Busca:

Bebeto Castilho

Adalberto José de Castilho e Souza
13/4/1939 Rio de Janeiro, RJ

Não deixe de ver:

Dados Artísticos

Iniciou sua carreira profissional em 1955, como integrante do conjunto de Ed Lincoln, passando a atuar também no contrabaixo.

Em 1957, foi convidado por Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli para integrar o conjunto que acompanhava a cantora Maysa, formado por Luís Eça (piano), Hélcio Milito (bateria), Roberto Menescal (guitarra) e Luiz Carlos Vinhas (revezando o piano com Luís Eça). O grupo excursionou com a cantora pelo Brasil, Argentina, Uruguai e Chile.

Em seguida, decidiu, juntamente com Luís Eça e Hélcio Milito, formar seu próprio grupo, o Tamba Trio, atuando no contrabaixo, flauta e vocais. O conjunto lançou seu primeiro disco em 1963, partindo em turnê pela Europa, Estados Unidos, México e Canadá. Atuou com o grupo até 1975, gravando vários discos.

Em 1976, lançou seu primeiro disco solo, "Bebeto".

De 1977 a 1981, acompanhou, no contrabaixo, o conjunto MPB-4.

Em 1982, por conta dos 20 anos do Tamba Trio, voltou a integrar o grupo ao lado de Luís Eça e Hélcio Milito, com o qual atuou até 1984, gravando o LP "20 anos de sucessos" e realizando duas turnês pela Europa.

Em 1989, voltou a reunir o Tamba Trio, dessa vez com o baterista Rubens Ohana (que já havia integrado a segunda formação do grupo). O conjunto voltou a atuar no cenário artístico até 1992, ano de falecimento de Luís Eça.

Em 2002, seu disco "Bebeto" (Tapecar, 1976) foi relançado em CD, apenas na Inglaterra, pelo selo Whatmusic.

Como cantor e instrumentista (baixo, flauta, flauta em sol e flauta em dó), lançou, em 2006, o CD "Amendoeira", produzido por Marcelo Camelo. No repertório, as canções "A vizinha do lado" (Dorival Caymmi), "Sabiá da Mangueira" (Benedito Lacerda e Erastótenes Frazão), "Ora ora" (Almanyr Greco e Eduardo Gomes Filho), "Infidelidade" (Ataulfo Alves e Américo Seixas), "Beijo distraído" (Durval Ferreira e Regina Werneck), "Amendoeira" (Marcelo Camelo), "Minha palhoça" (J. Cascata), "Porta de cinema" (Luiz Souza), "Pode ser?" (Geraldo Pereira e Marino Pinto), "Cabelos cor de prata" (Sílvio Caldas e Rociano Leite) e "Porque somos iguais" (Durval Ferreira e Pedro Camargo)", além de sua composição "Gazela" (c/ Arlette Neves). Com formação básica piano-baixo-bateria integrada por Laércio de Freitas (piano e fender rhodes) e Ivo Caldas (bateria), o disco contou, em algumas faixas, com a participação de Zé Carlos Bigorna (flautas e saxofones alto e soprano), Paulinho Soares (cavaquinho), Bernardo Bessler (violino spalla), Perrotta (violino e arregimentação, Michel Bessler, Ricardo Amado, João Daltro e José Alves (violinos), Jesuína Passaroto e José Völker (violas), Iura Ranevsky e Marcio Malard (violoncelos), Gilson Peranzetta (piano e fender rhodes), Alberto Chimelli (pianos), Wilson das Neves (voz), Marcelo Camelo (voz), Thalma de Freitas (voz) e Nina Becker (voz). Os arranjos foram assinados por Laércio de Freitas, à exceção de "Beijo distraído" e "Cabelos cor de prata" (Gilson Peranzzetta) e "Gazela" (Alberto Chimelli).

Ao longo de sua carreira, gravou mais de 100 discos, como artista solo, integrante do Tamba Trio, ou acompanhando outros artistas.

Mais visitados
da semana

1 Marcos Leite
2 Noel Rosa
3 Tom Jobim
4 Caetano Veloso
5 Chico Buarque
6 Festival da Música Popular Brasileira (TV Record)
7 Luiz Gonzaga
8 Emílio Santiago
9 Nelson Cavaquinho
10 João do Vale