Busca:

Henrique Vogeler

Henrique Gypson Vogeler
11/6/1888 Rio de Janeiro
9/5/1944 Rio de Janeiro

Biografia

Compositor. Pianista. Regente. Orquestrador. Letrista.

Nasceu na Rua Marquês de Sapucaí, no Rio de Janeiro. Filho do economista alemão naturalizado brasileiro Carlos Conrado Guilherme Von Vogeler e de sua segunda esposa, Maria da Conceição Lenes Resende Vogeler, natural de Goiás. Foi batizado na Igreja de Sant'Ana, no dia 18 de outubro de 1888. O pai era um apaixonado pelo Brasil. Detestava que zombassem de seu sotaque, a ponto de estudar profundamente a língua portuguesa e sua prosódia, tornando-se professor de português. Era também músico. Tocava oficlide.

Tinha três irmãos do primeiro casamento do pai com Apolônia Francisca da Costa Vogeler, falecida muito jovem: Albertina, Carlos (de apelido Missionô), bom pianista, e Jorge, desenhista e futuro pai do famoso cantor Jaime Vogeler. Do segundo casamento de seu pai com a bela, segundo familiares, mulata Maria da Conceição, foi o caçula. Antes dele vieram Leontina e Eponina. Além dos irmãos de sangue, teve também um de criação, Jesuíno. Começou a estudar piano com a irmã, Albertina, que dava lições ao outro irmão, Jorge, enquanto o caçula observava. Aos sete anos compôs sua primeira música, "A volta de Júpiter", que era, segundo Hélio Tys, uma canção cheia de latidos e barulhenta, composta num momento de alegria. Na ocasião, seu cachorrinho Júpiter reapareceu, depois de ter sido expulso de casa. Compôs, logo depois, outra canção que os amigos intitularam "Careca gostoso". Morou no Catumbi e posteriormente mudou-se para uma grande casa em Todos os Santos, bairro do Rio de Janeiro. Em 1900, passou a estudar no Colégio São Bento. Fez o curso secundário no Colégio Universitário. Em 1906, foi obrigado a abandonar os estudos devido a problemas financeiros. Conseguiu emprego na Estrada de Ferro Central do Brasil, como praticante de conferente, por intermédio de seu irmão Guilherme. Cursou o Conservatório Nacional de Música, tendo completado os estudos possivelmente em 1909. Casou-se aos 30 anos com uma viúva chamada Erastime.

Segundo Tinhorão, era este o perfil de Vogeler: "dono de temperamento bonachão, o pianista e compositor - que por essa época cultivava um belo bigode negro, e tinha o hábito de tocar chupando a bochecha, num tique particular - transformou-se na atração das coristas do teatro musicado". Ficou também célebre o seu bom coração. Conta-se que, um dia, entregou à empresária Maria Amorim (que estava decidida a se atirar do oitavo andar de um prédio, por conta de suas dívidas) os oito contos de réis que ganhou num concurso internacional de música. Aos 50 anos, foi viver tranqüilamente em uma casa adquirida na Rua Engenhoca 151, na Ilha do Governador. Passou bom tempo nadando e pescando com o barco batizado de "Peru". Mesmo depois de seu retorno à vida musical, buscava o refúgio do mar, sempre que podia. Em maio de 1944, foi internado no Hospital do Pronto Socorro, na Praça da República, a fim de ser operado de uma úlcera intestinal. Uma complicação obrigou os médicos a submetê-lo a uma segunda intervenção cirúrgica. Embora em estado grave, duas horas antes de falecer, ainda demonstrava seu bom-humor, segundo episódio contado por Hélio Tys em "Talento de Vogeler - compositor carioca" (artigo publicado em "O Dia", Rio de Janeiro, 18 de outubro de 1964, caderno D, p. 1). No artigo, Tys nos conta que na tarde em que o compositor faleceu, uma banda podia ser ouvida de seu quarto, executando, à entrada do Superior Tribunal Militar, um dobrado. A enfermeira perguntou-lhe: "Incomoda-o, maestro, esta música?" "Não, ele respondeu, ao contrário. O que me irrita é a falta de ouvido do regente. Repare como estão desafinados os instrumentos". Segundo Tys, antes de falecer o compositor sussurrou no ouvido de um sobrinho a frase: "La comedia è finita". O compositor faleceu no dia 9 de maio de 1944, aos 56 anos de idade. Foi sepultado no Cemitério de São Francisco Xavier, no Caju. Villa-Lobos compareceu. Na hora em que o caixão desceu à sepultura, o maestro, chorando, exclamou: "Perdi meu braço direito!".

Mais visitados
da semana

1 Geraldo Pereira
2 Dorival Caymmi
3 Caetano Veloso
4 Noel Rosa
5 Hermeto Pascoal
6 Tom Jobim
7 Jorge Goulart
8 Francisco Mignone
9 Pixinguinha
10 Roberto Luna