Busca:

Bonfíglio de Oliveira

Bonfiglio de Oliveira
27/9/1891 Guaratinguetá, SP
19/5/1940 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Considerado um dos maiores instrumentistas de seu tempo, ao lado de Pixinguinha e Luís Americano. Atuou no Grupo da Guarda Velha e nos Diabos do Céu.

No Rio de Janeiro, passou a integrar a Orquestra do Cinema Ouvidor, dirigida pelo maestro Lafaiete Silva e da qual também fazia parte Pixinguinha. Concluiu seus estudos no Conservatório Musical do Rio de Janeiro, e passou a atuar intensamente como trompetista e contrabaixista em diversos cinemas e teatros cariocas. Ingressou, posteriormente, na Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro, dirigida na época pelo maestro Francisco Braga. Sua primeira gravação sem data precisa foi "Sonho de maxixe", de sua autoria na Odeon. Também sem data precisa, foi gravada por Edgard Freitas na flauta seu maxixe "O malandrinho", também na Odeon. Em 1918, em sua cidade natal compôs a valsa "Glória", considerada sua grande obra, feita em homenagem a uma grande paixão. Por essa época, participou das primeiras formações do conjunto "Os Batutas". Em 1919, atuou como compositor e diretor de harmonia do desfile do Rancho Ameno Resedá. Em 1925, fez com Pixinguinha e outros músicos uma histórica apresentação no Cine Teatro Central na sua cidade natal de Guaratinguetá acompanhdo pelos dançarinos Duque e Gaby. Em 1928, Francisco Alves e Gastão Formenti gravaram na Odeon, de sua autoria, o maxixe "Não posso comer sem molho". Em 1930 gravou na Brunswick, de sua autoria o choro "Arlete". Ainda em 1930, foi homenageado pelo Presidente Washington Luís, que o presenteou com um pistom de prata com uma inscrição numa chapa de ouro que dizia: "ao maior pistonista do Brasil, Bonfiglio de Oliveira - homenagem do Governo de Washington Luís". No mesmo ano, teve a modinha "Teus olhos castanhos", parceria com Lamartine Babo gravada por Augusto Calheiros na Parlophon.

Em 1931 gravou na Victor a valsa "Terezinha" e o choro "Flamengo", homenagem ao bairro carioca onde morava, ambas de sua autoria. Também em 1931 teve a valsa "Glória", com versos de Branca M. Coelho gravada por Gastão Formenti na Columbia. No ano seguinte gravou o choro "Lembranças do passodo", de sua autoria e a valsa "Mar de Espanha", composta em parceria com Rogério Guimarães e L. R. Evandro. Gravou também, com canto de Luciano Perrone, a valsa "Alvorada", parceria com Orestes Barbosa. Neste mesmo ano, participou da gravação original de "O teu cabelo não nega", de Lamartine Babo e Irmãos Valença, registro histórico da Música Popular Brasileira. Por essa época, atuou com a orquestra da Companhia Arruda com a qual percorreu diversos estados brasileiros. Atuou também com a Companhia Jardel Jércolis, apresentando-se em cidades portuguesas, numa longa temporada. Com a Orquestra do Cassino Atlântico visitou a Itália, França e Espanha - quando foi apontado pelos críticos europeus como um dos maiores trompetistas do mundo. Durante a década de 1930, como solista e integrante de orquestra, atuou no Programa Casé, da Rádio Philips. Em dezembro de 1933 teve a marcha "Carolina", parceria com Hervê Cordovil gravada por Carlos Galhardo na Victor. Essa marcha se tornou grande sucesso no carnaval do ano seguinte. Ainda em 1933, como integrante da Companhia Jardel Jércolis apresentou-se numa das mais afamadas casas de espetáculos da Europa na ocasião, o Coliseu dos Recreios em Lisboa. Apresentou-se ainda na Espanha e na França.

Em 1934 teve de sua parceria com André Filho, a marcha "Chorando", gravada por Aurora Miranda e de sua autoria e Herivelto Martins, a marcha "Mais uma estrela", gravada por Mário Reis. No mesmo ano, atuou com o grupo "Bonfíglio e Sua Embaixada", com o qual participou de algumas gravações com a Dupla Preto e Branco. Em 1935 teve a marcha "Mariana", parceria com Lamartine Babo e o samba "É de verdade", parceria com Herivelto Martins, gravadas por Carlos Galhardo na Columbia.

Em 1936, Carlos Galhardo gravou de sua autoria, a marcha "Madalena". Em 1937 gravou de sua autoria o choro "O que se pode arranjar". No outro lado do disco, a Orquestra Típica Victor gravou, também de sua autoria o choro "Saudades de Guará". No mesmo ano, Ascendino Lisboa gravou a marcha "Margarida" e o maxixe "O teu sapateado", parcerias com Valfrido Silva. Instrumentista de destacada atuação, teve sempre como companheiros extraordinários músicos como Pixinguinha, Donga, Luís Americano, João da Baiana, Luciano Perrone, Luperce Miranda, entre tantos outros grandes nomes da Música Popular Brasileira. Em 1939, fez sua última apresentação na cidade de Guaratinguetá, no Cine Teatro Central tocando com os instrumentistas José da Silva Lacaz, Lauro dos Santos, Sebastião Guimarães, José Meirelles e o conjunto Os 7 Bemóis. Em 1952, sua canção "Flor do ipê" foi gravada em arranjo para baião pelo organista André Penazzi em disco da gravadora Star. Em 1979, foi lançado o segundo disco da série Revivendo, que apresenta suas obras interpretadas por Copinha e seu Conjunto. Em 2001 o mesmo selo Revivendo lançou um CD com fonogramas originais por ele gravados ao lado de Pixinguinha nas décadas de 1910 e 1920. Em 2002, foi homenageado no desfile das escolas de samba de Guaratinguetá, quando a principal instituição carnavalesca da cidade apresentou para platéia numerosa a história de sua vida e de suas glórias na MPB. Em 2003, o selo Revivendo lançou o CD "Bonfíglio de Oliveira" com 21 obras de sua autoria. Nesse disco as valsas "Therezinha" e "Mar de Espanha", e os choros "Lembranças do passado", "Flamengo" e "O que se pode arranjar" estão presentes com interpretações suas em solo de pistão, além dos maxixes "Não posso comer sem molho", cantado em dueto por Gastão Formenti e Francisco Alves com acompanhamento da Orquestra Pan Americana do Cassino Copacabana, e "O teu sapateado", com Walfrido Silva, na interpretação Ascendino Lisboa; os choros "Amoroso", interpretado pelo Quarteto Bruswick; "Isso é nosso" e "Saudades de Guará", pela Orquestra Típica Victor; "Arlete", "Odete" e "Estou amando", pelo Conjunto Típico Brasileiro; e "Triste alegria", por Garoto em solo de bandolim; as marchas "Mais uma estrela", com Herivelto Martins, na voz de Mário Reis; "Chorando", com André Filho, interpretada por Aurora Miranda, e "Margarida", com Walfrido Silva cantada por Ascendino Lisboa; a modinha "Teus olhos castanhos", com Lamartine Babo cantada por Augusto Calheiros; ; as canções "Saudade gaúcha", nas vozes de Gastão Formenti e Sílvio Caldas, e "Frô do ipê", com Nelson de Abreu cantada por Silvio Vieira, e a valsa "Gloria", com Branca M. Coelho na voz de Gastão Formenti. Integrou a Orquestra da Rádio Philips, a Orquestra Tipica Victor, a Orquestra Victor Brasileira, Os Oito Batutas e o grupo Diabos do Céu. Foi sepultado no cemitério Municipal de Guaratinguetá e em sua lápide foi fgeita a seguinte inscrição: "Com a sua arte atingiu a imortalidade".

Mais visitados
da semana

1 Noel Rosa
2 Hermeto Pascoal
3 Criolo
4 Irmãs Galvão
5 Caetano Veloso
6 Festival da Música Popular Brasileira (TV Record)
7 Gilberto Gil
8 Tom Jobim
9 Marcio Proença
10 Nelson Cavaquinho