Busca:

G. R. E. S. Caprichosos de Pilares



Dados Artísticos

A Caprichosos de Pilares foi fundada a 19 de fevereiro de 1949, por Walter Machado, Ferminiani da Silva, Amarildo Cristiano, Sebastião Benjamin, Beto Limoeiro, Valtinho Fala-Fina, entre outros, componentes da Unidos da Terra Nova que, insatisfeitos com as apresentações da escola, queriam fazer desfiles de uma grande escola de samba. A maioria de seus componentes é de comunidades circunvizinhas dos morros do Urubu, Engenho da Rainha e das favelas Fernão Cardin e Rato Molhado. As cores de sua bandeira são azul e branco. O primeiro desfile oficial ocorreu em 1953, quando ficou em sétimo lugar no Grupo 2. O primeiro campeonato veio em 1960, no Grupo 2, com o enredo "Invasão holandesa na Bahia". Tornou-se campeã novamente no carnaval de 1971, desta vez no Grupo 3, com o enredo "Primaveras". Em 1978, a escola recebeu o Estandarte de Ouro do jornal O Globo, pelo melhor samba-enredo, "A festa da uva em Caxias do Sul", de Alcino Corrêa e Valadão. Subiu para a elite das escolas de samba ao vencer o Grupo 2 em 1982, sob o comando de Luís Fernando Reis - carnavalesco da escola de 1982 a 87 e 93 a 94 - com o samba-enredo de Alcino Corrêa,"Moça bonita não paga", inspirado nas feiras livres. Embora não tenha alcançado o campeonato do grupo de elite, a Caprichosos emplacou o maior sucesso do carnaval de 1985, "E por falar em saudade" (de Almir Araújo, Marquinhos Lessa, Hércules Corrêa, Balinha e Carlinhos de Pilares), que ficou mais conhecida como "Tem bumbum de fora", em virtude do refrão final. Rebaixada em 1996, retornou para o Grupo Especial em 1998. Segundo o livro "Carnaval - Seis mil anos de história", de autoria de Hiram Araújo, não há registro do nome dos enredos nos anos de 1953 e 1954, nos quais a escola se classificou no sétimo e no segundo lugares, repectivamente, no Grupo 2. As outras colocações nos grupos com seus respectivos enredos nos anos seguintes, de acordo como o  livro,  foram: 1955: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Retirada da Laguna"; 1956: décimo quarto lugar no Grupo 1, com o enredo "Exaltação à Justiça brasileira"; 1957: oitavo lugar no Grupo 1, com o enredo "Exaltação à música brasileira"; 1959: décimo lugar no Grupo 1, com o enredo "Laços de fita"; 1960: primeiro lugar no Grupo 2, com o enredo "Invasão holandesa na Bahia"; 1961: nono lugar no Grupo 1, com o enredo "Império de d. Pedro II";1962: quarto lugar no Grupo 2, com o enredo "Galeria dos bravos"; 1963: nono lugar no Grupo 2, com o enredo "A lenda da pedra verde"; 1964: décimo lugar no Grupo 2, com o enredo "O último baile da corte imperial"; 1965: décimo primeiro lugar no Grupo 2, com o enredo "O IV Centenário do Rio de Janeiro";1966: décimo segundo lugar no Grupo 2, com o enredo "A vida e obra de d. João VI"; 1967: décimo lugar no Grupo 2, com o enredo "O Brasil através de sua música"; 1968: décimo terceiro lugar no Grupo 2, com o enredo "Brasil em plena primavera";1969: oitavo lugar no Grupo 3, com o enredo "A Revolução dos Alfaiates na Bahia"; 1970: décimo primeiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Consagração histórica de uma princesa"; 1971: primeiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Brasil na primavera"; 1972: décimo primeiro lugar no Grupo 2, com o enredo "Brasil - A flor que desabrocha"; 1973: décimo terceiro lugar no Grupo 2, com o enredo "Aclamação e coroação de D. Pedro I"; 1974: terceiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Adeus, Praça Onze, Adeus";1975: décimo lugar no Grupo 2, com o enredo "Congada do rei David"; 1976: décimo terceiro lugar no Grupo 2, com o enredo "Sonho de Pierrô"; 1977: terceiro lugar no Grupo 3, com o enredo "Maria Quitéria, heroína de uma raça";1978: sexto lugar no Grupo 2, com o enredo "Festa da uva no Rio Grande do Sul"; 1979: sexto lugar no Grupo 1-B, com o enredo "Uruçumirim, paraíso tupinambá";1980: quinto lugar no Grupo 1-B, com o enredo "É a maior";1981: décimo segundo lugar no Grupo 1-B, com o enredo "Amor, sublime amor"; 1982: primeiro lugar no Grupo 1-B, com o enredo "Moça bonita não paga"; 1983: (Segundo Hiram Araújo, no livro "Carnaval - Seis mil anos de história", a escola não foi julgada por falta de luz) - Enredo "Um cardápio à brasileira"; 1984: terceiro lugar no Grupo 1-A, com o enredo "A visita da nobreza do riso a Chico Rei"; 1985: quarto lugar no Grupo 1-A, com o enredo "E por falar em saudade"; 1986: nono lugar no Grupo 1, com o enredo "Brasil, não seremos jamais, ou seremos?"; 1987: oitavo lugar no Grupo 1, com o enredo "Eu prometo";1988: oitavo lugar no Grupo 1, com o enredo "Luz, câmara, ação; 1989: décimo segundo lugar no Grupo Especial, com o enredo "O que é bom todo mundo gosta"; 1990: décimo terceiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Com a boca no mundo"; 1991: décimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "3° milênio - Em busca do juízo final"; 1992: décimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Brasil Feito à mão - Do barro ao carnaval"; 1993: décimo terceiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Não existe pecado no lado de cá do Túnel Rebouças"; 1994: décimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Estou amando loucamente uma coroa de quase 90 anos";1995: décimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Da terra brotei, negro sou e ouro virei"; 1996: décimo quinto lugar no Grupo Especial, com o enredo "Samba, sabor chocolate"; 1997: segundo lugar no Grupo 1, com o enredo "Do tambor ao computador"; 1998: décimo lugar no Grupo Especial, com o enredo "Negra origem, negro Pelé, negra Bené"; 1999: nono lugar no Grupo Especial, com o enredo "No universo da beleza, mestre Pitanguy"; 2000: décimo primeiro lugar no Grupo Especial, com o enredo "Brasil, teu espírito é santo"; 2001: desfilou no Grupo Especial com o enredo "Goiás, um sonho de amor no coração do Brasil". No ano seguinte, em 2002, desfilou com o samba-enredo "Deu pra ti! Tô em alto astral! Tô com Porto Alegre, tri-legal!" de autoria de J. Mazarim e André Fullgaz, homenageando a dupla gaúcha Kleiton e Kledir, puxado na avenida por Jackson Martins e classificando-se em 12º lugar no desfile do Grupo Especial. No ano de 2003 desfilou com o samba-enredo "Zumbi, Rei de Palmares e herói do Brasil. A história que não foi contada" de Carlos Ortiz, Claudia Nei, Alberto Capital e Mestre Augusto. Em 2004, com o samba-enredo "Xuxa e seu reino encantado no carnaval da imaginação" (Preto Jóia, Nei Negrone, Silvio Araújo e Riquinho Gremião), puxado por Jackson Martins, a escola classificou-se em 13º lugar no Grupo Especial. No mês de agosto de 2004, o puxador Jackson Martins foi assassinado na rodovia Washigton Luis, no Rio de Janeiro, após o carro emprestado em que usava ser abordado por um assaltante que disparou após o confundir com militar. O corpo foi enterrado no Cemitério da Solidão, em Belford Roxo. Em 2005 a escola desfilou com o samba-enredo "Carnaval, doce ilusão - a gente se encontra aqui, no meio da multidão! 20 anos de Liga", de J. L.Fróes, Carlinhos Danoninho, Edmar Silva, Jorge 101,  Fernando de Lima, Rafael França e Lee Santana, tendo como  intérprete Serginho do Porto, classificando-se em 11º lugar no Grupo Especial. No ano de 2006 desfilou com o samba-enredo "Na folia com o Espírito Santo, o Espírito Santo caprichou", de Josemar Manfredini, Mauro Speranza e Márcio do Swing, interpretado por Clóvis Pê, classificando-se em 13º lugar, sendo rebaixada para o Grupo de Acesso. Em 2007 desfilou com o enredo "Com Todo o Gás, a Caprichosos Acende a Chama do Carnaval", do caranvalesco Marcos Januário, que classificou a escola em segundo lugar, sendo a vice-campeã do carnaval carioca do Grupo de Aceso A. Em 2008, desfilando no Grupo de Acesso A, classificou-se em sexto lugar com o enredo "De Santo Antônio de Sá ao Polo Petroquímico, Itaboraí...uma terra abençoada!", do caranvalesco Lane Santana. No ano de 2009 desfilou com o enredo "No transporte da alegria...Me leva Caprichosos a caminho da folia", dos carnavalescos Lane Santana e Sandro Gomes, classificando-se em décimo lugar do Grupo de Acesso A. Em 2010 desfilou com o enredo "E por falar em saudade", classificando-se em sétimo lugar no Grupo de Acesso A. No ano de 2011 ficou em décimo lugar no desfile do Grupo de Acesso A com o enredo "Gente Humilde", de Amauri Santos, sendo rebaixada para o Grupo de Acesso B. No ano de 2015 a escola classificou-se em sétimo lugar no Grupo de Acesso Série A.   BIBLIOGRAFIA CRÍTICA:   ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006. AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

Mais visitados
da semana

1 Acyr Marques
2 Geraldo Pereira
3 Caetano Veloso
4 Dorival Caymmi
5 Pixinguinha
6 Nelson Cavaquinho
7 MC Sapão
8 Hermeto Pascoal
9 Francisco Mignone
10 Tom Jobim