar e ainda "Porta aberta" e "Vivo", as duas compostas com Ivan Wrigg. O disco contou com a participação do poeta Euclides Amaral no poema "Tardes de agosto" incluído na faixa "Olhar neon", parceria de ambos. No ano de 2005 fez o show de lançamento do disco "Boas novas" no Espaço Cultural Sérgio Porto, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano lançou o CD "Elementar - Terra, fogo, água e ar" com composições de sua autoria, disco do qual participaram Bia Bedran , Ivan Lins, Nanná Tribuzzy, Zé Zuca, Coro do CIEP Antoine Magarinos Torres Filho e ainda Adriana Passos, Bia Bessa, Chico Abreu e Poíko, atores/cantores do NEAE. No ano posterior, em 2006, gravou e lançou o CD infantil "Auto de Natal - A Caminho de Belém". Em 2007 lançou o CD "Eu sou assim", no qual interpretou, de sua autoria, "O índio" (c/ Xico Chaves); "Vida inteira" e "Samba pra Leny", ambas em parceria com Ana Terra; "O amor" (c/ Horivaldo e Maurício Duboc); "Sagrado e profano" e "Anjo", as duas em parceria com Ivan Wrigg; "Ok! Meu bem", "Feitiço", "Meu Brasil", "Mutilados", "Os mares", "A lua nos chama" e a faixa-título", todas em parceria com Luiz Alfredo Milleco. O disco contou com músicos do primeiro time, entre os quais Zé Carlos Bigorna (flautas), Dalmo Mota (violão de 12), Reppolho (percussão), Téo Lima (bateria), Vica Barcellos (vocais) e Flávio Pereira (baixo). Lançou o CD instrumental "Interfaces ao vivo", no ano de 2008, fazendo apresentações no Conservatório de Tatuí, no CMRMC "Centro Municipal de Referência da Música Carioca" e no bar Café Palácio. No CD foram incluídas, entre outras, "Remains", "Humaitá" e "Maison du Brèsil". No disco contou com as participações de André Dantas (baixo), Fernando Trocado (sax e flauta) e Elly Werneck (bateria). Neste mesmo ano fez temporada com quarteto bossa/jazz, no Botekoteko, na Barra da Tijuca e ainda, shows instrumentais no Riviera Dei Fiori. Participou do programa "O Som do Vinil" sobre Ivan Lins, na MTV. Atuando como arte-educador fez palestra sobre "Arte-Educação" no SINEPE/Rio e shows didáticos sobre os 50 anos da bossa nova em várias escolas e no SESC Tijuca. No ano de 2009 lançou o CD infantil "Receita de vida" com alunos do CIEP Dr. Antoine Magarinos Torres Filho, no CMRMC, no programa infantil "Rádio Maluca. Neste mesmo ano lançou o CD instrumental "Nuanças" com 12 temas executados ao piano e com a participação de Luiz Fernando Zamith (violoncelo), no qual foram incluídos os temas "Azul", "Laranja" e "Lilás". Neste mesmo ano, de 2009, apresentou-se no Café Palácio, no CMRMC (Centro Municipal de Referência da Música Carioca) com a gravação e lançamento do CD "Interfaces"; fez show em comemoração aos 40 anos de carreira no CMRMC, com a participação de André Dantas (baixo), Guilherme Brício (sax e flauta) e Elly Werneck (bateria) tendo como convidados o NEAE e o baterista Chiquinho Brazão. Também fez apresentações espaço cultural Velho Armazém, em Niterói, ao lado de Bia Bedran. Participou, com o NEAE, do "Viradão Cultural Carioca". Posteriormente, em 2010, fez shows instrumentais no Shopping Barra Garden e apresentou o show "Forrójazz", no Centro Municipal de Referência da Música Carioca, na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro. Neste mesmo ano de 2010 regravou e relançou o CD "Desafio", disco no qual foram incluídas apenas parcerias com o poeta e letrista Jorge Neguinho (Jorge Luís de Oliveira Nunes 17/6/1950 - 6/1999 RJ), entre as quais "A vida vai mudar", "Abertos", "Beth sifílica", "De careta", "Dedica-se", "Desafio", "Leila", "Menina", "O muro", "Papel", "Passageiros da Central", "Reviravolta" e a faixa-título "Desafio". O CD foi lançado em show no CMRMC (Centro Municipal de Referência da Música Carioca Artur da Távola), na Tijuca, Zona Norte do Rio de Janeiro, com a participação dos músicos Felipe Machado (violão), Carlito Gepe (baixo), Elly Werneck (bateria), João Bani (percussão) e Sidney Mattos (voz, flauta e teclados). Coordenou e apresentou o projeto "Encontros & Cantorias", no Café Cultura Casa Moro, no qual contou com as participações dos poetas Ivan Wrigg e Tanussi Cardoso, além da musicoterapeuta Marly Chagas e o violonista Renato Alvin. Participou com o NEAE do "Viradão Carioca" e do "1º Encontro Nacional da RENATIN". Foi homenageado como professor e autor no lar Anália Franco. Neste mesmo ano compôs e fez a direção musical da peça infantil "O Mundo de Gaia". No ano de 2011 apresentou o show "Gonzaguinha - 20 Anos de Saudade" no Teatro Gonzaguinha, na Praça Onze, no centro da cidade do Rio de Janeiro, espetáculo no qual contou um pouco da história do compositor, para o qual trabalhou como diretor musical durante cinco anos. No show contou com as participações dos músicos Carlito Gepe (baixo), Felipe Machado (guitarra), Jaburu (bateria) e o próprio Sidney Mattos no teclado, flauta e voz, além da participação especial da cantora Luna Messina. Apresentou-se em show de bossa nova e jazz na casa noturna Pettit Paulette. Fez o espetáculo "Interface", no CMRMC, com a banda composta por Carlito Gepe (baixo), Guilherme Brício (sax e flauta) e Sergio Jaburu (bateria) tendo como convidados especiais Sérgio Boré (percussão), André Dantas (baixo) e Elly Werneck (bateria), também levado para o Centro Cultural Correia Lima, no bairro do Catete. Participou, ao lado de Bia Bedran, do show "Cabeça de Vento", no Teatro do SESI e no projeto "Arte Natural", no Parque Lage. Ministrou palestra para Associação de Musicoterapia do Rio de Janeiro. Produziu e realizou o evento "20 Anos de NEAE - Núcleo Experimental de Arte-Educação", na Praça Afonso Pena, no qual contou com participações especiais de Josué Soares, Bia Bedran, Geraldo Azevedo, Teatro de Roda e Hamilton Catete. Com o NEAE apresentou o show "Cantar, cantar, cantar" na "5ª Mostra Internacional de Teatro Infantil de Cuiabá", ao lado de Angelo B, Poiko e Joana Telles. No ano de 2012 fez a produção, gravação e lançamento dos CDs "Minha vida, minha música" e "Cantando e criando" com jovens da Comunidade do Borel. Participou como jurado no "Festival de Música de Tatuí" ao lado de Vânia Bastos, Carlos Colla e Fernanda Porto, fazendo o show da semifinal ao lado de Sérgio Frigério (baixo), Sergio Jaburu (bateria) e Jota P (sax e flauta). Fez apresentações com seu quarteto no Velho Armazém, em Niterói, e na Casa Mango Mango ao lado de Carlito Gepe (baixo), Roberto Stephenson (sax e flauta) e Sergio Jaburu (bateria). Ainda em 2012, ao lado de Elza Maria, Edir Silva, Marko Andrade, Pecê Ribeiro, Namay Mendes, Heloísa Helena, Renato Piau, Victor Biglione, Reppolho, Rubens Cardoso, Big Otaviano, Reizilan, Lúcio Sherman, Carlos Dafé, Anna Pessoa, Martha Loureiro e Cláudio Latini, participou do CD "Quintal Brasil - Poemas, letras & Convidados", do poeta e letrista Euclides Amaral, no qual interpretou "Olhar neon", parceria com Euclides Amaral, que declamou o poema "Tarde de agosto" na mesma faixa. Neste mesmo ano fez o show "Sidney Mattos - 60 Anos", na Sala Funarte Sidney Miller, no cento do Rio de Janeiro. No espetáculo, com direção de Bia Bedran, foi acompanhado pelos músicos Carlito Gepe, Sérgio Jaburu e Roberto Stephenson e ainda contou com as participações especiais de Pascoal Meirelles (bateria), Luna Messina (voz), Carlos Walker (voz) e o grupo NEAE. Em 2013, com a cantora Rosana Sabença, montou o show "Encotnro", apresentado no bar Tempero da Praça, na Praça da Bandeira, Zona Norte do Rio de Janeiro. No ano seguinte, em 2014, participou do projeto "Terças de Graça", acompanhado por Carlito Gepe (baixo) e Sérgio Jaburu (bateria) e apresentou-se, com o Sidney Mattos Trio, na Botte's Bar, no Beco das Garrafas, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro. Neste mesmo ano lançou o CD instrumental "Amigos", com ilustração de capa do artista plástico Mello Menezes, no qual interpretou dez composições inéditas e duas regravações, recebendo como convidados 23 instrumentistas: André Dantas, Carlito Gepe, Chiquinho Brazão, Elly Werneck, Fernando Trocado, Flávio Pereira, Guilherme Brício, João Carlos Coutinho, João Cortes, Jota P, Luiz Guimarães, Luiz Fernando Zamith, Ozias Gonçalves, Pascoal Meirelles, Paulo Sérgio Santos, Pedro Barros, Ricardo Pontes, Roberto Stephenson, Sérgio Castanheira, Sérgio Jaburu, Sidney Barreto, Thiago Guzzo e Vander Nascimento. Entre as faixas inseridas no disco destacam-se "Hemisfério criativo", "Chorando pro Hermeto", "Be funk", "Tablas theme", "Brazão", "Conclin". O disco contou com texto de apresentação do cantor e compositor Guinga, do qual destacamos o seguinte trecho: "Conheci Sidney Mattos, há 44 anos, na casa do Dr. Aloízio Portocarrero (Jaceguai, 27), já imortalizada na música brasileira por tantos artistas geniais que por lá passaram. Reencontro Sidinho agora por intermédio desse instigante CD Amigos seu mais recente CD instrumental". O lançamento do disco aconteceu no palco do teatro da Sala Baden Powell, em Copacabana, Zona Sul do Rio de Janeiro. Ainda em 2014, ao lado dos músicos Patrick Ângelo (violões) e Paulão Menezes (percussão), fez parte da banda que acompanhou a cantora Bia Bedran no show "Chico 70 - Homenagem aos 70 anos de Chico Buarque de Holanda", apresentado em diversos espaços, entre os quais Velho Armazém e no Bar Itália, ambos na cidade de Niterói. No ano de 2015 lançou, pelo Selo Tamos Produção, o CD "Elas me cantam", com a participação de várias intérpretes nas faixas "A minha canoa"  (c/ Luiz Alfredo Millecco) Dorina; "Volta pra mim" (c/ Luiz Alfredo Millecco) Vika Barcellos; "Farol"  (c/ Paulo Emílio) Luna Messina; "Não é verdade" (c/ Luiz Alfredo Millecco) Elza Maria; "Mutilados" (c/ Luiz Alfredo Millecco) Áurea Martins; "Inverno" (c/ Patrick Ângelo e Bia Bedran) Bia Bedran; "O índio" (c/ Xico Xaves) Sonya Prazeres; "Dessa força" (c/ Rosângela de Carvalho) Rosângela de Carvalho; "Os mares" (c/ Luiz Alfredo Millecco) Rosana Sabença; "Eu sou assim" (c/ Luiz Alfredo Millecco) Lucinha Lins; "Dos amores" (c/ Bia Bedran) Vânia Bastos; "Deságue" (c/ Fernand Cruz Filha) Irinéa Maria Ribeiro; "Lumiar" (Sidney Mattos) Liza Kuenerz, além de "VIV" (Sidney Mattos) na voz de Lenna Pablo. O disco foi lançado em show na Sala Baden Powell, no Rio de Janeiro, com a partipação das cantoras Elza Maria, Bia Bedran, Áurea Martins, Irinéa Maria Ribeiro, Lena Pablo, Liza K, Luna Messina, Rosana Sabença e Rosângela de Carvalho, acompanahadas por uma banda integrada por Carlito Gepe (baixo), Thiago Guzzo (guitarra), Guilherme Brício (sax e flauta), Sérgio Jaburu (bateria), Elly Werneck (bateria e percussão) e o próprio compositor no piano e voz. No ano de 2017 fez turnê por várias cidades de São Paulo (Campinas, Sorocaba, São Carlos, Bauru, Santos e capital) coom o show "Sidney Mattos Trio", em trio formado com André Dantas (contrabaixo) e Marcos Minnemann (bateria). No ano de 2018, pelo Selo Tamos Produção, gravou o CD "A segunda parte do tempo", do qual se destacaram as faixas autorais "Iniciação" (c/ Nei Lopes); "Seu Zé" (c/ Luiz Avellar); "Se o amor chegar" e "Quem sou", ambas com letra do poeta Luiz Alfredo Millecco; "Onde mais" (c/ Fernanda Cruz Filha) e "A vida", em parceria com Rosângela de Carvalho, além da composição "Meu canto", com melodia sobre o poema de Lúcio Celso Pinheiro. O disco contou com texto de apresentação de Aldir Blanc:   "Sidney Mattos é um dos mais talentosos, criativos e valiosos músicos do Brasil. Já mostrava essas qualidades há dezenas de anos. Tão brilhante quanto suas qualidades artísticas, é sua extraordinária tenacidade e incrível capacidade de lutar, graças à fundamental aliança de sua coragem com sua grande arte. Conheci artistas de todo tipo, mas, friso, NENHUM que reúna seu talento, bravura e caráter. Um músico moral e artisticamente exemplar."   O show de lançamento do disco ocorreu na Sala Municipal Baden Powell, no qual contou com a participação do parceiro e amigo Ivan Lins. O espetáculo teve roteiro e direção de Aldir Blanc, que escreveu o seguinte texto para o espetáculo:   "O encontro entre Sidney Mattos e Ivan Lins, dia 10 de Outubro, na Sala Baden Powell, marca, entre muitas outras coisas, a comemoração de quase cinquenta anos de amizade entre nós três, o que não é brincadeira em qualquer terreno artístico. Não preciso apresentar o Ivan, que goza de merecido renome internacional, mas faço absoluta questão de ressaltar a importância de Sidney Mattos. O cara é múltiplo: compositor, cantor, produtor, arranjador, professor e arte-educador. É um dos mais talentosos, criativos e valiosos músicos do Brasil. Já mostrava essas qualidades há dezenas de anos."   A banda que acompanhou os cantores foi integrada por Fernando Moraes (teclado), Flávio Pereira (baixo), João Cortez (bateria e percussão), Elly Wernecj (bateria e percussão) e Fernando Trocado (sax e flauta), além de Sidney Mattos (teclado, voz e direção musical) e a participação especial de Ivan Lins (teclado e voz). No ano de 2019 fez show de lançamento do CD "A segunda parte do tempo" na Sala Paulo Moura, na Tijuca, no qual contou com a participação especial de Geraldo Azevedo, além de uma banda de acompanhamento integrada por Flávio Pereira (baixo), Fernando Trocado (sax e flauta), Elly Werneck (Bateria e percussão), João Cortez (bateria e percussão) e Fernando Moraes (teclado). Tem mais de 300 músicas gravadas entre instrumentais e infantis e em parceria com os letristas Tibério Gaspar, Jorge Neguinho, Aldir Blanc, Xico Chaves, Geraldo Duarte, Ronaldo Monteiro de Souza, Luiz Alfredo Milleco, Marco Aurélio, Ivan Wrigg, Olten Jorge, Cacaso, Euclides Amaral, Lúcio Celso Pinheiro, Nei Lopes e Paulo Emílio, entre outros. Como instrumentista (violonista) trabalhou com Ivan Lins, Gonzaguinha, Aldir Blanc, Jorge Benjor, Elis Regina e Geraldo Azevedo.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Tom Jobim
3 Assis Valente
4 Nelson Cavaquinho
5 Hermeto Pascoal
6 João Gilberto
7 Música Sertaneja
8 Ary Barroso
9 Gilberto Gil
10 Lúcio Barbosa