Busca:

Martinho da Vila

Martinho José Ferreira
12/2/1938 Duas Barras, RJ

Biografia

Cantor. Compositor. Escritor. Nasceu num sábado de carnaval. Os pais, Josué Ferreira e Teresa de Jesus Ferreira, trabalharam como meeiros em diferentes fazendas e cidades no Estado do Rio de Janeiro. Com quatro anos, mudou-se com a família para o subúrbio do Rio de Janeiro e sonhava em ser jogador de futebol. Cursou o primário na Escola Rio Grande do Sul, no Engenho de Dentro. Foi criado em Lins de Vasconcelos, na Serra dos Pretos Forros, perto da Escola de Samba Aprendizes da Boca do Mato. Segundo o próprio Martinho, antes da fundação da Aprendizes da Boca do Mato, havia um bloco carnavalesco, "Bloco do Abelardo", fundado por um funcionário da Light de apelido Abelardo Fumo, que virou "Bloco da Burrinha", e, mais tarde, Bloco Acadêmicos da Boca do Mato, do qual presenciou a sua fundação aos 13 anos de idade. A partir deste bloco, foi fundada, por Seu Aristides, a Escola Aprendizes da Boca do Mato, da qual participou da Ala dos Grã-Finos, chegando à presidência desta. Mais tarde, ao 16 anos, incentivado pelo também compositor Tolito da Mangueira, passou a compor para a escola e ingressou na Ala dos Compositores, chegando à presidência desta ala e ainda Diretor de Harmonia. As cores da escola e o nome "Aprendizes da Boca do Mato" foram inspirados na escola "Aprendizes de Lucas". Na Aprendizes da Boca do Mato, sua primeira escola, participava na bateria tocando "frigideira". Mais tarde, com a proibição da "frigideira" nos desfiles, passou a tocar tarol e outros instrumentos típicos da bateria. Desfilou na Aprendizes até 1965. Teve como primeira profissão Laboratorista Industrial (preparador de óleos e graxas), com curso pelo SENAI. Em 20 de junho de 1956, ingressou no exército, onde foi sargento-escrevente, datilógrafo e contador no Ministério da Guerra. Serviu ainda no Laboratório Químico e Farmacêutico e na Diretoria Geral de Engenharia e Comunicação. Deu baixa em 1969, atuando por 13 anos e dedicou-se exclusivamente à carreira de cantor e compositor. Da união com a também cantora Anália Mendonça teve três filhos, sendo um deles, a cantora e compositora Mart'nália. No final da década de 1960, conheceu Lícia Maria Caniné (a Ruça), sua segunda mulher, com quem teve três filhos. Com a porta-bandeira Rita Freitas teve uma filha. No início dos anos 90, casou-se com Clediomar Corrêa Liscano Ferreira, a Cléo, com quem tem dois filhos. Seu pai era conhecido como "Josué das Letras" ou ainda "Professor". Dele sofreu influência e tomou gosto pelas letras. Por conta dessa aproximação com a escrita, lançou em 1986 o livro "Vamos brincar de política?", pela Editora Globo, com ilustrações da amiga Jacyra Silva, dedicado ao público infanto-juvenil. Em 1992 publicou "Kizombas, andanças e festanças", no qual contou experiências profissionais e pessoais. O livro foi lançado pela Editora Léo Cristiano Editorial. Em 1998 a editora Records relançou "Kizombas, andanças e festanças". No ano seguinte, pela ZFM Editora publicou "Joana e Joanes - Um romance fluminense", também publicado em Portugal pela Editora Eurobrape neste mesmo ano. Em 2000, estreando na ficção, lançou o livro "Joana e Joanes - um romance fluminense", pela editora ZFM. No ano seguinte publicou "Ópera Negra", seu quarto livro, pela Editora Global. Em 2002 lançou pela editora portuguesa Eurobrape o livro de ficção "Memórias Póstumas de Tereza de Jesus". No ano seguinte o livro foi publicado também no Brasil pela Editora Ciência Moderna. Em 2003 foi o principal articulador da construção da nova sede da Escola de Samba Vila Isabel, com projeto de Oscar Niemeyer. No ano de 2006 lançou "Os Lusófonos" pela Editora Ciência Moderna. No ano seguinte lançou o livro infantil "Vermelho 17" pela ZFM Editora. Em 2008 publicou pela Lazuli Editora o livro "A Rosa Vermelha e o Cravo Branco". Em 2009 lançou o livro de ficção "A Serra do Rola Moça" (ZFM Editora) - nome de uma localidade em Minas Gerais e também, nome de um poema de Mário de Andrade musicado pelo compositor. Ainda em 2009 foi exibido, no "Festival 19º Cine Ceará", o documentário "O Pequeno Burguês- Filosofia de Vida", dirigido por Edu Mansur. Neste mesmo ano, pela Lazuli Editora, lançou "A Rainha da Bateria". A Irmãos Vitale Editores lançou "O Melhor de Martinho da Vila", compilação de partituras com algumas de suas composições mais conhecidas e com comentários do crítico e jornalista Roberto Moura.  No município de Duas Barras criou o Instituto Cultural Martinho da Vila, que atende à crianças do município e adjacências com aulas de música e outras atividades de formação profissional. Em 2010 candidatou-se a uma vaga na Academia Brasileira de Letras, não sendo eleito. No ano posterior, em 2011 a cidade de Duas Barras lhe prestou homenagem com uma estátua em tamanho natural. Neste mesmo ano proferiu palestra sobre Noel Rosa na Academia Carioca de Letras. Neste mesmo ano foi lançado, na Livraria do Museu da República, no Rio de Janeiro, o livro "Martinho da Vila - Tradição e Renovação", dos escritores João Batista de M. Vargens e André Conforte, com prefácio de Sérgio Cabral, pela Editora Almádena. No ano de 2014 foi eleito para a Academia Carioca de Letras na vaga de Fernando Segismundo, ex-presidente da ABI. Na votação, obteve 28 votos dos 38 acadêmicos integrantes. Em dezembro deste mesmo ano foi ano foi empossado na Cadeira nº 6, que tem como patrono Evaristo da Veiga, em solenidade presidida por Ricardo Cravo Albin na Sala Pedro Calmon, do Instuto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), no bairro da Glória, no Rio de Janeiro.

Mais visitados
da semana

1 Jerry Adriani
2 Pedro Bento e Zé da Estrada
3 Noel Rosa
4 Hermeto Pascoal
5 Festivais de Música Popular
6 Adriana
7 Pixinguinha
8 Tom Jobim
9 Caetano Veloso
10 Leo Canhoto e Robertinho