Busca:

Orlando Silva

Orlando Garcia da Silva
3/10/1915 Rio de Janeiro, RJ
7/8/1978 Rio de Janeiro, RJ

Biografia

Cantor.

Filho de Balbina Garcia e José Celestino da Silva, nasceu na estação do Engenho de Dentro, subúrbio carioca. O pai era violonista e, segundo depoimento do cantor ao MIS, participou de uma das formações do conjunto de Pixinguinha, os Oito Batutas, não viajando para o exterior com o conjunto, porque na época já era pai de três filhos. José Celestino faleceu quando o cantor tinha apenas 3 anos de idade. Teve cinco irmãos, mas foi ele o único com vocação musical. Em todas as apresentações de escola, era convocado para cantar, o que fazia escondido por sua grande timidez. Ao voltar do colégio, subia em um pé de amora e passava horas cantando, atendendo a pedidos dos vizinhos. Certa vez em um dos domingos de outubro na Festa da Penha, ainda de calças curtas, começou a cantar e o lugar passou a ser procurado "por ser aquele onde se apresentava aquele menino".

Foi entregador de marmitas, operário em uma fábrica de cerâmicas, aprendiz de cortador na fábrica de calçado Bordalo, situada na esquina da Rua Buenos Aires, entregador de encomendas da Casa Reunier. Quando estava nessa função, sofreu um acidente ao tentar tomar um bonde em movimento, que lhe causou a perda dos quatro primeiros dedos dos pés e transtornos para o resto da vida. Acredita-se que surgiu nessa época seu envolvimento com a morfina, droga utilizada para acalmar a intensa dor causada pela amputação dos dedos.

Após seu restabelecimento, foi trocador de ônibus, uma das poucas funções que podia desempenhar sentado. Por sugestão do motorista do ônibus, o português Conceição, se apresentou em um circo que estava em frente à empresa. O filho do dono da empresa, José Correia Lopes (Zezé), impressionado com a voz do cantor tirou-o do ônibus, passando-o para os serviços de escritório.

Seu irmão, Edmundo, grande incentivador de sua carreira, fez com que ele fosse à Radio Cajuti. Na Cajuti, ensaiou com o violonista Brito, preparando números para apresentar à Bevilacqua, o diretor da rádio. Depois de três, quatro tentativas de encontrar o diretor, numa das vezes foi ouvido pelo compositor Bororó, que o levou ao Café Nice para apresentá-lo a Francisco Alves.

Foram até o carro de Chico Alves, e começou a cantar um samba de Ary Barroso. Em seguida cantou a valsa "Mimi". Entusiasmado, Chico marcou um teste na Rádio Guanabara, para ouvi-lo ao microfone. O sucesso foi enorme, e Francisco Alves o convidou a estrear em seu programa. Em 1940, já no auge da fama, iniciou uma grande história de amor com a atriz Zezé Fonseca, relacionamento turbulento que perdurou até aproximadamente 1943. Acredita-se que por essa época o cantor tenha voltado a utilizar a morfina, comprometendo assim sua bela voz e carreira artística. Em 1947, uniu-se a Maria de Lourdes, com quem viveu harmoniosamente até seus últimos dias. Maria de Lourdes faleceu em 1993.

Mais visitados
da semana

1 Hermeto Pascoal
2 Caetano Veloso
3 Elton Medeiros
4 Joaquim Calado
5 Festivais de Música Popular
6 Noel Rosa
7 Tom Jobim
8 Música Sertaneja
9 Dorival Caymmi
10 Irmãs Galvão