Busca:

João Pedro Borges


São Luís, MA

Dados Artísticos

Iniciou sua carreira profissional em 1970, tendo participado de diversas séries de concerto como "Rede Nacional de Música", "Circuito Sul América", "Bienal de Música Brasileira Contemporânea", "Série Bach-Barrocos", "Semanas" e "Festivais Villa-Lobos". Apresentou-se, também, em temporadas oficiais da Sala Cecília Meireles, da Sala Sidnei Miller e do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Em 1973, começou a trabalhar também no exterior, ministrando cursos e conferências, e realizando concertos no continente africano. Quatro anos depois, gravou seu primeiro LP como solista, contendo obras de Bach, Barrios e Villa-Lobos, trabalho pioneiro de produção independente. Realizou, em 1980, turnê pela América do Sul com Turíbio Santos. Dois anos depois, destacou-se como solista no Recital de Música Brasileira ("Brazilian Night"), realizado no Lincoln Center de Nova York. Em 1983, lançou o elepê "João Pedro Borges interpreta Cimarosa, Sanz, Sor, Giuliani, Albéniz e Granados". Dois anos depois, gravou o elepê "A obra para violão de Paulinho da Viola", com a participação de Paulinho da Viola e César Faria, editado exclusivamente como brinde promocional. Em 1986, participou, como professor e recitalista, do VII Carrefour Mondial de la Guitare, realizado na Martinica, ao lado de Léo Brouwer e Baden Powell. Ao longo de sua carreira, atuou como solista das Orquestras de Câmera do Brasil, Filarmônica do Rio de Janeiro, Sinfônica Jovem da Funarj, Sinfônica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e na estréia da Orquestra de Violões do Rio de Janeiro. Como camerista, apresentou-se com a cantora norte-americana Carol McDavit, com quartetos de cordas, com a Associação de Canto Coral do Rio de Janeiro e com a Camerata Carioca, conjunto do qual foi o diretor musical. Participou dos discos "Choros do Brasil", "Valsas e choros" e "Brasil-violão", em duo com Turíbio Santos, "Tributo a Jacob do Bandolim", "Vivaldi e Pixinguinha" com a Camerata Carioca e Radamés Gnatalli, "Mistura e manda", com Paulo Moura, "Melodias populares de Villa-Lobos", com Turíbio Santos, Arthur Moreira Lima, José Botelho e Paulo Moura. Gravou a famosa "Cantilena" das "Bachianas Brasileiras nº 5", com o tenor Aldo Baldin,"Melodias populares de Heitor Villa-Lobos", com o soprano Leila Guimarães, e "Noites cariocas", ao lado dos grandes do choro, em espetáculo gravado ao vivo no Teatro Municipal do Rio de Janeiro, do qual assinou, também, a direção musical. Em 1994, lançou "Classiques latino- americaines", gravado na Igreja de S.Victor, em Meylan (França). O disco, dedicado à música latino-americana de Léo Brouwer, Radamés Gnatalli, Agustin Barrios e Manuel Ponce, marcou a sua entrada profissional na Europa, onde todos os anos realiza cursos e concertos, tendo sido dedicatário de várias obras de compositores franceses escritas especialmente para ele. Destacou-se, também, no campo discográfico, tendo assinado a produção musical dos discos "Brasil, piano e cordas" (Roberto Szidon, Michel Bessler e Márcio Malard), "George Gershwin" (Roberto Szidon), "As 12 valsas de esquina de Francisco Mignone" (Arthur Moreira Lima) e "Nordeste monumental" (Miguel Proença). Atuou como assistente de produção musical do elepê "Grandes sucessos do violão latino-americano" (Turíbio Santos) e como assistente de produção e editor do elepê "Heitor Villa-Lobos - obra completa para violão" (Turíbio Santos), contemplado com o Prêmio Sharp de melhor disco clássico em 1987. Realizou a produção e edição de áudio do programa Um Toque de Classe, com Arthur Moreira Lima (TV Manchete). Assinou a produção musical e edição dos elepês "Alberto Nepomuceno" (Miguel Proença), "Heitor Villa-Lobos - Antologia para piano" (Arthur Moreira Lima), contemplado com o Prêmio Sharp de melhor disco clássico em 1988, "Radamés Gnatalli" (Arthur Moreira Lima), contemplado com o Prêmio Sharp de melhor disco instrumental de 1990, "As Estações - Tchaikovsky" (Arthur Moreira Lima), e dos CDs com o Quarteto de Cordas Heitor Villa-Lobos e o Quarteto Bessler-Reis, contemplado com o Prêmio Sharp de melhor disco clássico em 1993, "Concertos de Heitor Villa-Lobos" (Paulo Moura, Noel Devos, Turíbio Santos e Orquestra de Câmara Brasileira, com regência de Bernardo Bessler), contemplado com o Prêmio Sharp de melhor disco clássico de 1995. Realizou a edição do elepê "Compositores gaúchos" (Miguel Proença).

Em 1997, assinou a produção musical e os arranjos do CD "Memória", com compositores e intérpretes da música maranhense. Convidado pelo Centro de Ensino Unificado do Maranhão para projetar e dirigir a escola de música Musiceuma, voltou a fixar-se em São Luís.

Mais visitados
da semana

1 Luiz Gonzaga
2 Assis Valente
3 Nelson Gonçalves
4 Caetano Veloso
5 Nelson Cavaquinho
6 Chico Buarque
7 Dorival Caymmi
8 Tom Jobim
9 Noel Rosa
10 João Gilberto