Busca:

Djalma Correa

Djalma Novaes Correa
18/11/1942 Ouro Preto, MG

Dados Artísticos

Depois de estudar alguns meses no Seminário, começou a tocar na Orquestra Sinfônica, o que o obrigou a escolher um instrumento suplementar: o contrabaixo. Obteve do diretor do Seminário uma sala no porão do edifício e lá instalou sua oficina.

Em 1964, participou no Teatro Vila Velha, em Salvador, do espetáculo "Nós por exemplo", do qual tomaram parte Gilberto Gil, Caetano Veloso, Maria Bethânia, Gal Costa, Tom Zé, Perna, entre outros, e que se tornaria o início do movimento que mais tarde ficaria conhecido como "Tropicalismo". Nessa época, definiu-se pela percussão, optando por trabalhar ritmos e instrumentos tipicamente brasileiros. Começou a acrescentar novidades à bateria, que iam desde tambores até um penico. Na Bahia, foi o primeiro a usar tímpano na bateria. No show "Nós por exemplo", apresentou a composição "Bossa 2.000 d. c.", baseada na experiência adquirida com música eletrônica para bateria.

Posteriormente, fez trilhas sonoras de filmes e musicou peças de teatro, além de fazer músicas com fins terapêuticos.

Em 1970, criou o grupo Baiafro, de início integrado por ele e mais dois percussionistas. Trabalhando com música afro-brasileira, o grupo cresceu e chegou a ter 21 integrantes, contando inclusive com bailarinos.

Em 1972, com o Grupo Baiafro, participou do LP "Salomão - The New Dave Pike Set & Grupo Baiafro in Bahia".

Teve participação, também, nos shows do grupo The Dave Pike Set, de The Mild Maniac Orquestra e do guitarrista alemão Volker Kriegel.

Em 1975, tomou parte do disco "Ogum/Xangô", de Jorge Ben e Gilberto Gil. Ainda nesse ano, participou dos discos "Jóia" e "Qualquer coisa", de Caetano Veloso.

Em 1976, resolveu abandonar o grupo Baiafro e transferir-se para o Rio de Janeiro. No mesmo ano, participou com Gilberto Gil, Gal Costa, Caetano Veloso e Maria Bethânia, do espetáculo "Doces Bárbaros". Ainda em 1976, viajou com Maria Bethânia para Roma, onde participou de show de reabertura do Teatro Sistina.

Em 1977, viajou para a Nigéria em companhia de Gilberto Gil, com quem participou do Festival de Arte e Cultura Negra. No mesmo ano, tomou parte da gravação do LP "Refavela", de Gil, com quem se apresentou em shows como percussionista. Também em 1977, editou pela Phonogram o LP "Candomblé", no qual registrou diversos cantos de música ritual do Grupo Ketu, com destaque para a percussão.

Em 1978, participou com Gilberto Gil do Festival de Jazz de Montreux, na Suíça, posteriormente editado em disco. Participou, ainda, ao lado do tecladista Patrick Moraz, músico com o qual gravou dois discos, do I Festival Internacional de Jazz de São Paulo.

Entre 1973 e 1978, realizou diversas viagens pelo Brasil como responsável pelo Projeto Phonogram de Pesquisa e Documentação do Folclore do Brasil. Nessas viagens, recolheu gravações, fotos e filmes, registrando diversas faces do folclore brasileiro, o que chegou a render-lhe uma prisão, sob a acusação de documentar aspectos negativos do país. Em 1979, foi lançada uma série de 25 discos organizada pela Phonogram, como fruto dessa pesquisa.

Em 1980, lançou o LP "Djalma Correa", todo de percussão, gravado pela Philips, na série Música Popular Brasileira Contemporânea.

Em 1987, lançou, com Paulo Moura, Zezé Mota e Jorge Degas, o LP "Quarteto Negro".

Em 2002, dedicou-se, em parceria com o Goethe Institut, ao desenvolvimento do projeto "The German All Stars Old Friend", festival de jazz que reúne músicos alemães aos de outros países.

Mais visitados
da semana

1 Hermeto Pascoal
2 Caetano Veloso
3 Dorival Caymmi
4 Noel Rosa
5 Tom Jobim
6 Festivais de Música Popular
7 João Gilberto
8 Luiz Gonzaga
9 Jane e Herondy
10 Candeia