Busca:

Bezerra da Silva

José Bezerra da Silva
23/2/1927 Recife, PE
17/1/2005 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Ingressou na bateria do Bloco Carnavalesco Unidos do Cantagalo, tocando tamborim. No ano de 1950, conheceu Doca (José Alcides), um dos autores da música "General da banda" (José Alcides, Tancredo Silva e Sátiro de Melo), também morador do Morro do Cantagalo, que o convidou para participar do "Programa da Rádio Clube do Brasil". Começou sua carreira como músico profissional acompanhando vários artistas de renome. Integrou a Orquestra da Copacabana Discos em 1960. Em 1965, teve sua primeira música, "Nunca mais" (c/ Norival Reis), cantada por Marlene, pela Continental. Gravou o  primeiro LP pela Copacabana Discos em 1969, um compacto simples com as músicas "Mana, cadê meu boi?" e "Viola testemunha". No ano de 1974 Zuzuca gravou de sua autoria "Decadência", em parceria com Baianinho. Em 1975, pela Tapecar, lançou o primeiro LP, "Bezerra da Silva - o rei do coco volume 1", fazendo sucesso com a música "O rei do coco". No ano seguinte, pela mesma gravadora, lançou o LP, "Bezerra da Silva - o rei do coco volume 2", destacando-se a música "Cara de boi". Gravou pela CID, em 1977, um LP só de sambas, "Partido alto nota 10 volume 1", ingressando, também, na Orquestra da TV Globo, na qual permaneceu até 1985. No ano de  1978, participou do disco "Partido-alto nota 10 volume 2", do qual despontou com o sucesso nacional "Pega eu que sou ladrão", de autoria do compositor Criolo Doido. No ano posterior, foi contratado pela gravadora RCA Victor, na qual permaneceu por 14 anos. Em 1980, lançou, em parceria com Ney Jordão, o LP "Partido-alto nota 10", pela gravadora CID. Em 1983, lançou, pela RCA Victor, o LP "Produto do morro", com destaque para a música "Minha sogra". Dois anos depois, lançou, pela mesma gravadora, o disco "Malandro rifle". Em 1986, com o lançamento do disco "Alô malandragem, maloca o flagrante", chegou a vender 300 mil cópias devido ao sucesso da música "Malandragem dá um tempo" (Adelzonilton, Popular P e Moacir Bombeiro), cujo refrão ficou sobejamente conhecido: "Vô apertar, mas não vou acender agora, se segura malandro, pra fazer a cabeça tem hora". Em 1988, ainda pela mesma gravadora, lançou o LP "Violência gera violência". O disco "Eu não sou santo", foi lançado em 1990. Dois anos depois, gravou, pela RCA Victor, o CD "Presidente caô, caô". Em 1995, transferiu-se para a gravadora RGE, pela qual lançou o CD "Bezerra da Silva contra o verdadeiro canalha".  Ainda nesse ano, fez o show de lançamento do disco "Moreira da Silva, Bezerra da Silva e Dicró: os três malandros in concert". No ano seguinte, pela RGE, lançou o CD "Meu samba é duro na queda". Neste mesmo ano, o grupo Barão Vermelho regravou "Malandragem dá um tempo". No ano seguinte, a BMG do Brasil relançou em CD "Presidente caô, caô". Em seguida, mudou-se para a gravadora Rhythm and Blues, que produziu o 23º disco de sua carreira "Bezerra da Silva comprovando a sua versatilidade". No ano de 1999, a gravadora MCA Internacional lançou o CD "Eu tô de pé", do qual mereceu destaque a música "Cuidado com o bicho", de autoria de Luizinho e Neném do Chama. No ano 2000,  lançou seu 25º disco, o primeiro ao vivo de sua carreira, pela gravadora CID, que já saiu com 150 mil cópias vendidas. Nesse mesmo ano, pela gravadora Atração, lançou o CD "Bezerra da Silva". Também em 2000 lançou o CD "Malandro é malandro e mané é mané", pela gravadora Atração Fonográfica, no qual interpretou, entre outras, "Os DPs de São Paulo (capital)", "Tem coca aí na geladeira" e "Respeito às favelas". Com a regravação de um sucesso seu pelo grupo Barão Vermelho, Bezerra da Silva tornou-se "cult" e passou a ser admirado por várias gerações e diversos artistas, como Paulo Ricardo, Marcelo D2, Os Virgulóides e O Rappa. Constam entre seus sucessos as músicas "Pega eu que sou ladrão" e "Overdose de cocada" (Dinho e Ivan Mendonça). Ainda no ano 2000, a gravadora BMG Ariola lançou cinco de seus LPs em versão remasterizada em CD: "Produto do morro", "Malandro rifle", "Alô malandragem, maloca o flagrante", "Violência gera violência" e "Eu não sou santo". Em 2001, a Rio Filme financiou o curta-metragem "Onde a coruja dorme", de Márcia Derraik e Simplício Neto, que contou a história de Bezerra da Silva e os personagens reais de suas composições, com cenas e depoimentos recolhidos no bairro da Chatuba, em Belford Roxo, no Rio de Janeiro. O documentário foi premiado em festivais de Miami, Curitiba e Gramado.  No ano de 2002, lançou o CD "A gíria é a cultura do povo", disco no qual incluiu "Mulher sem alma" (Batatinha), entre outras. Em 2003, recebeu como convidados Frejat e Marcelo D2 em show no Olimpo, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, lançou seu 28º disco: "Meu bom juiz", no qual interpretou "Em seu lar" (Norival Reis), faixa que havia gravado anteriomente, quando trabalhava como percussinista, em 1967. Neste mesmo disco foi incluída a música "Pega eu", seu primeiro sucesso do ano de 1978 e sucessos de sua carreira "Bem melhor que você" (Neguinho da Beija-Flor), "Defunto cagüete", "A semente", "Minha sogra parece sapatão", "Notícia" , de Nélson Cavaquinho, Alcides Caminha e Lourival Bahia e ainda a faixa-título "Meu bom juiz", de autoria de Beto Sem Braço. Ainda neste disco participou o rapper Marcelo D2 na faixa "Garrafada do norte". Participou como convidado de Marcelo D2 em show no Canecão. Neste mesmo ano lançou o primeiro clipe de sua carreira "A semente", dirigido por Gringo Cardia e com a participação especial de Dudu Nobre e Maria Padilha. Em 2004, pela gravadora Som Livre, lançou o CD "Pega eu". Neste mesmo ano lançou de forma independente o CD gospel "Caminho de luz", no qual foram incluídas várias composições de amigos: "Me chamo Jesus" e "Filho do dono", ambas de Adelzo Nilton (ex- Adelzonilton); "Acreditar na palavra" (Roxinho e Claúdio Inspiração) e "Chave do milagre" (Dicró) e ainda "Gente fina", do Senador e Bispo Marcelo Crivella. No ano de 2005 Dudu Nobre lhe prestou homenagem no disco "Festa em meu coração", quando regravou seu primeiro sucesso nacional, a música "Pega eu que sou ladrão", de autoria de Criolo Doido. Bezerra da Silva iria participar da gravação, mas faleceu em janeiro do mesmo ano. Ainda em 2005 o pesquisador musical Rodrigo Faour organizou uma caixa com quatro discos do sambistas, destacando-se alguns sucessos de careira como "Eu sou favela" (Noca da Portela e Sergio Mosca), "Malandro rifle", "Bicho feroz" e "Meu bom juiz" (Beto Sem Braço e Serginho Meriti). Ao longo de sua carreira, acumulou 11 discos de ouro (100 mil cópias), três de platina (250 mil cópias) e um de platina duplo (500 mil cópias). Entre seu muitos parceiros estão Claudinho Inspiração, Pedro Butina, Tião Miranda e Regina do Bezerra (sua esposa). No ano de 2010 o rapper Marcelo D2 lhe prestou homenagem quando lançou, pela gravadora EMI, o CD "Marcelo D2 canta Bezerra da Silva", no qual perfilou parte da obra interpretada pelo sambista pernambucano. No disco, produzido por Leandro Sapucahy, foram incluídas, entre outras, as faixas "Desabafo", "Bicho feroz", "Partideiro sem nó na garganta", "Se não fosse o samba" e "Malandragem dá um tempo", de autoria de Adelzonilton, Popular P. e Moacir Bombeiro. Em 2014 foi lançado pelo selo da Coleção Canal Brasil o DVD do filme “Onde a coruja dorme”, desdobramento do curta lançado em 2001.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Chitãozinho e Xororó
3 Elis Regina
4 Noel Rosa
5 Isolda
6 Tom Jobim
7 Bloco Carnavalesco Concentra Mas Não Sai
8 Bezerra da Silva
9 As Marcianas
10 Luiz Gonzaga