Busca:

Polca



Dados Artísticos

Dança de salão em compasso binário, geralmente em tom maior e andamento alegreto, originária da Boêmia (parte do império austro-húngaro, depois Thecoslováquia e atualmente República Theca). Chegou a Paris em meados dos anos de 30 do século XIX, difundindo-se daí para todo o mundo ocidental e tornando-se nele a principal dança de salão. Chegou ao Brasil na noite de 3 de julho de 1845, quando foi mostrada pela primeira vez no teatro São Pedro, (atual João Caetano), no Rio de Janeiro, pelos casais Felipe e Carolina Catton e de Vecchi e Farina. Foi tão grande o sucesso que, três dias depois, o casal Catton abriu um curso de polca. Três meses após, o jornal humorístico "Charivari" dizia que "se dançava à polca, andava-se à polca, trajava-se à polca, enfim tudo se fazia à polca". Em 1846, criou-se a Sociedade Constante Polca, que anunciava bailes carnavalescos com a quadrinha:

Chegai, senhores, chegai!/Vinde o adeus receber/Da polca que será nossa/Mesmo depois de morrer !!! Literatos, compositores e chorões concordavam em elogiar a nova dança. Machado de Assis, numa crônica, disse: "A polca é eterna, enquanto não houver mais nada, nem sol, e tudo tornar às trevas, os últimos dois ecos da catástrofe derradeira usarão ainda, no fundo do infinito, esta polca, oferecida ao criador: Derruba, meu Deus. Derruba." Pixinguinha, por sua vez, falando ao Museu da Imagem e do Som, confirmou: "Quando eu fiz o Carinhoso (por volta de 1916 ou 1917), era uma polca. Polca lenta. Naquele tempo, tudo era polca, qualquer que fosse o andamento." O velho chorão Alexandre Gonçalves Pinto, no livro "O Choro", de 1935, juntou sua voz popular ao coro: "A polca é como o samba - uma tradição brasileira. A polca é a única dança que encerra nossos costumes, a única que tem brasilidade." Esses elogios encontravam razão de ser na fusão dos elementos da polca com os afro-brasileiros do lundu, e na aceitação da rítmica daí resultante pelos conjuntos populares de flauta, cavaquinho e violão, gerando gêneros como o tango (brasileiro), o maxixe e, posteriormente, o próprio choro. Essa aceitação chegou a atingir o meio rural, criando um tipo de polca sertaneja, cujo caráter melódico e rítmico se afasta do original estrangeiro, e um outro tipo denominado puladinho. (Arthur de Oliveira)

Mais visitados
da semana

1 Chico Buarque
2 João Gilberto
3 Geraldo Pereira
4 Tom Jobim
5 Pixinguinha
6 Caetano Veloso
7 Música Sertaneja
8 Chitãozinho e Xororó
9 Noel Rosa
10 Jackson do Pandeiro