Busca:

João Pernambuco

João Teixeira Guimarães
2/11/1883 Jatobá, PE
16/10/1947 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Possuidor de grande talento, logo tornou-se  amigo  de figuras importantes da música popular de seu tempo, como Quincas Laranjeiras, Sátiro Bilhar, Mário Álvares,  Patrício Teixeira, Zé Cavaquinho, Veloso, etc. Freqüentava, com assiduidade os bailes carnavalescos da cidade e a Festa da Penha, tradicional encontro de músicos, realizada no Rio de Janeiro durante o mês de outubro. Já  autor de choros, canções, toadas sertanejas, e profundo conhecedor de  gêneros do populário nordestino, cantou para Catulo da Paixão Cearense algumas dessas cantigas, dentre as quais o coco "Engenho de Humaitá", que pouco tempo depois iria se transformar na célebre canção "Luar do sertão" e a toada "A cabocla de Caxangá".  Muito ligado a Catulo, passaram a exibir-se em residências  ilustres do Rio de Janeiro, como as de Afonso Arinos e Rui Barbosa. Por volta de 1912, realizou gravações como solista de violão  para a Phoenix de Gustavo Figner, irmão de Fred Figner (proprietário da casa Edison). Organizou o Grupo do Caxangá, conjunto de inspiração nordestina, tanto no repertório como na indumentária, no qual cada integrante adotava para si um codinome sertanejo. Em sua primeira formação, o grupo reunia João Pernambuco (Guajurema), Caninha (Mané Riachão),  Raul Palmieri,  Jacó Palmieri (Zeca Lima),  Pixinguinha (Chico Dunga),  Henrique Manoel de Souza (Mané Francisco), Manoel da Costa (Zé Porteira), Osmundo Pinto (Inácio da Catingueira), Donga, Bonfíglio de Oliveira, Quincas Laranjeiras, Zé Fragoso, Lulu Cavaquinho, Nelson Alves, José Correia Mesquita, Vidraça e  Borboleta.  No carnaval de 1914, o Grupo do Caxangá percorreu os principais pontos da Avenida Rio Branco, e "Cabocla de Caxangá" tornou-se grande sucesso musical. Neste mesmo ano, Afonso Arinos, por sinal Tio do jurista e Ministro Afonso Arinos de Mello e Franco, Tio-avô do diplomata, escritor e acadêmico Afonso Arinos, filho, que organizava um ciclo de palestras sobre temas do folclore brasileiro a ser  apresentado no Teatro Municipal de São Paulo, convidou-o a participar do evento ao lado de Otávio Lessa (violão), José Alves de Lima (bandolim) e  Luís Pinto da Silva (cavaquinho).  Com o título de "Lendas e tradições brasileiras", a apresentação fez grande sucesso, sendo reprisada posteriormente.   Em 1916, Pernambuco organizou a "Trupe sertaneja", com que se apresentou em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre.  O Grupo do Caxangá continuou se apresentando e brilhando nos carnavais dos anos de 1917, 1918  e 1919. Pouco depois, Pixinguinha formou o conjunto Os Oito Batutas, e quase todo o Grupo do Caxangá  foi requisitado, desfazendo-se. João Pernambuco não participou da primeira formação.  Nessa época, passou a lecionar violão, tal como Quincas Laranjeiras, na Casa Cavaquinho de Ouro. A pedido de Arnaldo Guinle, passou a integrar Os Oito Batutas, que seguiriam em turnê pelo Nordeste,  para que este recolhesse material folclórico para uma  antologia que Guinle pretendia publicar.  Realizaram, então, uma apresentação de despedida para jornalistas do Rio de Janeiro, na sede da A.B.I.  Apresentaram-se, ainda, em São Paulo antes de seguir para o Nordeste. No repertório do grupo constavam cantos, toadas, lundus, choros, de sua autoria, de Pixinguinha, Donga, etc.  Em 1920, constituem-se em uma das atrações da opereta sertaneja  "Flor tapuia", de Alberto Deodato e Danton Vampré, apresentada no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro.  Em 1921, recebem convite de Arnaldo Guinle para uma nova excursão a Salvador, com apresentação no Cine-Teatro Olímpia  e em Recife, no Cine-Teatro Moderno.  De volta ao Rio de Janeiro, os Oito Batutas apresentaram-se no Cine-Teatro América, na revista "O que o rei não viu", musicada por Pixinguinha e China.  O grupo fez ainda várias apresentações e, encerrando a temporada de 1921, exibiu-se  no Teatro Lírico e no Cabaré  Assírio, onde o violonista encerrou sua participação no grupo.  Em 1924, Catulo Cearense incluiu em seu livro "Mata iluminada", as letras de "Luar do sertão" e "Cabocla de Caxangá", sem fazer qualquer referência ao autor das melodias. Alguns historiadores acreditam que  se tratava de temas do folclore musical nordestino, recolhidos por João Pernambuco. O episódio resultou posteriormente numa batalha judicial, que acabou por dar ganho de causa a João Pernambuco, que, passou a ter incluído seu nome ao lado do de Catulo.  Em 1926, fez suas primeiras gravações pela Odeon, registrando os maxixes "Mimoso" e "Lágrimas", de sua autoria e com o cavaquinista Nelson Alves, os choros "Magoado" e "Sons de carrilhão", também de sua autoria. No mesmo ano, o cantor Patrício Teixeira gravou também na Odeon a canção sertaneja "Jandaia" e a ambolada "Seu Coitinho pegue o boi!", de sua autoria, Ainda no mesmo ano, foi o patrono das provas de violão do concurso "O que é nosso" promovido no Rio de Janeiro pelo jornal "Correio da Manhã". Em 1929, teve gravadas por Stefana de Macedo as toadas "Vancê", parceria com E. Tourinho e "Siricóia" e os cocos "Tiá de Junqueira" e "Biro, biro, Iaiá" para as quais fez acompanhamento ao violão. Em 1930, gravou uma série de cinco disco para a Columbia como solista de violão interpretando dez obras de sua autoria, os choros "Pó de mico", "Magoada"; "Reboliço"; "Recordando" e "Dengoso", os jongos "Sentindo" e "Interrogando", as valsas "Sonho de magia" e "Suspiro apaixonado" e o fox-trot "Rosa carioca". No mesmo ano, fez as melodias para a toada "Catirina" e as emboladas "Meu noivado", "Perigando" e "ABC",com versos do folclore que o cantor e instrumentista Jararaca gravou na Columbia com seu acompanhamento ao violão. Também no mesmo ano, a cantora Stefana de Macedo gravou a toada "Maneca dos Geraes", o coco "Sodade cabocla", parceria com E. Tourinho e o baião "Estrela d'alva", para as quais fez acompanhamentos ao violão. Ainda em 1930, o cantor Paraguassu gravou sua toada "Amô de caboco" e Januário de Oliveira as canções "A inveja matou Caim" e "Corrupião da lagoa", parcerias com Junquilho Lourival, sendo que para este último, também fez acompanhamentos ao violão. Em 1947, compõe sua última obra, "Canção do violeiro", sobre  versos  de Castro Alves. Sua obra,  extremamente rica e significativa, constituiu-se num dos pilares do repertório violonístico brasileiro. Segundo declaração de Heitor Villa-Lobos, "Bach não se envergonharia de assinar seus estudos". Em 1969, seu choro "Sons de carrilhões" foi gravado pelo violonista Antônio Rago na Chantecler. Em 1978, o violonista Turíbio Santos lançou o LP "Choros do Brasil", onde revive a obra do violonista e compositor, da qual destacam-se os choros "Sons de carrilhões",  obra que integra o repertório de quase todos os violonistas brasileiros,  "Graúna", "Dengoso",  "Interrogando" e "Pó-de-mico". Em 1979, foi lançado pela Continental o LP "O som e a música de João Pernambuco" no qual foram apresentadas 12 composições do violonista sendo que dez em sua própria interpretação ao violão com acompanhamento de Zezinho, também ao violão, e duas interpretações de Dilermando Reis. As músicdas tocadas por ele foram: "Interrogando"; "Recordando"; "Suspiro apaixonado"; "Rosa carioca";Reboliço"; Magoado"; "Pó de mico": "Sonho de magia"; "Sentindo" e "Dengoso". Já Dilermando Reis interpretou "Sons de carrilhões" e "Interrogando", esta última em versão gravada em 1953. Em 1980, teve os tangos "Lágrima" e "Sentindo" e o choro "Brasileirinho" incluídos em show apresentado pelos violonistas Nicanor Teixeira e Sérgio de Pina. Em 1983, em comemoração ao centenário de nascimento do compositor, a Funarte lançou LP com a participação  do pianista Antonio Adolfo  e do grupo Nó em Pingo d'Água. Os arranjos, feitos especialmente para a ocasião, foram também editados pela Funarte. Em 1999, o violonista Leandro Carvalho lançou o CD"Descobrindo João Pernambuco", com gravações de sua obra. Em 2000, o violonista Caio Cesar lançou o CD "João Pernambuco" apenas com suas músicas, cujo lançamento foi efetuado com vários shows na cidade do Rio de Janeiro. No mesmo ano, foi lançado por Baden Powell o CD "João Pernambuco e o sertão". Em 2007, a toada "Luar do sertão", com Catulo da Paixão Cearense, foi gravada pelo cantor e compositor Tinoco e pelo violeiro Mazinho Quevedo no CD "Coração caipira - ao vivo" da Som Livre.

Mais visitados
da semana

1 Dorival Caymmi
2 Festivais de Música Popular
3 Música Sertaneja
4 Chico Buarque
5 Assis Valente
6 Luiz Gonzaga
7 Nelson Cavaquinho
8 Lupicínio Rodrigues
9 Clementina de Jesus
10 Caetano Veloso