Busca:

Ederaldo Gentil

Ederaldo Gentil Pereira
7/9/1947 Salvador, BA
30/3/2012 Salvador, BA

Dados Artísticos

Com 20 anos, compôs "Rio de lágrimas", música venceu o "Festival de Música da Prefeitura de Salvador" em 1967. No mesmo ano, compôs para a Escola de Samba Filhos do Tororó seu primeiro samba-enredo, "Dois de fevereiro". No ano seguinte, em 1968, ganhou outra vez o "Festival de Música da Prefeitura de Salvador", dessa vez com o samba "Silêncio". Este festival reinaugurou o Teatro Castro Alves, o principal da cidade, tendo sido o júri presidido por Dorival Caymmi e Jorge Amado e para o qual foram convidadas personalidades do Rio de Janeiro, como Sérgio Porto, Oscar Castro Neves, Quarteto em Cy e o crítico Ricardo Cravo Albin. No mesmo ano, classificou um samba-enredo de sua autoria, "História dos carnavais", em concurso promovido pela Prefeitura. Neste mesmo ano, de 1968, Tião Motorista foi responsável pela gravação de sua primeira música, "Esquece a tristeza". No ano seguinte, em 1969, Jair Rodrigues gravou pela Philips dois sambas seus em parceria com Edil Pacheco, "Alô, madrugada" e "Berequetê". Em 1970, com "O samba chama", venceu o "1º Festival de Samba de Salvador". Integrou o conjunto Função, com o qual fez diversos shows pela cidade de Salvador. Por essa época, Maria Bethânia e Eliana Pittman gravaram composições suas. Em 1972 compôs com Anísio Félix o samba-enredo "In-Lê-In-Lá", em homenagem aos cinqüenta anos de Mãe Menininha, para a Escola de Samba Filhos do Tororó. No ano de 1973, mudou-se para São Paulo e assinou contrato com a gravadora paulista Chanteclair, lançando seu primeiro disco, um compacto simples contendo duas composições suas, "Triste samba" e "O ouro e a madeira". Ainda neste ano, com a música "O ouro e madeira", venceu o "1º Concurso de Sambas" realizado no Pelourinho.  Em 1975, o conjunto Nosso Samba regravou pela Odeon "O ouro e a madeira", tornando a música um grande sucesso e projetando o nome do compositor nacionalmente. Ainda nesse ano, retornou a Salvador e participou no Teatro Vila Velha do show "Improviso". Obteve também o primeiro lugar, no mesmo ano, no concurso de sambas-enredos de Salvador. Neste mesmo ano de 1975, gravou seu primeiro LP pela Chanteclair, "Samba, canto livre de um povo", interpretando "O ouro e a madeira", "Pam pam pam" (c/ Batatinha), "Rose" (c/ Nélson Rufino), "Fevereiro eu volto" (c/ Eustáquio de Olivieira) e "Samba, canto livre de um povo", em parceria com Edil Pacheco, entre outras. No mesmo ano, Alcione, no disco "A voz do samba", pela gravadora Philips, interpretou uma composição sua em parceria com Batatinha, "Espera". Em 1976, lançou seu segundo disco, "Ederaldo Gentil - pequenino",  também pela Chanteclair, no qual interpretou diversas composições de sua autoria, como "O rei" (c/ Paulo Diniz), "In-lê-in-lá" (c/ Anísio Félix), "Vento forte" (c/ Eustáquio Oliveira) e "A Bahia vem", em parceria com Batatinha. Ainda nesse ano, Alcione gravou "Agolonã" (c/ Batatinha). No ano seguinte, em 1977, no LP "Pra que chorar", a cantora interpretou de sua autoria "Feira do rolo" e, em 1978, "A volta ao mundo". Por esta época, com Batatinha, montou o show Batatinha o show "O Samba Nasceu na Bahia".  No ano de 1983, pela gravadora Nosso Som Gravações e Produções, lançou o disco "Identidade", no qual foram incluídas as faixas "Luandê" (c/ Capinam), "Provinciano" (c/ Roque Ferreira), "Ternos da Lapinha" (c/ Gereba) e "Choro - dor". Em 1998, a EMI lançou o disco "Diplomacia", de Batatinha. Nesse CD, juntamente com Batatinha, Nélson Rufino, Walmir Lima, Edil Pacheco e Riachão, participou da faixa "De revólver não". Constou ainda, neste mesmo disco, uma de suas parcerias com Batatinha, "Ironia", interpretada por Jussara Silveira. No ano seguinte, foi lançado o CD "Pérolas finas", em sua homenagem. Produzido por seu parceiro e amigo Edil Pacheco, o disco contou com diversas participações especiais, como as de Gilberto Gil e Felipe de Angola em "Luandê", composta após uma viagem do compositor a Angola; Luiz Melodia interpretando "Espera", parceria do compositor com Batatinha; Beth Carvalho em "Eu e a viola"; Elza Soares em "A saudade me mata" e Jair Rodrigues, recriando um sucesso de 1975 do grupo Nosso Samba, em "O ouro e a madeira". Ainda no disco aparecem o compositor e cantor Lazzo interpretando "Rose" (c/ Nélson Rufino) e Carlinhos Brown e Cézar Mendes em "Barraco". O poeta Paulo César Pinheiro prestou homenagem ao amigo interpretando "De menor" e a dupla Paulinho Boca de Cantor e Pepeu Gomes cantou "In-lê-in-lá", composta em homenagem à Mãe Menininha do Gantois. Outras participações se fizeram presentes nas vozes de cantoras novas, como Jussara Pinheiro em "Impressão digital" e Vânia Bárbara em "Oceano de paz". O disco trouxe ainda Edil Pacheco, parceiro e amigo, cantando "Maria da Graça", e a participação do cantor João Nogueira. Na linha de frente dos músicos, constam Maurício Carrillo (violão), Pedro Amorim (bandolim), Cristóvão Bastos (piano), Jorge Simas e Marco 7 Cordas (violões) e Luciana Rabello (cavaquinho). Em 2004 sua composição "Passarela da vida" (c/ Dalmo Castello) foi incluída no CD "Passeador de palavras", de Dalmo Castello. No ano de 2017 seu sobrinho, o músico Luisão Pereira, reuniu seus trêrs discos lançados e mais um de inéditas (com novos artistas gravando a sua obra) em uma caixa de CDs com lançamento de parte de sua obra. Entre seus principais intérpretes constavam Agepê, Alcione, Miltinho, Eliana Pittman, Leny Andrade, Maria Bethânia, Originais do Samba, Beth Carvalho, Elza Soares, Jair Rodrigues e Roberto Ribeiro. Entre seus maiores sucessos estão "O ouro e a madeira", "A Bahia vai bem", "Eu e a viola", "Rose", "Impressão digital", "A volta ao mundo" e "Feira do rolo".

Mais visitados
da semana

1 Pixinguinha
2 Chico Buarque
3 Nelson Cavaquinho
4 Clementina de Jesus
5 Caetano Veloso
6 Pedro de Sá Pereira
7 Lupicínio Rodrigues
8 Tom Jobim
9 Noel Rosa
10 Francisco Alves