Busca:

Rashid

Michael Dias Costa
21/3/1988 São Paulo, SP

Dados Artísticos

Aos doze anos de idade já escrevia suas primeiras letras. Ainda adolescente integrou dois grupos de rap ao lado de amigos e aos 16 já participava das batalhas de frestyle, como a Rinha de MC’s e Batalha da Santa Cruz, em São Paulo. Em 2008 fez sua primeira gravação profissional em uma faixa do disco “Non Ducor Duco”, do rapper Kamau. Em 2009 foi convidado para integrar e Liga dos MC’s. Nesse mesmo ano participou do documentário “Freestyle: um estilo de vida”, a convite de Pedro Gomes, diretor do filme. No ano de 2010 lançou a Mixtape “Hora de acordar”, com participações de Rael, Projota e Marechal.  Passou a se apresentar ao lado do DJ Mr. Brown. Gravou uma vinheta para o Novo Basquete Brasil (NBB), exibida pelo canal SporTV. Criou a marca “Foco na Missão”, com produtos que vão de CDs a camisetas e bonés com frases que englobam o universo do rap e do hip hop. Em 2011 lançou a Mixtape “Dádiva & Dívida”, com 15 faixas e participações de Terra Preta, Kamau, Projota, Massao e Phill. Nesse mesmo ano lançou o clipe “Vou ser mais”, com participação de Projota, e letra de Emicida. Em 2012 lançou a Mixtape “Que assim seja”, com 20 faixas e participações de Flora Matos, Ogi, Projota, DJ Caique e Terceira Safra. O show de lançamento do disco foi apresentado no SESC Pompeia, em São Paulo. Nesse mesmo ano lançou o documentário “Assim se fez”, com bastidores de entrevistas e do show no SESC Pompeia. Foi uma das atrações do festival “Pepsi on Stage”, em Porto Alegre (RS). Viajou pelo país com o projeto “Os Três Temores”, ao lado dos rappers Emicida e Projota. Ainda em 2012 lançou os clipes “Quero ver segurar” e  “R.A.P.”. Teve duas indicações ao Video Music Brasil (VMB) da MTV, como “Artista Revelação” e “Hit do Ano”, com a música “Quero ver segurar”. Em 2013 lançou a Mixtape “Confundindo sábios”, com participações de Emicida, Tássia Reis, Daniel Cohen e Di Melo, ficando por uma semana no topo dos discos mais ouvidos no site do iTunes. Nesse mesmo ano participou do projeto “Hip Hop com Erudito dá Samba”, ao lado de Lurdez da Luz, com a Orquestra Filarmônica Metropolitana, realizado no SESc Pompeia, em São Paulo. Lançou os clipes “Bate o gol” e “Virando a mesa”. Ainda em 2013 foi eleito como “Melhor Artista”, na categoria “Música” do “Prêmio Jovem Brasileiro”. Em 2014 lançou o EP “R&K – Seis Sons”, em parceria com o rapper Kamau, com seis faixas feitas em parceria pela dupla. Nesse mesmo ano lançou o clipe “Patrão”, gravado na exposição “2001: uma Odisséia no Espaço”, de Stanley Kubrick, no Museu da Imagem e do Som de São Paulo. Apresentou-se no festival “SXSW”, em Austin (Estados Unidos), nos anos de 2014 e 2015. Em 2016 lançou seu primeiro CD solo intitulado “A coragem da luz”, com participações de Criolo, Xênia França, Godò, Srta Paola, Izzy Gordon, Alexandre Carlo, Max de Castro e Mano Brown. Em 2018 publicou, pela editora independente Foco na Missão, seu primeiro livro “Ideias que rimam mais que palavras vol. 1”, em que narrou as histórias por trás de suas letras, como da música “Quando eu morrer” (Rashid e Apolo), lançada em 2008.

Mais visitados
da semana

1 Lupicínio Rodrigues
2 Hermeto Pascoal
3 Caetano Veloso
4 Joaquim Calado
5 Noel Rosa
6 Elton Medeiros
7 Festivais de Música Popular
8 Tom Jobim
9 Música Sertaneja
10 Luiz Gonzaga