Busca:

Camisa de Vênus



Não deixe de ver:

Dados Artísticos

Grupo vocal e instrumental de punk rock formado em Salvador (BA) em 1980. De acordo com Marcelo Nova, o critério de escolha do nome do grupo foi o de designar algo 'incômodo e desagradável como o som do grupo'. Com influências dos grupos punks ingleses, tais como Sex Pistols, the Clash, The Jam e The Damned, e de Raul Seixas, o patrono do rock na Bahia, o grupo iniciou sua carreira em 1982, apresentando-se em Salvador no show intitulado "Ejaculação precoce". O show provocou tanta polêmica que o jornal soteropolitano "A Tarde" fez campanha para que a censura vetasse tanto o nome do grupo, como também o do espetáculo. Porém, tal polêmica acabou promovendo o grupo, que, no ano seguinte, lançaria seu primeiro compacto pela Fermata. Uma de suas músicas, "Meu primo Zé", acabou sendo bem executada não só na Bahia, como também na Região Sudeste. Em 1983, com apenas um compacto lançado fizeram show para 20.000 pessoas em Salvador. No mesmo ano lançaram pela Som Livre o primeiro LP, que, além de "Meu primo Zé", trazia as composições "Bete morreu" de Marcelo Nova e Robério Santana e "O adventista" de Marcelo Nova e Karl Hummel, além das versões "Passatempo", da música "That's entertainment", do The Jam, e "Negue", um clássico da música popular brasileira de autoria de Adelino Moreira e Enzo Passos, que na versão do grupo ganhou um formato punk rock.    Apesar do sucesso, a gravadora decidiu que o grupo teria de mudar de nome, pois o achava por demais agressivo e anticomercial. Como a banda não aceitou, o contrato foi rescindido e o grupo ficou dois anos sem gravadora, apresentando-se apenas em shows. Somente em 1985 assinou contrato com a RGE, que no mesmo ano relançou o primeiro disco e lançou outro, com canções inéditas, chamado "Batalhão de estranhos". O maior sucesso do disco foi "Eu não matei Joana D'arc", de Marcelo Nova e Gustavo Mullen, tendo também como destaque uma versão de "Gotham City", música de Jards Macalé e Capinam, "Casas modernas", de Marcelo Nova e Gustavo Mulle e "Lena", de Marcelo Nove e Karl Humel. No ano seguinte, gravou no Clube Caiçara, em Santos (SP), seu primeiro disco ao vivo: "Viva". O maior sucesso do disco foi "Sílvia", acompanhado pelo indefectível coro da platéia gritando "piranha". Ainda em 1986, trocou a RGE pela WEA, que no mesmo ano lançou o LP "Correndo o risco", cujo maior sucesso foi "Simca Chambord", Marcelo Nova, Miguel Cordeiro, Gustavo Mullen e Karl Hummel. Também destacou-se a composição "Deus me dê grana", de Marcelo Nova, Karl Hummel e Gustavo Mullen. No mesmo disco o grupo fez uma versão para "Ouro de tolo", de Raul Seixas". Em 1987, lançaram "Duplo sentido", álbum duplo cujo lado D apresentou apenas covers, entre os quais "Enigma", de Adelino Moreira, "Farinha do desprezo", de Jards Macalé e Capinam, "Aluga-se", parceria de Raul Seixas com Cláudio Roberto, e "Canalha", de Walter Franco. O disco contou com a participação especial de Raul Seixas na faixa "Muita estrela, pouca constelação", de autoria de Raul e Marcelo Nova. O álbum vendeu 40.000 cópias e foi o último dessa primeira fase do grupo. Com o fim do conjunto, Marcelo Nova formou o grupo "Envergadura moral" e gravou com seu ídolo Raul Seixas o disco "A panela do diabo". Neste mesmo disco, a música "Último tango", de Marcelo Nova, Karl Hummel e Gustavo Mullen foi proibida pela censura de ser executada publicamente. A banda só viria a se reunir novamente em 1995, com Luís Sérgio Carlini no lugar de Mullen, Franklin Paolillo, no de Boitatá, e com o tecladista Carlos Alberto Calazans. Nessa segunda fase o grupo já lançou dois CDs, ambos pela Polygram. Em 1997 foi lançado o CD "Quem é você", marcando o retorno da banda, trazendo entre outras composições, uma versão de "Radinho de pilha", sucesso de Genival Lacerda e "Don't let me be misunderstood", do grupo de rock inglês The Animals. Trazia também a faixa título, "seu jeito de olhar" e "O ponteiro tá subindo", todas com autoria de Marcelo Nova. Em 2015, em comemoração aos 35 de fundação da banda, o grupo foi refeito com as entradas de Célio Glouster, Leandro Dale e Drake Nova, além dos remanescentes Marcelo Nova e Robério Santana. A banda realizou uma tournê com 14 apresentações em diferentes cidades, a maior desde a primeira separação do grupo em 1987, e que começou com apresentação no Circo Voador, no Rio de Janeiro. Nesses shows foram interpretados sucessos como "Bete morreu!, de Marcelo Nova e Robério Santana, "Rosto e aeroportos", de Marcelo Nova e Gustavo Mullen, "A ferro e fogo", de Marcelo Nova, Karl Hummel e Gustavo Mullen, "Simca chambord", de Marcelo Nova, Karl Hummel, Gustavo Mullen e M.  Cordeiro, e "Eu não matei Joana Dark", de Marcelo Nova e Gustavo Mullen, entre outras. Em 2017, realizou show no Circo Voador intitulado "Camisa canta Raul", uma homenagem ao cantor e compositor Raul Seixas, além de interpretar sucessos da banda.

Mais visitados
da semana

1 Durval e Davi
2 Tiee
3 Vinicius de Moraes
4 Martha Rocha
5 Creone e Barrerito
6 Gilberto Monteiro
7 Festivais de Música Popular
8 Alceu Valença
9 Mayck e Lyan
10 Luiz Gonzaga