Busca:

Edu da Gaita

Eduardo Nadruz Nascimento
13/10/1916 Jaguarão, RS
23/8/1982 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Começou a se apresentar publicamente em 1925, com apenas nove anos de idade, quando venceu um concurso promovido por um fabricante de gaitas na cidade gaúcha de Pelotas. Na ocasião, interpretou os "Estudos nº 3", de Frederic Chopin e trechos de óperas famosas. Em 1933 participou de programas na Rádio cruzeiro do Sul, em São Paulo.  Em 1934 mudou para o Rio de Janeiro, onde fazia apresentações nas barcas que fazem a travessia entre o Rio de Janeiro e Niterói. Em 1936, foi visto por Sílvio Caldas  numa apresentação de rua e foi levado pelo cantor para a Rádio Mayrinck Veiga, onde por iniciativa do locutor César Ladeira adotou o nome artístico de Edu da Gaita. Em 1937, passou  atuar no Cassino Copacabana e em seguida, no Cassino Icaraí, em Niterói. Em 1939, gravou pela Columbia seu primeiro disco, interpretando o fox "Violino cigano", de O'Flynn e Betzner e o swing "Canção da Índia", de R. Korsakov. Em 1941 gravou em ritmo de fox, "Onde o céu azul é mais azul", de João de Barro, Alberto Ribeiro e Alcyr Pires Vermelho, o potpourri "Cantigas de roda", com arranjos de Laurindo de Almeida; o bolero "Uma gaita em Sevilha", de sua parceria com Laurindo de Almeida e o samba "Velhas melodias", com arranjo de Laurindo de Almeida. Esta última, um pot pourri que reuniu três modinhas bastante populares, "A casa branca da serra", "Gandoleiro do amor" e "Casinha pequenina", foi gravada com o conjunto Arco-Íris.  Até 1946, foi atração constante em diferentes cassinos brasileiros. Em 1949, assinou contrato com a gravadora Continental estreando com as danças "Dança ritual do fogo", de Manuel de Falla e "Andaluzia", de Ernesto Lecuona. No mesmo ano, deixou a Rádio Mayrinck Veiga e passou a atuar como solista de orquestras sinfônicas. Em 1950 gravou "Capricho nortista", de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga, com arranjos de Alexandre Gnattali e a fantasia "Arabescos", de sua autoria. Em 1951 gravou "Batuque", de sua parceria com Humberto Teixeira e o baião "Juazeiro", de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga. No mesmo ano, gravou com Gaó e Sua Orquestra uma coletânea de foxes, intitulada "Ritmos de Tio Sam", com arranjos de Rubens Brito. Em 1954 gravou o fox-slow "Ruby", de Parish e Roemheld e a valsa "Numa pequena cidade espanhola", de Wayne, Lewis e Young. No ano seguinte, registrou o bolero "Damasco", de Luiz Bonfá e o samba "Uma gaita sobe o morro", de sua autoria. Em 1956 gravou "Moto perpétuo", de Paganini, obra inicialmente concebida para violino, e que valeu onze anos de estudos para ser executada na gaita. A gravação da obra obteve grande repercussão na imprensa e também na radiofonia. No mesmo ano, gravou o samba "Domingo sincopado", de Antônio Carlos Jobim e Luiz Bonfá. Em 1957, deixou a gravadora Continental e gravou um disco na Polydor, no qual interpretou o choro "Brasileirinho", de Valdir Azevedo. Em 1958, foi o solista no "Concerto para gaita e orquestra", de Radamés Gnattali, com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Em 1959, gravou na Copacabana o samba canção "Manhã de carnaval" e o "Samba de Orfeu", ambas as composições de Luiz Bonfá e Antônio Maria, escritas especialmente para o filme "Orfeu negro", de Marcel Camus, rodado no Rio. Na mesma época, lançou pela Copacabana o LP "Uma gaita para milhões". Em 1960, viajou a Londres como integrante da Caravana da Música Brasileira, que dirigida por Joraci Camargo e com o patrocínio do Escritório Comercial do Brasil apresentou-se em Londres, dando início às apresentações pela Universidade de Oxford. Nessa caravana atuou como solista de gaita no Sexteto de Radamés Gnattali.  Apresentou-se em países da América do Sul e na Europa, tocou na França, Inglaterra, Itália e Portugal. Em 1965 lançou pela Philips o LP "Edu ontem e hoje". Em 1981 e 1982, gravou LPs com arranjo e produção de Téo de Barros, premiados pelo Jornal do Brasil como melhor disco do ano. Recebeu o prêmio Euterpe do Jornal Correio da Manhã e o prêmio de Música Erudita do governo do antigo Distrito Federal. Em 2000, o selo Revivendo relançou sua interpretação para o samba "Velhas melodias" no CD "Músicas brasileiras - volume 3". Em 2001, po iniciativa do seu filho, o médico Eduardo Nadruz Filho o selo Revivendo lançou o Cd "Edu, o mago da gaita" com 25 gravações do gaitista incluindo o clássico "Moto-perpétuo" de Pagananini, "Dança ritual do fogo", de Manuel de Falla, "Andaluzia", de Ernesto Lecuona, Ruby", de Parish e Roemheld, e a valsa "Numa pequena cidade espanhola", de Wayne, Lewis e Young, entre outras. Em 2011, foi tema de extensa reportagem do jornal O Estado de São Paulo falando sobre sua carreira e da luta de seu filho para conseguir a lideração junto às gravadoras para a reedição em CD de suas gravações presas nos acervos da Universal Music. Sobre isso assim falou o musicólogo Ricardo Cravo Albin citado pelo jornal: "É um absurdo. Nossa história musical enfrenta uma censura estética e cultural".

Mais visitados
da semana

1 Jorge Portugal
2 Renato Barros
3 Mayck e Lyan
4 Festival MPB 80 (Rede Globo)
5 Leo Canhoto e Robertinho
6 Tiee
7 Sivuca
8 Noel Rosa
9 Elizeth Cardoso
10 Caetano Veloso