Busca:

Cláudio de Barros

Cláudio de Barros
Itanhandú, MG

Dados Artísticos

Começou cantando na Rádio Gazeta de Belo Horizonte. Em 1954 fez sua estréia em discos pela Columbia interpretando o samba canção "Não convém insistir", de Odilon Noronha e o baião "Saudade", de Jaime Redondo. Em 1958 foi ouvido pelo compositor e produtor Palmeira que o levou para a gravadora Chantecler, na qual estreou dividindo disco com José Orlando. Na ocasião, gravou de sua autoria a marcha "Copacabana". No ano seguinte gravou de sua autoria o tango "Cinzas do passado", que se tornou um enorme sucesso e de sua autoria e Mário Zan o rasqueado "Meu primeiro beijo" e de Mário Terezópolis o tango "Destino". Em 1960 registrou de sua autoria o tango "Fracasso de amor", de sua autoria e J. M Alves, o tango "Pobre boêmio" e do maestro Guerra Peixe, o bolero "Cartas recebidas". No ano seguinte gravou o samba "Ponte da Vila Maria", de sua autoria e Ivani Soares, marcha "Cabelo branco", parceria com Huagih Bacos, o rasqueado "O beijo", parceria com Valter Amaral e o tango "Taça da amargura", parceria com Osvaldo Bettio, entre outras. Em 1962 gravou de sua autoria o rasqueado "Sou de Ponta Porã," de Murilo Alvarenga e Delamare de Abreu, o tango "Quem viu esta mulher outrora" e de Osvaldo Bettio e Ariovaldo Pires, o lendário Capitão Furtado, a toada lundu "Amor e ciúme". No ano seguinte fez em parceria com o compositor e produtor Teddy Vieira o arrasta-pé "Toca sanfoneiro", gravado na mesma época. Entre seus grandes sucessos estão "Teu desprezo", "Madrugada fria", "O beijo" e "O divórcio". Lançou ainda pela CID o LP "Ternura, amor e paz". Segundo o instrumentista e produtor Robertinho do Acordeon, foi o primeiro artista a migrar do chamado gênero romântico e passar para o sertanejo, assim como faria anos depois o cantor Sérgio Reis.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Hermeto Pascoal
3 Dorival Caymmi
4 Tom Jobim
5 Irmãs Galvão
6 Nelson Cavaquinho
7 Luiz Gonzaga
8 Festivais de Música Popular
9 Roberto Carlos
10 Chitãozinho e Xororó