Busca:

Chianca de Garcia

Eduardo Chianca de Garcia
14/5/1898 Portugal
28/1/1983 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Iniciou a carreira artística em 1923, quando escreveu com  Norberto Lopes a peça "Filha do Lázaro", apresentada no Teatro Politeama. Em 1937, escreveu, com o também conhecido artista português Tomás Ribeiro Colaço, a revista: "Água Vai!", que fez sucesso quando apresentada no Teatro  da Trindade. Em Portugal dirigiu os filmes "O trevo de quatro folhas", de 1936, e dois anos depois o filme "A rosa do adro". Em 1940, mudou-se para o Brasil e no mesmo ano dirigiu o filme "Purezas", e no ano seguinte, "24 horas de sonho". Na década de 1940, fez a montagem de diversos espetáculos musicais no Cassino da Urca. Em 1945, teve duas parcerias com o maestro Vicente Paiva gravadas com sucesso pela cantora Dircinha Batista: os sambas "Calendário" e "Não tens a lua". Ainda no mesmo ano, Heleninha Costa gravou com sucesso o hoje clássico samba "Exaltação à Bahia", parceria com Vicente Paiva. Em 1947, sua companhia estreou o espetáculo "Um milhão de mulheres", escrito por J. Maia e Humberto Cunha, estrelado entre outros, por Grande Otelo e Salomé Parísio. Em 1948, o grupo Quatro Ases e um Coringa lançou o samba "Bahia de todos os Santos", parceria com Vicente Paiva, pela Odeon. Em 1950, escreveu com Hélio Ribeiro e produziu a superprodução "Escândalos" que marcou a estréia de Bibi Ferreira no teatro de revistas. No mesmo ano, fez grande sucesso o samba "A Bahia te espera", parceria com Herivelto Martins, e lançado pelo Trio de Ouro. Em 1951, quando da inauguração da TV Tupi, lá trabalhou como diretor em diversos programas. Em 1952, foi o roteirista do filme "Appassionata" de Fernando Barros. Em 1955, o fox-trot "Aquilo que eu vejo", com Vicente Paiva, foi gravado na Continental por Linda Rodrigues. Em 1962, teve as composições "Exaltação à Bahia" e "Bahia de todos os santos", com Vicente Paiva, e "A Bahia te espera", com Herivelto Martins, regravadas por Lana Bittencourt no LP "Exaltação à Bahia", da Columbia. O samba "A Bahia te espera", com Herivelto Martins, receberia ainda diversas gravações: em 1956, no LP "Calendário páginas brasileiras - Henrique Simonetti com Orquestra e Conjunto" da gravadora Polydor; em 1965, por Dalva de Oliveira no LP "Rancho da Praça Onze" da Odeon; no mesmo ano no LP "Rio de 400 janeiros", trilha sonora do musical" de Carlos Machado, apresentado no Golden Room do Copacabana Palace - Rio de Janeiro, e gravado em LP do selo Elenco com direção do maestro Lindolfo Gaya; por Maria Bethânea no LP "Pássaro proibido" de 1976, da Philips; pelo Trio de Ouro em sua terceira formação com Herivelto Martins, Raul Sampaio e Shirley Dom, para o LP "Herivelto Martins - Que Rei sou eu?", de 1993, um tributo da Funarte a Herivelto Martins, e pelo grupo Fundo de Quintal no LP "Carta musicada" lançado em  1994 pela RGE. Com longa carrera artística desenvolvida no Brasil seu nome ficou marcado na História da música popular no Brasil pelos espetáculos musicais que dirigiu e por parcerias musicais com Vicente Paiva e Herivelto Martins.

Mais visitados
da semana

1 Gabriela Machado
2 Festivais de Música Popular
3 Leo Canhoto e Robertinho
4 Hermeto Pascoal
5 Lupicínio Rodrigues
6 João do Vale
7 Dona Ivone Lara
8 Dorival Caymmi
9 Música Sertaneja
10 Luiz Gonzaga