Busca:

Carolina Cardoso de Menezes

Carolina Cardoso de Menezes Cavalcanti
27/5/1916 Rio de Janeiro, RJ
31/12/1999 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Uma das instrumentistas que mais presente esteve no desenvolvimento do rádio e da indústria fonográfica brasileira, memória viva dessa época, acompanhou inúmeros cantores em programas radiofônicos e gravações em 78 rpm. Lançou também inúmeros discos solo, com composições de grandes artistas nacionais, além de suas próprias composições. Teve fundamental importância na transposição do choro para o piano. Intérprete por excelência de Ernesto Nazareth, interpretou também Zequinha de Abreu, Pixinguinha e outros autores brasileiros. Eclética, gravou gêneros estrangeiros também, chegando a compor foxes e até mesmo um "rock", do qual foi precursora no Brasil, no final de década de 1950. Começou a trabalhar nas emissoras de rádio do Rio de Janeiro em 1930. No mesmo ano, participou da histórica gravação do samba "Na Pavuna", de Almirante e Homero Dornelas, ocasião em que deu sugestões importantes, narradas por Sérgio Cabral em seu livro "No tempo de Almirante": "Almirante, que além de ter criado a letra da segunda parte e as três batidas que se seguem ao coro de "Na Pavuna" (certamente o ‘gimmick’ da música), improvisou durante a gravação, chamando o ritmo com o grito "escola" e introduzindo um breque: "Olá seu Nicoláu, quer mingáu?", ganhando, em troca, uma resposta bem-humorada de Carolina Cardoso de Menezes ao piano. Carolina, por sinal, começa tocando a introdução e não tira mais a mão do piano, até o final da gravação". A primeira rádio em que trabalhou foi a Sociedade do Rio de Janeiro. Em seguida, passou pelas rádios Educadora, Philips e Mayrink Veiga.

Em 1931, gravou seu primeiro disco, pela Parlophon, com duas composições de sua autoria: o fox "Good bye" e o samba "Eu passo". Na época, participou do Festival Parlophon no Teatro Cassino Beira-Mar, ao lado de Eduardo Souto, do Bando de Tangarás, de Elisa Coelho, Ary Barroso, Luperce Miranda, Tute e outros. Participou também do "1º Broadway Cocktail", show promovido pelo empresário e dono do Cibe Teatro Broadway, que, segundo a imprensa da época, funcionava como "aperitivo para os filmes."

Em seguida, gravou dois foxes, "Foi um sonho", de Glauco Viana e "Ela me trata bem", de sua autoria. Também no mesmo ano, fez a trilha sonora para o filme "Mulher", com direção de Otávio Gabus Mendes e fotografia de Humberto Mauro.

Em 1933, gravou na Odeon os fox-trotes "I have money" e "My sweet haven", de sua autoria. No ano seguinte gravou, também de sua autoria, o choro "Comigo é assim" e o fox-blue "Preludiando". Em 1935, transferiu-se para a Rádio Tupi do Rio de Janeiro. No mesmo ano, gravou na Odeon o choro "Novidade", de sua autoria e o batuque "Caboclinha", de Osvaldo Cardoso de Menezes. Em 1936, acompanhou ao piano na Odeon, o cantor Jorge Fernandes na gravação do coco "Gibi bacurau", de sua autoria e em "Pregões cariocas", de João de Barro. No ano seguinte, acompanhou com Seus Batutas, a gravação do disco da dupla sertaneja Alvarenga e Ranchinho, que trazia o cateretê "Papagaiada" e no samba "Seu Macário"

Em 1939, gravou na Victor um pout-pourri com os sambas "É bom parar/Juro" e "Não tenho lágrimas/Tenha pena de mim". No mesmo ano, seu fox-canção "Nossa melodia", parceria com J. Carlos Lisboa, foi gravado por Francisco Alves na Odeon. No ano seguinte, compôs com Saint Clair Sena a canção "Já fui feliz", gravada por Francisco Alves. Em 1941 gravou na Victor os sambas "Palpite infeliz", de Noel Rosa e "Agora é cinza", de Alcebíades Barcelos e Armando Marçal, este último, em ritmo de fox. Em 1942, gravou de sua autoria o fox "Potpourri de melodias" e o choro "Eu sou do barulho". No mesmo ano, acompanhou ao piano com seu quarteto a gravação do fox "Eu, você e mais ninguém" e do samba "Amor próprio", por Francisco Alves, na Odeon. Ainda no mesmo ano, gravou na Victor o primeiro de uma série de cinco discos em dueto com o violonista Garoto interpretando o fox "Maria Elena", de Lorenzo Barcelata e o choro "Amoroso", de Garoto. No ano seguinte, gravou mais dois discos com Garoto, interpretando "Amor-Celito lindo", de G. Ruiz e "Jalousie", de Jacob Gade, em ritmo de fox e os choros "Tico-tico no fubá", de Zequinha de Abreu e "Carinhoso", de Pixinguinha e João de Barro.

Em 1944, gravou os dois últimos discos com o violonista Garoto No primeiro, interpretou os choros "Rato, rato", de Casemiro Rocha e "Fala bandolim", de José Augusto Gil e, no segundo, que contou com os vocais de Ruy Rey, o fox "Dor de um coração", de José Augusto Gil e "Os patinadores", de Waldteufel. Em 1950, após seis anos sem gravações solo ingressou na Sinter e laçou o primeiro disco da gravadora, com os choros "Pombo correio" e "Regressando", de sua autoria. Em 1951, gravou "Baionando", um pot-pourri de baiões de Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga e o choro "Expressinho", de sua autoria. No mesmo ano, gravou a modinha "Luar de Paquetá", de Freire Júnior e o choro "Malandrinho", de Gadé.

Em 1952, compôs com Everaldo Bahia, o choro "Nossa amizade" e o bolero "Beijos de amor", gravados por ela na Sinter no mesmo ano. Em 1953, gravou ao piano de sua autoria o baião "Fla-Flu" e o choro "Rapadura". No mesmo ano, gravou na Sinter, de Ernesto Nazareth, os choros "Brejeiro" e "Escorregando". No ano seguinte, gravou de Nonô, o choro "Uma farra em Campo Grande". Ainda no mesmo ano, gravou na Sinter mais dois choros de Ernesto Nazareth "Odeon" e "Tenebroso". Também em 1954, lançou o LP "Sucessos em desfile nº 1", no qual interpretou entre outras, "Se você jurar", de Nilton Bastos, Ismael Sila e Francisco Alves, "Kalú", de Humberto Teixeira e "Jura", de Sinhô. Em 1955, gravou os sambas "Ai que saudades da Amélia", de Ataulfo Alves e Mário Lago e "Maria boa", de Assis Valente. No mesmo ano, gravou o fox "Um yankee em Ipirapuera", de João Grimaldi e o choro "Derrapando na Gávea", de sua autoria.

Também no mesmo ano, participou do II Festival da Velha Guarda, na Rádio Record paulista, organizado por Almirante, ao lado de J. Cascata, Donga, João da Baiana, Dilermando Reis, Radamés Gnattali, Gilberto Alves, entre outros. Ainda no mesmo ano, gravou pela Odeon o LP "Sucessos em desfile nº2", tocando composições como "Pomba gira", de João da Baiana, "Com que roupa", de Noel Rosa, "Me leva seu Rafael", de Caninha e "Camisa listada", de Assis Valente. Gravou também na mesma época, o LP "Lembrando Carmen Miranda", no qual interpretou 8 composições gravadas por Carmen Miranda, entre as quais, "Alô, alô", de André Filho, "Adeus batucada", de Synval Silva e "O que é que a baiana tem?", de Dorival Caymmi.

Em 1956, gravou o samba "Se acaso você chegasse", de Lupicínio Rodrigues e Felisberto Martins e o choro "Atômico", de Ray Fortuny. No mesmo ano, gravou pela Odeon dois pot-pourris com músicas de carnaval. Em 1957, gravou os sambas "Despedida de Mangueira", de Benedito Lacerda e Aldo Cabral e "Maria, Maria", de Tuiú. No mesmo ano, tornou-se um das pioneiras do rock no Brasil ao gravar "Brasil rock", de sua autoria. Também no mesmo ano, lançou o LP "Teleco teco", interpretando ao piano, "Falsa baiana", de Geraldo Pereira, "Cristo nasceu na Bahia", de Sebastião Cyrino e Duque, "Ora vejam só", de Sinhô, "Faceira", de Ary Barroso e outras. No ano seguinte gravou o bolero mambo "Covardia", de Getúlio Macedo e Lourival Faissal e o fox-trot "Patrícia", de Perez Prado.

Em 1960, lançou o LP "Carolina no samba", apresentando "A coroa do rei", de Haroldo Lobo e David Nasser, "Bahia com H", de Denis Brean, "Olhos verdes", de Vicente Paiva e "Barracão", de Oldemar Magalhães e Luiz Antônio. Em 1967, compôs a marcha-rancho "Aquela rosa que você me deu", em parceria com Armando Fernandes, que, interpretada por Ellen de Lima no II Concurso de Músicas de Carnaval, promovido pelo MIS e pela Secretaria de Turismo do Estado da Guanabara em 1968, ficou classificada em segundo lugar, graças a influências de dois jurados, seus declarados admiradores, Jacob do Bandolim e Ricardo Cravo Albin, que queriam a música em primeiro lugar, atribuído afinal a Zé Kéti. Aposentou-se da Rádio Nacional em 1968, onde apresentou o programa "O piano da Carolina". Atuou também na Rádio Sociedade. A partir dos anos 1970, diminuiu suas atividades artísticas, apesar de continuar a se apresentar até o fim da vida. Em 1989, a Eldorado lançou o LP "Fafá e Carolina - Fafá Lemos e Carolina Cardoso de Menezes, com 13 composições, entre as quais, "No rancho fundo", de Ary Barroso e Lamartine Babo, "Bem-te-vi atrevido", de Lina Pesce, "Ninguém me ama", de Fernando Lobo e Dolores Dura e "Conversa de botequim", de Noel Rosa e Vadico.

Em 1997, gravou um CD pelo selo Accoustic, com clássicos do choro, de Ernesto Nazareth, Pixinguinha e Zequinha de Abreu, entre outros, como "Preludiando".

Em 1999, participou de um recital na Sala Cecília Meireles no Rio de Janeiro, a fim de angariar fundos pa ara a Rádio MEC. Sua última aparição pública foi em outubro do ano 1999, na Sala Funarte (RJ), em recital da pianista Maria Teresa Madeira, quando chegou a tocar alguns de seus sucessos. Faleceu levando consigo a tristeza de não ter sido convidada para participar do encerramento da minissérie "Chiquinha Gonzaga", produzida pela TV Globo em 1999. A pianista Maria Tereza Madeira lançou, em fevereiro de 2001, um CD em sua homenagem, só com composições da pianista.

Mais visitados
da semana

1 Lupicínio Rodrigues
2 Hermeto Pascoal
3 Joaquim Calado
4 Caetano Veloso
5 Noel Rosa
6 Festivais de Música Popular
7 Tom Jobim
8 Dorival Caymmi
9 Pixinguinha
10 Música Sertaneja