Busca:

Dom Salvador

Salvador da Silva Filho
12/9/1938 São Paulo, SP

Dados Artísticos

Em 1961, tornou-se conhecido no meio artístico por suas apresentações na boate Lancaster (SP), ponto de encontro de músicos de jazz. Mudou-se para o Rio de Janeiro, a convite de Dom Um Romão, passando a integrar o Copa Trio. Atuou com o grupo no Beco das Garrafas. Acompanhou Elis Regina, Jorge Ben (hoje Jorge Benjor) e o Quarteto em Cy.

Em 1965, formou, com Edson Lobo (baixo) e Victor Manga (bateria), o Salvador Trio, com quem o qual gravou disco homônimo para o selo Mocambo. Em seguida, formou, com Edison Machado (bateria) e Sérgio Barrozo (contrabaixo), o Rio 65 Trio, com o qual se apresentou em shows e gravou o LP "Rio 65 Trio", lançado nesse mesmo ano.

Em 1966, o trio viajou para a Europa, juntamente com Edu Lobo, Sylvia Telles, Rubens Bassini e Rosinha de Valença, apresentando-se em nove países. Devido ao sucesso, o grupo gravou um LP na Alemanha que teve incluída no repertório a música de sua autoria "Meu fraco é café forte". Ainda nesse ano, foi para os Estados Unidos com Chico Batera, Copinha e Sérgio Barroso, apresentando-se em Nova York, Minneapolis e Texas. Algum tempo depois, voltou a Nova York com Elza Soares para um show no Waldorf Astoria Hotel. Nessa ocasião, fez amizade com vários músicos de jazz, como Bill Evans, Thelonious Monk, Sonny Rollyns, Elvin Jones, Hamad Jamal e Charles Lloyd, entre outros.

De volta ao Brasil, afastou-se do palco, atuando, no entanto, em diversas gravações. Viajou por vários países, trabalhando como pesquisador de música.

Em 1970, tocando piano e acordeom, formou o grupo Abolição, com Darci (trompete), Oberdan (sax-tenor e flauta), Serginho (trombone), Lulu (bateria e vocal), Rubão Sabino (contrabaixo), Nelsinho (tumbadora) e a cantora Mariá. Com o conjunto, embrião do movimento Black Rio, classificou-se, nesse mesmo ano, em 5º lugar no V Festival Internacional da Canção, com sua música "Abolição 1860-1960" (c/ Arnoldo Medeiros).

No ano seguinte, gravou com o conjunto gravou o LP "Sangue, suor e raça". Ainda em 1971, mudou-se para os Estados Unidos.

Em 2003, apresentou-se no Chivas Jazz Festival (RJ), acompanhado por Duduka da Fonseca (bateria), Rogério Butter Maio (baixo) e Dick Oats (sopros).

Lançou, em 2010, o CD "The Art of Samba Jazz", com o qual foi contemplado, em 2012, com o Prêmio da Música Brasileira, na categoria Melhor Álbum/Instrumental. Em 2015, reuniu o Rio 65 Trio para um show em comemoração ao seu cinquentenário no Carnegie Hall nos Estados Unidos, com o baixista original, Sergio Barrozo, e o baterista Duduka da Fonseca, substituindo Edison Machado, morto em 1990. O show se tornou disco, “Live at Zankel Hall in Carnegie Hall”, lançado em 2018, pela Universal Music.

Mais visitados
da semana

1 Noel Rosa
2 Lupicínio Rodrigues
3 Garoto
4 Nalva Aguiar
5 Tom Jobim
6 Pixinguinha
7 Elza Soares
8 Caetano Veloso
9 Assis Valente
10 Luiz Gonzaga