Busca:

Manoel de Barros

Manoel Venceslau Leite de Barros
19/12/1916 Cuiabá, MT
13/11/2014 Campo Grande, MS

Dados Artísticos

No ano de 1993 Egberto Gismonti lançou o CD "Música de sobrevivência", disco inspirado em textos da coletânea "Gramática expositiva do chão - Poesia quase toda", lançada em 1990 pela Editora Civilização Brasileira. No trabalho foram incluídos vários poemas do livro. Dois anos depois, em 1995, Tetê Espíndola musicou o "Poema da lesma" e incluiu a composição em seu disco, lançado pela gravadora Jho Music. No ano seguinte, em 1996, Cátia de França, no CD "Avatar", interpretou "Antoninha me leva", "Apuleio" e "Rogaciano", poemas musicados por ela. No ano de 2001, Luiz Melodia musicou o poema "Retrato do artista quando coisa", que deu título ao seu novo disco. Ainda neste ano, de 2001, gravou seu primeiro disco de poesias "Manoel de Barros por Pedro Paulo Rangel e Manoel de Barros" lançado pela "Coleção Poesia Falada". O CD foi lançado pelo selo Luz da Cidade, com trilha sonora original de Renato Piau. No ano posterior, em 2002, estreou a peça "Inutilezas", com texto de Bianca Ramoneda baseado em poemas de vários livros de Manoel de Barros. O espetáculo, dirigido por Moacir Chaves e com trilha sonora original de Pedro Luís, foi estrelado pelos atores Gabriel Braga Nunes e Bianca Ramoneda. No ano de 2005, ao lado de Luiz Melodia, Renato Piau, Tim Maia, Armandinho, Rubens Cardoso, Perinho Santana e Fabio Rolon, entre outros, participou da coletânea "Balaio atemporal", na qual foi incluída a sua declamação do poema "Catre-velho" na faixa "Reciclando o verbo", de Renato Piau. Três anos depois, em 2008, com direção de Cláudio Savaget, teve sua vida e obra retratada no documentário "Paixão pela palavra", com trilha sonora original composta pelo guitarrista Renato Piau e levado ao ar em capítulos no Canal Futura. Neste mesmo ano, de 2008, foi lançando o documentário "Só dez por cento é mentira", dirigido por Pedro Cézar, no qual ao ser indagado sobre como gostaria de ser lembrado, Manoel riu, coçou o peito, disse que a pergunta é cruel; jamais sério, falou que o único jeito é pela poesia.   "A gente nasce, cresce, amadurece, envelhece, morre. Pra não morrer, tem que amarrar o tempo no poste. Eis a ciência da poesia: amarrar o tempo no poste."   No ano de 2012 estreou no Centro Cultural Eletrobrás, em Botafogo, no Rio de Janeiro, a peça "Passarinho à toa", reunindo parte de sua obra poética publicada. Neste mesmo ano, no CD "Sede", a cantora Cláudia Amorim regravou "Amareluz", parceria com o guitarrista Renato Piau, que também participou da faixa tocando violão e cantando em dueto com a intérprete. Em 2014 o Canal Curta lhe prestou homenagem exibindo o documentário "Só Dez por Cento é Mentira - A desbiografia de Manoel de Barros". Neste mesmo ano a TV Escola também reprisou o curta-metragem "As árvores de Manoel", baseado em um de seus poemas. No ano de 2017 Tetê Espíndola musicou o poema "Boca" e o incluiu em seu disco "Outro lugar", lançado neste mesmo ano. No ano seguinte, em 2018, os músicos, poetas e atores Pedro Luís, Bianca Ramoneda, Jaqueline Roversi, Dandara Vital e Magenta Dawning apresentaram um musical baseado em seus poemas, com direção de Moacir Chaves, no projeto "Mar Em Cena", na Sala de Encontro, no Museu de Arte do Rio (MAR).

Mais visitados
da semana

1 Creone e Barrerito
2 Trio Parada Dura
3 Tiee
4 Noel Rosa
5 Caetano Veloso
6 Cacaso
7 Bruno e Marrone
8 Paulinho da Viola
9 Samara
10 Zé Paulo