Busca:

G. R. E. S. Unidos da Tijuca



Dados Artísticos

De acordo com dados do livro "Carnaval - Seis Mil Anos de História", de autoria de Hiram Araújo, a escola foi fundada em 31 de dezembro de 1931, tendo em sua bandeira as cores azul-pavão e ouro. Sua sede localiza-se à Rua São Miguel, 430, no bairro da Tijuca, e a quadra de ensaios situa-se na subida do Morro do Borel.  É considerada a terceira Escola de Samba mais antiga da cidade. A Unidos da Tijuca surgiu em virtude da fusão de quatro blocos existentes nos morros da Casa Branca, Borel e Ilha dos Velhacos. Nascida na sala de seu Bento Vasconcelos, tendo como fundadores Leandro Chagas, Alcides de Moraes (Tratão), João de Almeida, Pacífico Vasconcelos, Alfredo Gomes, Regina Vasconcelos, Marina Silva, Zeneida de Oliveira, entre outros. A primeira quadra de ensaios foi o grande terreiro de propriedade da família Vasconcelos. A maior parte de seus componentes era composta por operários da fábrica Souza Cruz e de outras das redondezas. Seus desfiles nos grupos, suas colocações e seus enredos através dos anos foram: 1932, quarto lugar (sem informação de grupo e enredo); 1933, não desfilou;  1934, não desfilou; 1935, 23º (sem informação de grupo e enredo); 1936, primeiro lugar com o enredo "Sonhos Delirantes" (sem informação do Grupo); 1937, não desfilou por falta de luz, enredo "Sonho das Graças"; 1938,  primeiro lugar, sem informação de grupo e enredo; 1939, sexto lugar, sem informação de grupo e enredo; 1942, 15º lugar, sem informação de grupo e enredo; 1947, oitavo lugar, sem informação de grupo, com o enredo "Homenagem à Cascatinha"; 1948, segundo lugar, sem informação de grupo, com o enredo "Lei Áurea"; 1949, com enredo "Proclamação da República", sem informação de grupo e classificação; 1952, desfile anulado. Com o enredo "Feira de Nazaré"; 1953, quinto lugar no Grupo 1, com enredo "Também Temos os Nossos Heróis: Caxias, Barroso e Santos Dumont"; 1954, 11º lugar no Grupo 1 com o enredo "São Paulo Quatrocentão"; 1955, 11º lugar no Grupo 1 com o enredo "Sinhá-Moça"; 1956, sexto lugar no Grupo 1 com o enredo "Inferno Verde"; 1957, 11º lugar no Grupo 1 com o enredo "Sonho de Esmeralda ou Fascinação do Ouro e Diamantes"; 1958, 11º lugar no Grupo 1 com o enredo "O Patriarca da Independência"; 1959, 16º lugar no Grupo 1 com o enredo "Bravos e Heroínas". Em 1960 com o enredo "Sonhos de bravos" 8º lugar do Grupo 2; em 1961 7º lugar do Grupo 2 com o samba "Casa-Grande e Senzala"; 1963 com o sambaenredo "Do Oiapoque ao Chuí" em 8º lugar do Grupo 2; 1964 com "Homenagem ao Rio Grande do Sul" ficou em 4º lugar no Grupo 2; 1965 5º lugar no Grupo 2 (sem referência do samba-enredo); 1966 em 11º lugar no Grupo 2 com "O Império dos três atos", 1967 a escola não defilou po9r causa do falecimento de um de seus fundadores. Em 1968 classificou-se em 3º lugar no Grupo 2 com o samba-enredo "Danças od Brasil", 1969 em 8º lugar do Grupo 2 com "Tijuca sempre jovem", 1970 com o samba-enredo "Festa na Bahia" a escola ficou em 12º lugar no Grupo 2, em 1971 em 10º lugar do Grupo 2 com o enredo "Quiva Iaiá, lenda da fundação do Itaguaré". Em 1972 10 º lugar no Grupo 2 com "Ganga Zumba; 1973 8º lugar do Grupo 2com "Bom dia, café", 1974, com o samba-enredo "Petrópolis, Flor Serrano" classificou-se em 15º lugar do Grupo 2; 1975 em 6º lugar do Grupo 2 com "Magia africana no Brasil", 1976 4º lugar no Grupo 2 com "Mundo encantado das Deusas Afro-Brasilieras"; 1977 em 9º lugar do Grupo 2 com "Paraíso dos sonhos"; 1978  em 15º lugar no Grupo 2 com o enredo "A praça, sonho, amor e fantasia"; 1979 em 3º lugar do Grupo 2 com "brasil, canta e dança"; 1980 em 1º lugar do Grupo 1B com o samba-enredo "Delmiro Gouveia". NO ano de 1981 com mo enredo "O que dá pra rir, dá pra chorar" a escola classificou-se em 8º lugar do Grupo 1A; em 1982 em 9º lugar do Grupo 1A com "Lima Barreto - Mulato, pobre, mas rico"; em 1983 em 10 º lugar do Grupo 1A com "Brasil devagar com o andor que o santo é de barro". No ano de 1984 com o samba-enredo "Salamaleikum - a epopéia dos insubmissos malês" a escola classificou-se em 7º lugar do Grupo 1A; em 1985 em 2º lugar do Grupo 1B com "Mas o que foi que aconteceu?"; em 1986 com "Cama, mesa e banho de gato" em 15º lugar do Grupo 1A. No ano de 1987 com o samba "As três faces da moeda" classificou-se em 1º lugar do Grupo 1B; em 1988 em 11º lugar do Grupo 1 com o samba-enredo "templo do absurdo", e no ano seguinte, em 8º lugar do Grupo 1 com o samba-enredo "De Portugal à Bienal no País do Carnaval". Em 1990, obteve nono lugar no Grupo Especial com o enredo "E o Borel Descobriu... Navegar Foi Preciso". De 1991 a 1997, a escola ficou no Grupo Especial, com diversas colocações:  1998, 13º lugar no Grupo Especial com o enredo "De Vasco da Gama - A Epopéia da Tijuca"; 1999, desfilou no Grupo A; 2000, quinto lugar no Grupo Especial com o enredo "Terra dos Papagaios... Navegar Foi Preciso"; 2001, desfilou com o enredo "A Tijuca Apresenta Nélson Rodrigues Pelo Buraco da Fechadura". Em 2002 a escola desfilou com o samba-enredo "O sol brilha eternamente sobre o mundo de Língua Portuguesa" de autoria de Haroldo Pereira, Valtinho Júnior e Wantuir, este último, puxador oficial da escola. A escola classificou-se em 10º lugar no Grupo Especial. No ano de 2003 desfilou com o samba-enredo "Agudás, os que levaram a África no coração, e trouxeram para o coração da África, o Brasil" de autoria de Rono Maia, Jorge Melodia e Alexandre Alegria. Em 2004 a escola ganhou o "Estandarte de Ouro", prêmio da Rede Globo e classificou-se em 2º lugar no Grupo Especial com samba-enredo "O sonho da criação e a criação do sonho: A arte da ciência no tempo do impossível" (Jurandir,  Wanderlei, Sereno e  Enilson), tendo como puxador Wantuir. Foi a grande surpresa de 2004, ficando apenas a 8 dígitos da primeira colocada. O carnavalesco Paulo Barros, que  estava estreando no Grupo Especial, teve a criatividade e a ousadia de colocar um carro no qual trazia a sequência do DNA (com 123 integrantes), o que chamou a atenção do público e dos jurados. Em 2005 desfilou com o samba-enredo "Entrou por um lado, saiu pelo outro... Quem quiser que invente outro!", de Sérgio Alan, Jorge Remédio e Valtinho Jr., tendo como puxador o cantor Wantuir. Com esse enredo sagrou-se vice-campeã  com 399, 3 pontos, apenas um décimo de diferença da primeira colocada Beija-Flor. No ano de 2006 com o samba-enredo "Ouvindo tudo que vejo, vou vendo tudo que ouço", de Jorge Remédio e Júlio Alves, puxado na avenida por Wantuir, classificou-se em 6º lugar. Em 2007 classificou-se em 4º lugar, no Grupo Especial, com o samba-enredo "De lambida em lambida, a Tijuca dá um click na avenida", de Ivinho do Cavaco, Totonho, Silvão e Jorge Remédio. Neste mesmo ano foi escolhido o samba-enredo "Vou untando o que eu quiser, minha mania vale ouro. Sou Tijuca trago a arte colecionando o meu tesouro", de Júlio Alves, Sereno, Paulo Rios, Beto Lima e Sóstenes para representar a escola no desfilhe do ano de 2008. Em 2008, com enredo criado pelo carnavalesco Luiz Carlos Bruno, classificou-se em 5º lugar no Grupo Especial com o samba-enredo "Vou juntando o que eu quiser, minha mania vale ouro. Sou tijuca, trago a arte colecionando o meu tesouro", de Julio Alves, Sereno, Paulo Rios e Beto Lima, puxado por Wantuir. No ano de 2009 a escola classificou-se em 9º lugar do Grupo Especial com a seguinte formação: presidente Fernando Horta; carnavalesco Luiz Carlos Bruno; pesquisa Júlio César Farias; mestre de bateria Casagrande; rainha de bateria Adriane Galisteu; mestre sala Rogério; porta bandeira Lucinha Nobre; comissão de frente Rodrigo Néri e Priscila Mota; enredo "Tijuca 2009: Uma odisseia sobre o espaço"; autores do samba enredo Júlio Alves e Totonho; intéprete Bruno Ribas. Em 2010, com o carnavalesco Paulo Barros, a escola sagrou-se campeã do Grupo Especial com o samba-enredo "É segredo!", de Alves, Totonho e Marcelinho Calil, puxado no Sambódromo por Bruno Ribas. No ano de 2011, na quadra da escola, foi lançado o livro "Unidos da Tijuca", de Marly Motta, com prefácio de Ricardo Cravo Albin. Neste mesmo, a escola desfilou com o enredo criado por Paulo Barros e samba-enredo "Esta noite levarei sua alma", de Julio Alves e Totonho, tendo como intérprete Bruno Ribas, ficando com o segundo lugar na disputa do carnaval carioca. No ano de 2012 sagrou-se a  campeã do carnaval carioca com o samba-enredo "O dia em que toda a realeza desembarcou na Avenida para coroar o Rei Luiz do Sertão", de Vadinho, Josemar Manfredine, Jorge Callado e Silas Augusto. Em 2013 o G. R. E. S. Unidos da Tijuca classificou-se em 3º lugar no desfile do Grupo Especial do carnaval carioca, tendo como enredo "Desceu num raio, é trovoada! O Deus Thor pede passagem pra mostrar nessa viagem a Alemanha encantada", do carnavalesco Paulo Barros; Mestre Sala Marquinhos e Porta Bandeira Giovana; Rainha de Bateria Juliana Alves; Diretor de Carnaval Ricardo Fernandes; Diretor de harmonia Fernando Costa; Mestre de Bateria Casagrande; em samba composto por Julio Alves, Totonho, Dudu, Elson Ramires, cantado na avenida por  Bruno Ribas. No ano de 2014 a escola classificou-se em primeiro lugar, no Grupo Especial, desfilando com o samba-enredo "Acelera, Tijuca!", de Caio Alves, Fadico, Gustavinho Oliveira e Tinguinha, tendo como intérprete Tinga. Destacamos também Fernando Costa (Diretor de Carnaval); Paulo Barros (Carnavalesco); Fernando Costa (Diretor de Harmonia); Casagrande (Mestre de Bateria); Juliana Alves (Rainha de Bateria); Julinho (Mestre-Sala); Rute (Porta-Bandeira) e Rodrigo Negri e Priscila Mota (Comissão de Frente). No ano de 2015, tendo como presidente Fernando Horta; departamento de carnaval integrado por Annik Salmon, Carlos Carvalho, Hélcio Paim, Marcus Paulo e Mauro Quintaes, também autores do enredo; sinopse do enredo de Annik Salmon, Carlos Carvalho e Sandro Couto; diretor de bateria Mestre Casagrande (Luiz Calixto Monteiro), auxiliado por Jorginho, Julinho, Cosme, Rodrigo, Jéferson, Luciano, Curinga, Obina e Thompson; diretor geral de evolução Paulinho Haiti; vice-presidente de carnaval João Paredes; diretor carnaval Fernando Costa; 1º Mestre-Sala Julio César da Conceição Nascimento (Julinho) e 1ª Porta-Bandeira Rute Alves Noronha, a escola desfilou com o samba-enredo "Um Conto Marcado no Tempo - O Olhar Suíço de Clóvis Bornay", de Josemar Manfredini, Fadico, Carlinhos, Gustavinho Oliveira, Caio Alves, Rafael Tinguinha, Cosminho e Zé Luis, interpretado na avenida pelo puxador oficial Tinga (Anderson dos Santos), auxiliado por Celinho Maneiro, Serginho Gamma, Sereno, Tiago Brito, Thiago Chafin, Celino Dias e Rafael Tinguinha, classificando a agremiação em quarto lugar no desfile das escolas do grupo especial carioca.  Em 2016 a agremiação classificou-se em 2º lugar no desfile do Grupo Especial, apresentando o samba-enredo "Semeando sorriso, a Tijuca festeja o solo sagrado", de Dudu Nobre, Zé Paulo Sierra, Claudio Mattos e Gustavo Clarão, tendo como carnavalescos Mauro Quintaes, Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo; Diretor de Carnaval e Harmonia Fernando Costa; Tinga como puxador dos amba na avenida; Casagrande como mestre de bateria; Rainha de Bateria Juliana Alves; Mestre-Sala Julinho e Rute como Porta-Bandeira, além de Fernando Horta como presidente. Em 2017 a Escola classificou-se em 11º lugar no desfile do Grupo Especial com o samba-enredo "Música na Alma, Inspiração de uma Nação", de Totonho, Fadico, Josemar Manfredini, Dudu e Sérgio Alan. A escola foi muito prejudicada pelo grave acidente com um dos seus carros, do qual resultaram várias pessoas feridas. Em 2018 a Escola classificou-se em sétimo lugar no Grupo Especial do carnaval carioca, tendo a Comissão de carnavalescos composta por Annik Salmon, Hélcio Paim e Marcus Paulo, desfilando na marquês de Sapucaí com o samba-enredo "Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem", dos autores Totonho, Mart’Nalia, Dudu, Marcelinho Moreira e Fadico, interpretado por Tinga. O enredo homenageava o ator e autor de TV e teatro Miguel Falabella.   BIBLIOGRAFIA CRÍTICA:   ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Edição Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006. AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Esteio Editora, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014. ARAÚJO, Hiram. Carnaval - Seis milênios de história. Rio de Janeiro: Editora Gryphus, 2000.

Mais visitados
da semana

1 Luiz Gonzaga
2 Eumir Deodato
3 Chico Buarque
4 Assis Valente
5 Noel Rosa
6 Dorival Caymmi
7 Tom Jobim
8 Lupicínio Rodrigues
9 Caetano Veloso
10 Romildo