Busca:

Patápio Silva

Patápio Silva
22/10/1880 Itaocara, RJ
24/4/1907 Florianópolis, SC

Dados Artísticos

No Rio de Janeiro, procurou o flautista Duque Estrada Meyer, então professor do Instituto Nacional de Música.  Sua desenvoltura e talento impressionaram o professor, que, considerando  o músico de  20 anos como um "brilhante em bruto",  tomou para si a responsabilidade de  lapidá-lo. O mestre o preparou para o exame de admissão no Instituto Nacional de Música, no qual se matriculou já no terceiro ano.   Nessa época, "por preços irrisoriamente pagos", segundo seu irmão Cícero, gravou diversos discos  para a Casa Edison.  Músico estudioso e obstinado, o flautista concluiu em dois anos o curso do INM, previsto para  ser realizado   em seis anos.  No exame final, realizado em 1902,  superou todos os seus colegas, tendo sido aprovado com distinção. Concorreu ainda ao concurso especial, cujo prêmio era uma flauta de prata, do qual saiu também vitorioso. Com uma   excelente leitura à primeira vista era disputado pelas melhores orquestras do Rio de Janeiro,   trabalho que  raramente aceitava,  mesmo  atravessando dificuldades financeiras, devido a seu ideal de tornar-se um concertista.  Entre 1904 e 1906,  foi contratado por Fred Figner, gravando  para a casa Edison. Em 1904, em seu primeiro disco, gravou acompanhado de Serpa no violão a peça "Zamacueca", de José White. Em seguida, gravou em solo de flauta a peça  clássica "Noturno nº1", de Chopin. No mesmo período, gravou as primeiras composições de sua autoria: "Variações de flauta", a valsa "Primeiro amor", um de seus maiores sucessos e verdadeiro clássico do repertório flautístico e a mazurca "Margarida". Gravou também a polca "Só para moer", de Viriato e outra peça clássica, a "Serenata", de Franz Schubert. Em 1905, gravou a "Serenata", de Gaetano Braga e a romança "Serenata de amor", de sua autoria. Em 1906, gravou a valsa "Amor perdido"  e a polca "Zinha", de sua autoria.  Conhecido por seu virtuosismo, foi convidado a  se apresentar no Palácio do Catete para o então Presidente  Afonso Pena. Com o desejo de viajar para a Europa a fim de aperfeiçoar seus estudos,  empreendeu  uma turnê por estados brasileiros, a fim de reunir recursos para sua futura viagem. Apresenta-se  em Minas Gerais, São Paulo, Rio de  Janeiro e Paraná, obtendo grande sucesso e recebendo críticas elogiosas dos  principais jornais. No interior de São Paulo, apresentou-se acompanhado ao piano pelo futuro compositor Marcelo Tupinambá, ná época  um  adolescente de 15-16 anos de idade. Em Florianópolis, após apresentar-se brilhantemente em um concerto, contraiu difteria, vindo a falecer cinco dias  depois.  Seu funeral foi promovido pelo Governo de Santa Catarina.   O flautista deixou algumas composições,  principalmente para flauta e piano, muitas das quais gravadas posteriormente. Em 1928, teve a "Fantasia de concerto" , números 1 e 2 gravadas ao saxofone por Ladário Teixeira na Parlophon. Comemorando o cinqüentenário de sua morte,  o flautista Altamiro Carrilho gravou na Copacabana o LP "Revivendo Patápio". Em 1967, homenageado pelo maestro e pianista Alceu Bocchino e pela flautista Lenir Siqueira com o LP "Lembrando Patápio - Lenir Siqueira (flauta) e Alceu Bocchino (piano)" com a interpretação das músicas "Sonho", "Serenta d'amore", "Idílio", "Margarida", "Evocação", "Amor perdido", "Zinha", "Oriental" e "Primeiro amor" todas de sua autoria.  Segundo os pesquisadores Jairo Severiano e Zuza Homem de Melo, o flautista foi tão popular em sua época que seu discos permaneceram em catálogo por vinte anos. Em 2004, foi lançado pelo flautista Sebastião Viana o CD "Patápio Silva - Sebastião Viana", da série "Mestres Brasileiros - Vol 5 - Patápio Silva", no qual  Hely Drummond tocou Piano e Marcus Viana tocou Violino em participação especial. Fizeram parte deste CD as seguintes composições: a polca "Zinha", o romance fantasia "Sonho", o romance elegíaco "Evocação", a mazurka "Margarida", a romanza "Serenata D’amore", e as valsas "Amor Perdido", "Oriental", "Joanita", "Idyllio", "Volúvel", e a clássica valsa "Primeiro Amor". Em 2011, foi lançado pelo selo Discobertas em convênio com o ICCA - Instituto Cultural Cravo Albin a caixa "100 anos de música popular brasileira" com a reedição em 4 CDs duplos dos oito LPs lançados com as gravações dos programas realizados pelo radialista e produtor Ricardo Cravo Albin na Rádio MEC em 1974 e 1975. No volume 1 desses CDs está incluída sua valsa "Primeiro amor" na interpretação de Altamiro Carrilho e seu conjunto. Em 2012, foi lançado, no Instituto Cultural Cravo Albin, o documentário "O flautista Patápio Silva", do professor da UFRJ Alexandre Palma. Segundo o Jornal Musical, "No documentário, a trajetória brilhante do flautista é contada por meio de depoimentos que vão entrelaçando dados históricos e os cenários em que ele viveu - do interior do estado à capital do Rio de Janeiro - com o seu virtuosismo musical. A narrativa poética privilegia o encantamento que a arte provoca, informando o espectador, mas sem pretensões didáticas". No documentário estão presentes depoimentos do musicólogo Ricardo Cravo Albin, do historiador Milton Teixeira, e dos músicos Altamiro Carrilho, que se considera discípulo do flautista, e Antonio Waghabi, o Magro, do MPB 4, também natural de Itaocara e que começou sua carreira na Sociedade Musical Patápio Silva.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Hermeto Pascoal
3 Dorival Caymmi
4 Tom Jobim
5 Jackson do Pandeiro
6 Nelson Cavaquinho
7 Roberto Carlos
8 Cartola
9 Luiz Gonzaga
10 Nelson Gonçalves