Busca:

Quarteto Continental



Dados Artísticos

Quarteto instrumental criado em 1949 por Radamés Gnattali com ele próprio ao piano, José Menezes na guitarra elétrica, Luciano Perrone na bateria, e Pedro Vidal no contrabaixo. O Quarteto é considerado pelos estudiosos como um marco na música popular brasileira por ser um dos primeiros grupos instrumentais de pequena formação que passou a tocar música popular com arranjos previamente estabelecidos, o que era comum apenas para orquestras e bandas, com os grupos pequenos atuando de formas mais livre com ênfase no improviso dos instrumentistas. Para o Quarteto Continental Radamés Gnattali fez arranjos inovadores e sofisticados para a época. Em junho de 1949, o quarteto gravou, com arranjos de Radamés Gnattali, o choro "Tico-tico no fubá", de Zequinha de Abreu, e o samba-canção "Fim de tarde", de Radamés Gnattali. Em seguida, foram gravados o samba-canção "Sempre esperei por você", de Bororó, e o choro "Remexendo", de Radamés Gnattali. No mesmo ano, o Quarteto acompanhou o grupo Os Cariocas na gravação dos sambas "Sinceridade", de Luiz Bittencourt e Roberto Faissal, e "Cadê a Jane", de Wilson Batista e Erasmo Silva, e Lúcio Alves nos sambas "Saudade peste", de José Maria de Abreu e Alberto Ribeiro, e "Se eu não disser", de Luiz Bittencourt e Renê Bittencourt. Ainda no mesmo ano, acompanhou o instrumentista Edu da Gaita na gravação das canções "Torna a Sorriento", de De Curtiss, e "O sole mio", de Di Capua, e Nuno Roland, no beguine "Bailarina", de Sigman, Russell e Osvaldo Santiago, e no samba-canção "Mais uma ilusão", de Luiz Bittencourt e José Menezes. Em 1950, o quarteto acompanhou a cantora Aracy de Almeida na regravação de dois clássicos sambas de Noel Rosa, "Palpite infeliz", e "Conversa de botequim", este último, de Noel e Vadico, que marcaram o início da redescoberta do "Poeta da Vila". Em 1951, acompanhou o cantor Newton Teixeira na gravação dos sambas "Inveja", de Newton Teixeira e David Nasser, e "Naquela tarde", de Newton Teixeira. Nesse mesmo ano, o quarteto eventualmente tornou-se quinteto, com a inclusão de Chiquinho do Acordeom. Com essa formação, ainda em 1951, acompanhou Aracy de Almeida na gravação do samba "Não direi a ninguém", de Polera e David Nasser, e "Basta dizer que sim", de Fernando Lobo e Paulo Soledade. Em 1954, também com a formação de quinteto, acompanhou Bill Farr na gravação do fox-trot "Oh!", de B. Gray, A. Johnson e Haroldo Barbosa, que seria um grande sucesso de execução e vendagem, Carmélia Alves e Trio melodia na gravação dos baiões "Baião de Ana", de V. Roman, F. Giordano e Caribé da Rocha, outro sucesso que subiu às paradas das mais executadas, e "Baião da garoa", de Hervê Cordovil e Luiz Gonzaga, e o Trio Madrigal no fox-trot "Chame Sr. Gallaghan", de E. Spean, Maria do Céu Lopes de Souza e Lourival Faissal. O quarteto acabou por ensejar a formação do Sexteto Radamés Gnattali.

Mais visitados
da semana

1 Geraldo Pereira
2 Dorival Caymmi
3 Noel Rosa
4 Caetano Veloso
5 Hermeto Pascoal
6 Tom Jobim
7 Jorge Goulart
8 Francisco Mignone
9 Pixinguinha
10 Roberto Luna