Busca:

Candeia

Antônio Candeia Filho
17/8/1935 Rio de Janeiro, RJ
16/11/1978 Rio de Janeiro, RJ

Biografia

Compositor. Cantor. O pai, Antônio Candeia, era tipógrafo, flautista e integrante de comissões de frente de escolas de samba. Quando criança, na data de seu aniversário, o pai promovia uma roda de samba para os amigos adultos, regada à cachaça e a feijão. Desde os seis anos de idade, frequentava as rodas de samba e choro, organizada por seu pai, sambista e boêmio, amigo de Paulo da Portela, João da Gente, Claudionor Cruz e Zé da Zilda. Aprendeu a tocar violão e cavaquinho e passou a participar das reuniões de sambistas na casa de Dona Ester, em Oswaldo Cruz. Por essa época, conheceu e fez amizade com vários compositores como Luperce Miranda.  Também era freqüentador dos terreiros de candomblé, das rodas de capoeira e da Escola de Samba Vai Como Pode, que deu origem à Portela. Começou a compor aos 13 anos. O primeiro samba-enredo para a Portela foi "Seis datas magnas", em parceria com Altair Marinho. Com esse samba, em 1953, a escola foi campeã no carnaval daquele ano, obtendo nota máxima em todos os quesitos. Por essa época, com alguns amigos, fundou a Ala da Mocidade da Portela. Mais tarde, integrou a Ala dos Impossíveis, considerada por Paulo da Portela como a ala que mais deu fruto para a escola. Em 1957, aos 22 anos, entrou para a Polícia Civil, assumindo o cargo de Investigador. Policial severo vivia prendendo prostitutas e malandros. Certa vez, em uma sinuca, chegou a pedir documentos a um certo rapaz que mais tarde seria conhecido como Paulinho da Viola. No dia 13 de dezembro de 1965, após abordar um caminhão e ao esvaziar o revólver nas rodas do veículo, foi surpreendido pelo motorista que lhe desfechou cinco tiros. Um deles alojou-se na medula óssea. Logo depois, já paralítico, foi  obrigado a afastar-se da profissão e passou a dedicar-se exclusivamente à carreira artística. Em 8 de dezembro de 1975, desiludido com o gigantismo assumido pelas escolas, inclusive a Portela, fundou, ao lado de outros compositores como Nei Lopes e Wilson Moreira, o Grêmio Recreativo de Arte Negra e Escola de Samba Quilombo. Inicialmente, a nova escola teve sede em Rocha Miranda e logo depois mudou-se para Acari, sendo Candeia o primeiro presidente do conselho deliberativo. Em 1978, em parceria com Isnard, lançou o livro "Escola de Samba - A Árvore que Esqueceu a Raiz", pela Editora Lidador/Seec. De acordo com o crítico Mauro Ferreira: "Tal qual Zumbi dos Palmares, Candeia era o Zumbi dos terreiros cariocas, desbravando caminhos e lutou para manter erguida a bandeira dos partidos mais altos e do orgulho negro.". No ano de 1987 foi publicado pela Funarte, em coedição com a Martins Fontes, o livro "Candeia: luz da inspiração", de João Batista M. Vargem. Em 2002 foi lançado o livro "Velhas Histórias, memórias futuras" (Editora Uerj) de Eduardo Granja Coutinho, livro no qual o autor faz várias referências ao compositor. Sua vida e obra também foram temas de dois documentários em longas-metragens: "Eu sou o povo!", de Bruno Bacellar, Luís Fernando Couto e Regina Rocha) e "É Candeia", dirigido por Márcia Waltzl. Em 2007 o texto "É samba na veia, é Candeia", de Eduardo Rieche, foi o vencedor do "Seleção Brasil em Cena 2007", concurso nacional de dramaturgia promovido pelo Centro Cultural Banco do Brasil. No ano seguinte o texto foi levado ao palco do CCBB com direção cênica de André Paes Leme e direção musical de Fábio Nin. Estrelado pelo ator Jorge Maya, a peça sobre a obra e a vida do compositor ficou em cartaz por vários meses, atraindo um público de cinco mil espectadores e acumulando prêmios, tal como "Melhor Espetáculo de 2008", pelo júri do Jornal do Brasil, sendo também indicado ao "Prêmio Shell 2008" nas categorias de "Melhor Texto" e "Melhor Direção Musical". No ano de 2009 a peça foi levada ao palco do Centro Cultural Veneza, em Botafogo e posteriormente estreou temporada no teatro Ôi Casa Grande, no Leblon, no Teatro Villa-Lobos, em Copacabana, ambos os bairros na Zona Sul do Rio de Janeiro. Em 2011 foi finalizado o documentário "Candeia - Sangue, Suor e Lágrimas", dirigido por Felipe Nepomuceno. Neste mesmo ano sua filha Selma Candeia (Presidente do Grêmio Recreativo de Artes Negras Quilombo) deu início à pesquisa de um livro sobre o compositor, trabalho no qual vários familiares e amigos prestaram entrevistas sobre o sambista. No ano de 2018 estreou no "11º Encontro de Cinema Negro Brasil, África e Caribe", no Cine Odeon, Cinelândia, no Rio de Janeiro, o filme "Candeia", do diretor Luiz Antônio Pilar.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Assis Valente
3 Tom Jobim
4 Nelson Cavaquinho
5 João Gilberto
6 Música Sertaneja
7 Hermeto Pascoal
8 Gilberto Gil
9 Chico Buarque
10 Ary Barroso