Busca:

Johnny Alf

Alfredo José da Silva
19/5/1929 Rio de Janeiro, RJ
4/3/2010 Santo André, SP

Crítica

É claro que Johnny não só ouvia tudo isso. Ele cantava e reinventava toda a fossa à sua maneira. Uma maneira, digamos para simplificar, muito mais ao estilo Dick Farney do que ao estilo Nelson Gonçalves.

Sérgio Porto, fã declarado de Alf, me disse certa vez que toda a história da bossa nova começou com ele, a quem considerava o avô do movimento. Porque, segundo Sérgio, ele foi o pai dos pais da bossa, já que João Gilberto e Tom Jobim, além de Lyra, Menescal, Sérgio Ricardo e o próprio Vinícius sempre iam ouvir nas boates do Rio o toque e o canto “avançadíssimo” de Johnny.

Exagero ou não – e mesmo considerando, como eu, que a bossa nova nasceu da batida do violão de João Gilberto – Johnny é mesmo o legítimo titular de tantas originalidades. E por todas as razões. A começar pelo extraordinário legado de seus discos antológicos, realizados ao longo desses cinqüenta anos de carreira. Aliás, nem tantos assim como seu talento e criatividade deveriam merecer. E, finalmente, por sua monástica modéstia. Que, num país sempre ingrato com quem vale a pena de verdade, o fez esconder-se da fama que lhe é devida.

Hoje, Johnny Alf trabalha como há meio século. Compõe novas canções a cada dia, acumulando, ao que me disse há pouco, centenas de músicas inéditas. Que, no andar da carruagem pachorrenta deste país, só serão conhecidas pra valer nas próximas décadas.





Ricardo Cravo Albin

Mais visitados
da semana

1 Hermeto Pascoal
2 Noel Rosa
3 Festival da Música Popular Brasileira (TV Record)
4 Festivais de Música Popular
5 Lundu
6 Música Sertaneja
7 Caetano Veloso
8 Sílvio Caldas
9 Tom Jobim
10 Chico Buarque