Busca:

G. R. C. E. S. Nenê de Vila Matilde



Dados Artísticos

O Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba Nenê de Vila Matilde foi fundado em 1949 no bairro de Vila Matilde, Zona Leste de São Paulo, tendo como um de seus fundadores Alberto Alves da Silva, conhecido como Seu Nenê, nascido em 1915 e do qual foi retirado o apelido para nomear a escola, uma das mais tradicionais no carnaval paulistano. Suas cores oficiais são o azul e o branco, tendo a quadra na Rua Júlio Rinaldi, em Vila Salete, na Penha, em São Paulo. No ano de 1985, após conquistar o campeonato paulista, apresentou-se no Rio de Janeiro ao lado da Beija-Flor e da Mocidade Independente no desfile das campeãs. Em 1990 desfilou com o samba-enredo "Respeito é bom e eu gosto", de Ney do Cavaco, Filé e Ricardo. No ano seguinte apresentou o samba-enredo "Tudo mentira, será que é?", dos compositor Wagner Santos. No ano de 1992 desfilou com o samba-enredo "Luz, divina luz", dos compositores Santaninha, Clóvis, Barbosinha, Baby e Rubens Gordinho. Em 1993 apresentou o samba-enredo "Primeiro desejo", de Santaninha, Clóvis, Barbosinha, Baby e Rubens Gordinho. No ano posterior desfilou com "Pira-Iqué, mistério e magia", de autoria de Panda, Moskitinho, J. Reis e Juarez. No ano de 1995 apresentou na avenida o samba-enredo "Eu te amo", de Adelson, Rubinho, Marcão, Cizão, Dom Marcos, Edinho, Eduardo, J. Reis, Panda, Wagner, Mosquitinho, Adil e Rose. Em 1996 levou para o sambódromo o samba-enredo "Comunicação", da dupla Canuto e Ezo. No ano seguinte desfilou com "Narciso negro", de Vado, Zé Carlos, Mikal, Nilton da Flôr, Marco, Antonio e Dom Marcos. Em 1998 apresentou o samba-enredo "Sementes do samba, união de gente bamba", dos compositores Santaninha, Clóvis, Barbosinha, Rubens Gordinho e Baby. Em 1999 desfilou com "Vôa águia vôa, que Sampa é toda tua!", de  Santaninha, Clóvis, Barbosinha, Rubens Gordinho e Baby. No ano 2000 desfilou com o samba-enredo "Porque me orgulho de ser brasileiro!", de Santaninha, Clóvis, Rubens Gordinho e Baby. Em 2001 sagrou-se campeã do carnaval paulistano com o samba-enredo "Voei, voei, na Vila aportei, onde me deram uma coroa de Rei", de autoria de Santaninha, Clóvis, Rubens Gordinho e Baby. No ano seguinte apresentou o mesmo enredo e ainda o mesmo samba, só que desta vez foram incluídos os compositores Paulinho Sampagode, Fabiano Sorriso, Edy e Pedrinho Sem Braço. Em 2003 desfilou com o samba-enredo "É melhor ler, o mundo colorido de um maluco genial!", de Paulinho Sampagode, Fabiano Sorriso, Pedrinho sem Braço e Edy. No ano de 2004 desfilou com "A águia voa para o futuro, que legal! É Bienal no carnaval", de Santaninha, Baby, Rubens Gordinho e Marcelo Abreu. Em 2005 com o samba-enredo "Um vôo da águia entre dois mundos", do compositor Marco Antonio. No ano seguinte apresentou o samba-enredo "Mamma Bahia - Ópera negra Lídia de Oxum", de autoria de Santaninha, Baby, Rubens Gordinho, Clóvis, Teco, Juninho, Rafael e Renato. Em 2007 desfilou com o samba-enredo "Águia Radiante com um pioneiro das comunicações João Jorge Saad: 70 anos de conquistas e realizações", de Santaninha, Paulinho Sampagode, Fabiano Sorriso e Gonçalves, tendo como puxador oficial Royce do Cavaco e como carnavalesco André Machado. Entre seus personagens emblemáticos, destacam-se Seu Nenê (Presidente Fundador), que aos 92 anos desfilou em 2007, o Presidente Alberto Alves da Silva Filho (Betinho) e ainda o casal de mestre-sala e porta-bandeira Nelsinho e Rúbia. Entre 1949, ano de sua fundação, e 2007 a escola ganhou 11 campeonatos. Em 2010 a escola venceu em primeiro lugar o Grupo de Acesso, retornando assim ao Grupo Especial. Seu Nenê (Alberto Alves da Silva) que desfilava desde a fundação da escola, em 1949, foi um dos que segurou a taça, mas pouco tempo depois, em outubro do mesmo ano, viria a falecer por complicações respiratória. Seu Nenê fazia parte do grupo que promovia rodas de samba, no Largo do Peixe, na Vila Matilde e após fundar a escola, em 1949, foi seu presidente por 47 anos. Em 1996 afastou-se da direção por problemas de saúde, contudo, continuou desfilando pela escola até o último carnaval. No ano de 2020 a escola foi rebaixada para o Grupo de Acesso II no carnaval paulistano.     BIBLIOGRAFIA CRÍTICA:   ALBIN, Ricardo Cravo. Dicionário Houaiss Ilustrado Música Popular Brasileira - Criação e Supervisão Geral Ricardo Cravo Albin. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss, Instituto Cultural Cravo Albin e Editora Paracatu, 2006. AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Esteio Editora, 2008. 2ª ed. Esteio Editora, 2010. 3ª ed. EAS Editora, 2014.

Mais visitados
da semana

1 Bruno e Marrone
2 Tiee
3 Pixinguinha
4 Luiz Gonzaga
5 Eumir Deodato
6 Raul Seixas
7 Nelson Gonçalves
8 Garoto
9 Elza Soares
10 Ricardo Cravo Albin