Busca:

Rosa Passos

Rosa Maria Faria Passos
13/4/1952 Salvador, BA

Dados Artísticos

No ano de 1972, com sua composição "Mutilados", venceu o "Festival da Universidade da Bahia", da TV Aratu. Entre 1973 e 1975 integrou o grupo Arquipélago, ao lado de Fernando de Oliveira, Guilherme Montenegro, Antonio Carlos Sena, Elmo, Paulo Garcez e Paulo Passos, entre outros. Com esse coletivo de artistas (poetas, músicos e letristas) promoveu diversos debates e shows na capital baiana, também começou a parceria  com o poeta e letrista Fernando de Oliveira. Em 1979 lançou o LP "Recriação", seu disco de estreia, contendo suas composições "Bolero de esperar", "Procura-se um samba", "Estrela-cine-teatro", "Saudade da Bahia", "Fossamba", "Formicida, corda e flor", "Caminho de Santana", "Noturno", "Ai o Fantástico" e a faixa-título, todas de sua parceria com o poeta Fernando de Oliveira. O disco contou com a participação de Gilson Peranzzetta (teclados), Luizão (baixo), Ubirajara (bandoneon), Zé Menezes (viola 12 cordas), Jorginho (flauta), Zdenek Svab (trompa), Wilson das Neves (bateria), Hermes Contesini (percussão) e Geraldo Vespar (arranjos e regência). No ano seguinte, em 1980, participou da coletânea "Essas mulheres", com a faixa "Estrela-cine-teatro", de sua parceria com Fernando Oliveira. No ano de 1991 lançou o LP "Curare", no qual gravou clássicos da música popular brasileira: "Só danço samba", "O nosso amor" e "A felicidade", todas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, "Dindi" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), "Fotografia" (Tom Jobim), "Coisa mais linda" (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes), "Aquarela do Brasil" (Ary Barroso), "Tim tim por tim tim" (Haroldo Barbosa e Geraldo Jacques), "Folha morta" (Ary Barroso), "Adeus América" (Geraldo Jacques e Haroldo Barbosa), "Eu quero um samba" (Haroldo Barbosa e Janet de Almeida), "Ilusão à toa" (Johnny Alf), "Sim ou não"" (Djavan) e a faixa-título de autoria de Bororó. Lançou, em 1993, o CD "Festa", com suas composições "Dunas", "Salada tropical", "Juras", "Festa", "Chuva de verão" e "Outono", todas com o letrista Fernando de Oliveira, e "Causa perdida" (c/ Aldir Blanc), além de "Candeias" (Edu Lobo), "De flor em flor" (Djavan), "Feitiço da Vila" (Noel Rosa e Vadico), "Paris De Santos Dumont aos travestis" (Moacyr Luz e Aldir Blanc) e "O amor em paz" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). O disco, produzido por Paulinho Albuquerque, contou com a participação de Lula Galvão (violão e guitarra), Jorge Helder (baixo acústico e baixo elétrico), Sizão Machado (baixo acústico), Itamar Assiere (piano e teclados), Gilson Peranzzetta (teclados e acordeom), Paulo Guimarães (flauta), Idriss Boudrioua (sax alto), Márcio Montarroyos (trompete) e Erivelton Silva (bateria). No ano seguinte, em 1994, gravou participação no "Songbook Dorival Caymmi", interpretando a faixa "Valerá a pena". No ano posterior, em 1995, participou da trilha sonora da remontagem da novela "Irmãos Coragem" (Rede Globo), interpretando "Amor em paz" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), incluída no CD "Irmãos Coragem - Trilha sonora da novela da Rede Globo", lançado neste mesmo ano. No ano de 1996, lançou o CD "Pano pra manga", contendo suas composições "Verão", "Samba com pressa (Viver é voar)", "Amorosa", "Espelhos", "Barcos" e "Samba sem você", todas com Fernando de Oliveira, "Abajur lilás" (c/ Ivan Lins e Fernando de Oliveira), "Pano pra manga" (c/ Paulo César Pinheiro), "Gesto" (c/ Sergio Natureza) e "Minuano" (c/ Vitor Martins), além de "Com açúcar, com afeto" (Chico Buarque), gravada em dueto com o próprio autor, "Chovendo na roseira" (Tom Jobim) e "É luxo só" (Ary Barroso e Luis Peixoto). O disco contou ainda com a participação especial de Ivan Lins na faixa "Abajur lilás". Nesse mesmo ano, gravou participação no "Songbook Tom Jobim", interpretando "Caminhos cruzados" (Tom Jobim e Newton Mendonça). Ainda em 1996, gravou participação no "Songbook Edu Lobo", interpretando "Zanga zangada" (Edu Lobo e Ronaldo Bastos). Ainda nesse ano, apresentou-se, convidada por Oscar Castro-Neves, na noite brasileira do "Jazz at the Bowl", realizado no Hollywood Bowl, na Califórnia. Também em 1996, apresentou-se no Japão pela primeira vez, ao lado do saxofonista Sadao Watanabe. No ano seguinte, em 1997, em parceria com o violonista Lula Galvão, lançou, em tributo ao compositor Ary Barroso, o CD "Letra & Música Ary Barroso - Rosa Passos & Lula Galvão", interpretando  "Morena Boca de Ouro", "Folha morta", "No Tabuleiro da Baiana", "Inquietação", "Foi ela", "Rio de Janeiro", "Isto aqui o que é", "Ocultei", "Pra machucar meu coração", "Faceira", "Camisa amarela", 'Na Baixa do Sapateiro" e "Aquarela do Brasil". Também em 1997, a gravadora Velas lançou a coletânea "O melhor de Rosa Passos", com os fonogramas retirados de seus discos anteriores. Nesse mesmo ano, gravou participação no "Songbook Djavan", interpretando "Seduzir" e "Obi". Ainda em 1997, o cantor americano Kenny Rankin gravou "Those eyes" e "Stay", versões em inglês de suas composições "Verão" e "Outono", ambas com Fernando de Oliveira, com participação vocal da autora. Celebrando o 40º aniversário da bossa nova, lançou, em 1998, o CD "Rosa Passos canta Antonio Carlos Jobim - 40 anos de bossa nova", registrando exclusivamente músicas de Tom Jobim: "Garota de Ipanema", "Insensatez", "Chega de saudade" e "Brigas nunca mais", todas com Vinicius de Moraes, "Samba de uma nota só", "Desafinado" e "Meditação", todas com Newton Mendonça, "Inútil paisagem" (c/ Aloysio de Oliveira), ""Esperança perdida" (c/ Billy Blanco), "Corcovado", 'Vivo sonhando", "Só em teus braços", "Outra vez" e "Este seu olhar". No ano posterior, em 1999, lançou o CD "Morada do samba", contendo suas composições "Esmeraldas", 'Pequena música noturna", "Roseira" e "Alma de blues", todas com Fernando de Oliveira, "Primavera" e "Morada do samba", ambas com Walmir Palma, "Marco" e "Nada igual", ambas com Sergio Natureza, além de "Lá vem a baiana" e "Saudade da Bahia", ambas de Dorival Caymmi, "Beiral" (Djavan), "Calmaria" (Walmir Palma) e "Retiro" (Paulinho da Viola). O disco contou com a participação de Gilson Peranzzetta (piano, acordeom e arranjos) e Lula Galvão (violão, guitarra e arranjos). Neste mesmo ano, gravou participação no "Songbook Chico Buarque", interpretando "Folhetim" e, ao lado do pianista Cristóvão Bastos, "Retrato em branco e preto", de Tom Jobim e Chico Buarque. Também em 1999, gravou participação no "Songbook João Donato", interpretando "Fim de sonho" (João Donato e João Carlos Pádua) e "A paz" (João Donato e Gilberto Gil). Ainda neste ano, apresentou-se no quinquagésimo aniversário de celebração da democracia alemã, juntando-se a Paquito D’Rivera e a WDR Big Band por shows em Bonn e Colônia. Também em 1999, participou do "Festival de Jazz de Bern". Lançou, no ano seguinte, no ano 2000, o CD "Rosa Passos canta Caymmi", interpretando "Sábado em Copacabana" (c/ Carlos Guinle), "Você não sabe amar" (c/ Carlos Guinle e Hugo Lima), "Doralice" (c/ Antônio Almeida), "Você já foi à Bahia", "Marina", "Só louco", "Rosa Morena", "Vatapá", "Milagre", "O bem do mar", "Vestido de bolero", "Samba da minha terra" e "... Das rosas". Em 2001 apresentou show solo (voz e violão) em Nova Orleans, o que lhe valeu um convite para gravar o CD "Me and my heart", lançado no mercado norte-americano no ano seguinte, em 2002, quando também lançou o CD "Azul", contendo as faixas "Samurai", "Aliás", "Azul", "Açaí" e "A Ilha", todas de Djavan, "Mancada", "Ladeira da Preguiça", "Mar de Copacabana" e "Amor até o fim", todas de Gilberto Gil, "Desenho de giz" e "Quando o amor acontece", ambas de João Bosco e Abel Silva, "Papel marchê" (João Bosco e Capinam) e "Dois pra lá, dois pra cá" (João Bosco e Aldir Blanc). O disco contou com a participação de Teco Cardoso, Léa Freire, Lula Galvão, Proveta e Banda Mantiqueira. Fez show de lançamento do CD no Sesc Santo André (SP), neste mesmo ano. Ainda em 2002, viajou aos Estados Unidos, onde gravou participação especial no CD "Obrigado, Brazil", do violoncelista Yo-Yo Ma, nas faixas "Chega de saudade" e "Amor em paz", ambas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes. O disco foi contemplado com o "Prêmio Grammy". Em seguida, fez turnê mundial do CD ao lado de Yo-Yo Ma e dos outros músicos que participaram do disco. Esse trabalho gerou o CD ao vivo "Obrigado Brazil Live in Concert", com o clarinetista Paquito D’Rivera e percussionista Cyro Baptista. Voltou aos Estados Unidos neste mesmo ano, dessa vez para participar, no Lincoln Center de Nova York, do evento "Brasil Fest 2002", produzido por Nelson Motta, em homenagem a Elis Regina, apresentando-se, juntamente com outros artistas, para um público de seis mil pessoas. Em 2003 lançou no Brasil o CD "Eu e meu coração", com suas composições "Juras" e "Dunas", ambas com Fernando de Oliveira, e "Minuano" (c/ Vitor Martins), além de "O que é que a baiana tem" e "Dois de fevereiro", ambas de Dorival Caymmi, "Surpresa" (João Donato e Caetano Veloso), "Mentiras" (João Donato e Lysias Ênio), "Só danço samba" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Águas de Março" (Tom Jobim), "Água doce" (Ivan Lins e Vitor Martins), "Aos pés da Cruz" (Marino Pinto e Zé da Zilda), "Eu e meu coração" (Naldo Vilarinho e Antônio Botelho), "Desencontro" (Chico Buarque) e "Se o tempo entendesse" (Marino Pinto e Mário Rossi). Lançado no ano anterior no mercado norte-americano com o título "Me and my heart", o disco contou com a participação de Paulo Paulelli (baixo e percussão de boca). Nesse mesmo ano, lançou, com o contrabaixista norte-americano Ron Carter, o CD "Entre amigos", contendo as faixas "Insensatez", "Garota de Ipanema", "Eu sei que vou te amar" e "O grande amor", todas de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, "Desafinado" e "Caminhos cruzados", ambas de Tom Jobim e Newton Mendonça, "Por causa de você" (Tom Jobim e Dolores Duran), "Sorriu para mim" (Garoto e Luis Cláudio), "Bahia Com H" (Denis Brean), "A primeira vez" (Alcebíades Barcelos e Armando Marçal) e "Feiti de o de oração" (Noel Rosa e Vadico). Ainda nesse ano de 2003, gravou participação no "Songbook João Bosco", interpretando, ao lado do violonista Lula Galvão, "Memória da pele" (João Bosco e  Waly Salomão). Também em 2003, gravou as faixas "Roda baiana" (Ivan Lins e Vitor Martins) e "Vai ser melhor" (Alexandre Leão e Manuca Almeida) no CD de Alexandre Leão. No ano posterior, em 2004, lançou o CD "Amorosa", um tributo a João Gilberto e seu antológico CD "Amoroso" de 1977. No repertório, "Você vai ver" e "Wave", ambas de Tom Jobim, "Chega de Saudade" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Retrato em branco e preto" (Tom Jobim e Chico Buarque), "Besame Mucho" (Consuelo Velasquez), "Pra que discutir com Madame" (Haroldo Barbosa e Janet de Almeida), "Lobo bobo" (Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli), "O pato" (Jaime Silva e Neusa Teixeira), "Eu sambo mesmo" (Janet de Almeida), "Que reste-t-il de nos amours" (Charles Trenet), "'S Wonderful" (George Gershwin e Ira Gershwin) e "Essa é pro João", de sua parceria com Arnoldo Medeiros. O disco contou com a participação especial de Henri Salvador na faixa "Que reste-t-il de nos amours". Acompanhando a cantora, os músicos Hélio Alves (piano), Paulo Paulelli (baixo), Paquito D'Rivera (clarinete), Rodrigo Ursaia (sax tenor), Paulo Braga (bateria) e Cyro Baptista (percussão). Em seguida, segue para temporada de shows em festivais europeus. Em 2006, lançou o CD "Rosa", em formato voz e violão, contendo "Demasiado Blue" e "Detalhe", ambas com Fernando de Oliveira, "Sutilezas" (c/ Sergio Natureza), "Inverno" (c/ Walmir Palma), "Desilusión" (c/ Santiago Auserón) e "Edredom de seda" (c/ Arnoldo Medeiros), além de "Duas contas" (Garoto), "Eu não existo sem você" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Até quem sabe" (João Donato e Lysias Ênio), "Olhos nos olhos" (Chico Buarque), "Sentado à beira do caminho" (Erasmo Carlos e Roberto Carlos), "Molambo" (Jaime Florence "Meira" e Augusto Mesquita), "Jardim" (Keren Ann Zeidel e Benjamin Biolay), "Não sei o que acontece" (Alexandre Leão) e "Fusión" (Jorge Drexler). Neste mesmo ano, apresentou-se no Carnegie Hall - Zanken Hall, para uma numerosa plateia, em show solo no formato voz e violão, interpretando composições de seus discos "Amorosa" e "Rosa, além de clássicos da música popular brasileira. No ano seguinte, em 2007, após alguns anos longe dos palcos brasileiros, fez temporada de shows no Teatro Fecap (SP), participou do "Festival de Jazz de Tatuí" (SP) e apresentou-se junto à Orquestra Jazz Sinfônica no Memorial da América Latina (SP), em homenagem a Elis Regina. Neste mesmo ano, de 2007, fez uma série de seis shows no Blue Note de Nova York. Lançou, em 2008, o CD "Romance", no qual interpretou "Eu sei que vou te amar" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Por causa de você" (Tom Jobim e Dolores Duran), "Atrás da porta" (Francis Hime e Chico Buarque), "Tatuagem" (Chico Buarque e Ruy Guerra), "Cadê Você (Leila XIV)" (João Donato e Chico Buarque), "Doce presença" (Ivan Lins e Vitor Martins), "Nem eu" (Dorival Caymmi), "Álibi" (Djavan), "Preciso aprender a ser só" (Marcos Valle e Paulo Sergio Valle), "Altos e baixos" (Sueli Costa e Aldir Blanc), "Neste mesmo lugar" (Klécius Caldas e Armando Cavalcanti) e "Nossos momentos" (Luis Reis e Haroldo Barbosa). Inspirada no repertório gravado por Elizeth Cardoso, lançou em 2011, o CD "É luxo só", com as faixas "As rosas não falam" e "Acontece", ambas de Cartola, "Último desejo" e "Três apitos", ambas de Noel Rosa, "Olhos verdes" (Vicente Paiva), "O amor e a rosa" (Pernambuco e Antonio Maria), "Palhaçada" (Haroldo Barbosa e Luis Reis), "Diz que fui por aí" (Zé Keti e H. Rocha), "Saia do caminho" (Custódio Mesquita e Ewaldo Ruy) e a faixa-título (Ary Barroso e Luis Peixoto). O disco contou com a participação dos músicos Lula Galvão (violão), Jorge Helder (contrabaixo) e Rafael Barata (bateria). No ano seguinte, em 2012, fez show de lançamento do CD "É luxo só" na casa de shows Miranda, na Zona Sul do Rio de Janeiro. No ano posterior, em 2013, gravou o CD "Samba dobrado - Canções de Djavan", em homenagem à obra do compositor Djavan, no qual interpretou as faixas "Capim", "Maçã", "Açaí", "Samba dobrado", "Serrado", "Pára-raio", "Faltando um pedaço", "Pétala", "Linha do Equador", "Cigano", "Pedro do Brasil" e "Fato Consumado", além de uma inédita, "Doce menestrel", composta com o poeta Fernando de Oliveira e dedicada ao homenageado. Em 2014 apresentou-se na cidade de Carmelo, no Uruguai, sendo o show gravado e lançado dois anos depois, em 2016 com o título "Rosa Passos Ao Vivo", tendo no repertório os destaques "Emoções" (Roberto e Erasmo) e "Eu e a brisa", de Johnny Alf. Com sólida carreira internacional, apresentou-se em vários países, tais como Espanha, Alemanha, Suíça, Dinamarca, Noruega, Suécia e também Colômbia, Cuba, Uruguai e Estados Unidos. Ao longo de sua trajetória, participou de diversos festivais de jazz, acompanhada por músicos de renome internacional, como Toots Thielemans, Paquito D’Rivera e David Finch. No ano de 2019 apresentou-se no Rio de Janeiro, no Teatro Riachuelo Rio, no "Projeto Música das 7" com o show "Amanhã vai ser verão", acompanhada por uma banda integrada por Celso de Almeida (bateria e percussão), Fábio Torres (piano), Jorge Helder (baixo acústico) e Lula Galvão (guitarra). O show, no qual lançou o disco homônimo, executou composições suas de outros discos, além de "Tarde demais" (c/ Fernando de Oliveira), "Passarinho" (c/ Walmir Rocha Palma), "Edredon de seda" (c/ Arnoldo Medeiros), "Essas tardes assim" (c/ Fernando de Oliveira), "Aquáruio" (c/ Salgado Maranhão), "Partilha" (c/ Fernando de Oliveira), "Inocente blues" (c/ Jorge Helder), "Bésame poco" (c/ Fernando de Oliveira), "Desilusión" (c/ Santiago Auserón) e "Banquete" (c/ Fernando de Oliveira), gravada em dueto com Zé Luiz Mazziotti, além da faixa-título, "Amanhã vai ser verão", em parceria com Marcelo Pizo, todas do novo disco, que contou com 10 arranjos do violonista Lula Galvão e três outros da própria compositora.

Mais visitados
da semana

1 Chico Buarque
2 João Gilberto
3 Geraldo Pereira
4 Tom Jobim
5 Caetano Veloso
6 Pixinguinha
7 Música Sertaneja
8 Noel Rosa
9 Jackson do Pandeiro
10 Chitãozinho e Xororó