Busca:

Ronnie Von

Ronaldo Nogueira
17/7/1947 Niterói, RJ

Não deixe de ver:

Dados Artísticos

Iniciou a carreira se apresentando como cantor de blues e gospels em boates no Beco das Garrafas, no Rio de Janeiro. Em 1965, levado por Eli Barra, membro dos Brazilian Beetles, apresentou-se no programa "BBC no Rio", de Glauco Pereira, interpretando as canções "You've got to hide your love away", de Lennon e McCartney, e "Meu bem", versão sua para "Girl", da mesma dupla. Manuel Carlos e Agnaldo Rayol assistiram ao programa e o convidaram para se apresentar no "Corte-Rayol Show", programa de grande audiência exibido pela TV Record de São Paulo. Interpretou na ocasião outra música de Lennon e McCartney, "Michele", obtendo grande êxito.  Ainda em 1965, lançou seu primeiro disco, por intermédio de João Araújo, pai de Cazuza, então diretor artístico da Philips. Acompanhado por Maritza Fabiani, Cláudio Faissal e Brazilian Beatles, gravou as duas músicas dos Beatles que havia apresentado no "BBC no Rio".   Logo ganhou o epíteto de Pequeno Príncipe e seu sucesso o levou a ganhar, no ano seguinte, programa próprio na televisão. Produzido por Solano Ribeiro, "O Pequeno Mundo de Ronnie Von" foi exibido pela TV Record e nele estrearam Os Mutantes. Naquele ano lançou seu primeiro LP, "Pequeno Príncipe", cujo maior sucesso foi a faixa título, de autoria de Tommy Standen e Fred Jorge. Tal foi o êxito nesse período, que acabou recebendo o Prêmio Roquete Pinto, como revelação do ano, e assinou contrato com a Agência de Publicidade Jovem Guarda, para comercializar produtos com seu nome. Em 1967, obteve novo êxito com a música "A praça", de Carlos Imperial, gravada em disco homônimo. Apesar do fim do movimento da Jovem Guarda, manteve-se em evidência nos anos 70, fazendo sucesso com canções como "Minha gente amiga", composição sua com Antônio Pedro Costa, sucesso de 1971. Seu principal parceiro desse período foi Tony Osanah, ex-guitarrista e cantor do grupo Beat Boys. Dele gravou em 1972 o sucesso "Cavaleiro de Aruanda", e também obteve êxitos nas parcerias "Deus sul-americano", de 1973, e "Tranquei a vida", de 1977. Outros parceiros seus foram Terry Winter, Arnaldo Sacomani e Sam Martim.  Ao longo das décadas de 1980 e 1990 continuou a se apresentar em programas de televisão e shows, estrelando novamente um programa de variedades na TV Record. Em 1995, participou da gravação do CD duplo ao vivo "O novo de novo", em homenagem aos trinta anos da Jovem Guarda. Lançou também uma autobiografia intitulada "Mãe de gravata". Sem gravar desde 1996, em 2003, comandou um programa semanal de variedades na TV Record. Em seguida passou a apresentar com grande sucesso na TV Gazeta de São Paulo o programa "Todo seu". Em 2007, três de seus discos foram relançados em CDs remasterizados, contendo encartes com comentários seus a respeito daqueles trabalhos. Foram relaçados os discos "Ronnie Von", de 1966, sobre o qual fez cometários como: "Meu bem": Foi ela que começou tudo. É a única que salvo no disco. "You've to hide your love away": Pela importância histórica. Foi a primeira música que gravei na vida. Aliás, ela era o lado A do compacto que trazia "Meu bem" no lado B. Já sobre o disco "Ronnie Von", de 1969, comentou, entre outras coisas:  "Espelhos quebrados": O arranjo é maravilhoso, baseado em "Eleanor Rigby". E gosto muito dos vidros quebrados no início. "Meu povo cantar": Diz tudo, explica aquele momento: "Eu não sei de onde venho e nem para onde vou/Ninguém me escuta e eu não sei quem sou". Finalmente, foi relançado também em CD o LP "A máquina voadora", de 1970, sobre o qual o cantor afirmou: "Seu olhar no meu": As pessoas devolviam o disco achando que estava com defeito, pelos tremolos exagerados que uso ali. E sobre "Viva o chop duplo": "Estava bebendo, e um cara foi atropelado na minha frente. A letra fala disso, que a vida acaba na avenida. Mas celebro: "Viva o chop duplo". Esses discos foram relançados devido ao sucesso alcançado pelo LP lançado em 1969, com arranjos do maestro Damiano Cozzela, que influenciou Rogério Duprat, unindo martelada em piano, diálogo telefônico, letras surrealistas e vidros quebrados, além de arranjos com metais e cordas que, embora fosse fracasso de vendas na época em que foi lançado, tornou-se cult com o tempo e ganhou edições piratas na Europa e nos Estados Unidos, sendo vendido inclusive por pequenas fortunas. Em 1994, lançou o livro "Mãe de gravata", que virou programa de televisão, voltado para o público feminino, apresentado por ele próprio entre 1999 e 2000, na TV Gazeta. Nos anos 2000, atraiu a atenção de novas bandas e algumas de suas músicas foram gravadas novamente como "Silvia: 20 horas, domingo", pelo grupo gaúcho Video Hits, e o tributo "Tudo de novo", com bandas jovens cujas gravações foram disponibilizadas via internet. A partir de 2004, passou a apresentar o programa noturno diário "Todo seu", na TV Gazeta. Até 2013, negando ter feito parte da Jovem Guarda, apresentou cerca de 13 programas de televisão diferentes. Segundo o pesquisador e escritor Marcelo Fróes, "Ronnie é uma figura singular na música brasileira, absolutamente genial." Em 2014, foi lançado o livro "O Príncipe que podia ser Rei", uma biografia sua escrita por Antonio Guerreiro e Luiz Cesar Pimentel, publicada pela Editora Planeta. Continuou apresentando na TV Gazeta o programa "Todo Seu", no ar desde 2004.

Mais visitados
da semana

1 Hermeto Pascoal
2 Noel Rosa
3 Festival da Música Popular Brasileira (TV Record)
4 Festivais de Música Popular
5 Lundu
6 Caetano Veloso
7 Música Sertaneja
8 Sílvio Caldas
9 Chico Buarque
10 Tom Jobim