Busca:

Luiz Cláudio

Luiz Cláudio de Castro
22/3/1935 Curvelo, MG
28/8/2013 Guaratinguetá, SP

Dados Artísticos

Iniciou sua carreira profissional em 1949, como integrante do trio Trovadores do Luar atuando na Rádio Inconfidência de Belo Horizonte (MG). Em seguida, foi contratado para cantar músicas norte-americanas nessa mesma emissora.

Em 1952, lançou seu primeiro disco pela Sinter com o samba canção "Fim de semana", de Rômulo Paes e Nilo Ramos e o fox "Primavera em setembro", de K. Weill, com versão de Andre Rosito. No ano seguinte, lançou a primeira composição de sua autoria, a toada "A rua onde ela mora", parceria com o irmão Antônio Maurício.

Em 1955, passou a gravar na Columbia onde estreou cantando as canções "Sinos de Belém", de Evaldo Rui e "Blim, blem, blam", de sua autoria e Nazareno de Brito, obtendo grande sucesso e com a qual foi premiado com o Disco de Ouro do Jornal "O Globo" (RJ) na categoria "revelação masculina", sucesso no Natal daquele ano. Nesse mesmo ano, foi contratado através de Cyro Monteiro pela Rádio Mayrink Veiga. No ano seguinte, gravou a marcha "Sai de baixo", de Assis Valente e Álvaro da Silva, o samba canção "Joga a rede no mar", de Fernando César e Nazareno de Brito, que foi um grande sucesso e o beguine "Era uma vez", de José Maria de Abreu e Jair Amorim.

Em 1957, fez sucesso com a valsa "Quero-te assim", de Tito Madi e com "Anda, jerico", de Osvaldo Santiago e Alcyr Pires Vermelho. Gravou também no mesmo ano a valsa "Santa mãezinha", de sua autoria e Moura Gomide e o fox "Bem juntinhos", de Bruno Marnet e Othon Russo. Em 1958, lançou, de sua parceria com Fernando César a valsa "Amar em segredo". No ano seguinte, gravou o samba "Este teu olhar", de Antônio Carlos Jobim.

Em 1960 foi contratato pela RCA Victor estreando com os sambas "Só Deus", de Evaldo Gouveia e Jair Amorim, um de seus grandes sucessos e "Carinho e amor", de Tito Madi. No mesmo ano, fez sucesso com o samba "Menina feia", de Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini. Em 1961, gravou o fox "Canção do êxodo", de Ernest Gold, com versão de Almeida Rego e a guarânia "Meu maior amor", de Arsênio de Carvalho e Lourival Faissal. No mesmo ano, gravou com a cantora de forró Marinês o xote "Maria Chiquinha", de Guilherme Figueiredo e Geisa Bôscoli e fez sucesso com "Rancho das flores", com versos de Vinicius de Moraes para música de J. Sebastian Bach. Em 1962 gravou de sua autoria o samba "Deixa a nega gingar" e de Getúlio Macedo o rasqueado "Amor desfeito". Em 1968, interpretou a canção "Amada, canta", de Luiz Bonfá e Maria Helena Toledo no III Festival Internacional da Canção (TV Globo). Incluiu a canção em LP lançado nesse ano, juntamente com uma exposição de seus desenhos e aquarelas.

Em 1973, viajou para a Europa participando de apresentações com a orquestra Organization Radio-Télévision Française. Ainda nesse ano, gravou o LP "Caatingas", lançado pela Odeon no qual interpretou "Estrada branca", de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, "Correnteza", de Tom Jobim e Luiz Bonfá e "Cantigas" e "Flor do céu", do folclore brasileiro. Em 1975, lançou o LP "Reportagem" no qual interpretou, entre outras, "Esperança perdida", de Billy Blanco e Tom Jobim, "Lua cheia", de Chico Buarque e Toquinho, "Poema azul", de Sérgio Ricardo e "Onde eu nasci passa um rio", de Caetano Veloso.

Em 1979 gravou pela EMI-Odeon o LP "Viola de bolso", com destaque para a música título com melodia de sua autoria para versos de Carlos Drummond de Andrade, "Cai sereno", de Elpídeo dos Santos e "Maninha", de Chico Buarque.

Em 1980, visitou 15 universidades norte-americanas em programa de divulgação da música popular brasileira convidado pelo Brazilian American Cultural Institute. Três anos depois, lançou "Minas sempre viva!", álbum duplo com músicas do folclore mineiro acompanhado de um livro de arte com apresentação do escritor Carlos Drumond de Andrade. Entre seus parceiros, destacam-se Nazareno de Brito, Fernando César e William Prado. Suas músicas foram gravadas por Elizeth Cardoso, Tito Madi, Nara Leão, Marisa Gata Mansa e Dick Farney, entre outros artistas. Em 2005, foi lançado pelo selo Revivendo o CD "Luiz Cláudio - Este seu olhar" com 18 obras gravadas por ele. Além da música título, de autoria de Antonio Carlos Jobim, estão presentes as músicas "O galo cantou na serra", de sua autoria sobre versos de Guimarães Rosa, "Folhas soltas", de Portinho e W. Falcão, "Amo-te muito", de João Chaves, "Mucama", de Gonçalves Crespo, "Toada brasileira", de Ivor Lancellotti e Paulo Cesar Pinheiro, "Vagalumeando", de Paulo Roberto, "Na boca da noite", de Sergio Bittencourt, "Viola de bolso", de sua autoria sobre versos de Carlos Drummond Andrade, "Rancho das flores", com letra de Vinícius de Moraes sobre tema de Bach, "Quero-te assim", de Tito Madi, "Menina", de Paulinho Nogueira, "Onde eu nasci passa um rio", de Caetano Veloso, "Estrada branca", de Antonio Carlos Jobim e Vinicius de Moraes, "Joga a rede no mar", de Fernando Cesar e Nazareno de Brito, "Você vai gostar", de Elpidio dos Santos, "Lugar tão lindo", de sua autoria, Marcos e Antonio Mauricio, e "Aperto de mão", de Horondino Silva, Jaime Florence e Antonio Adolfo.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Chitãozinho e Xororó
3 Elis Regina
4 Noel Rosa
5 Tom Jobim
6 Isolda
7 Bezerra da Silva
8 As Marcianas
9 Bloco Carnavalesco Concentra Mas Não Sai
10 Luiz Gonzaga