Busca:

Anderson Viana


Belo Horizonte, MG

Dados Artísticos

Aos 17 anos de idade, realizou recitais em sua cidade natal, interpretando um repertório de sua música para flauta e piano, e flauta e violoncelo. Pouco depois, conheceu o violinista Paulo Bosísio (discípulo de Max Rostal), de quem foi aluno por quatro anos, aprendendo a técnica e a arte dos instrumentos de corda, especialmente sobre a viola, seu segundo instrumento principal. Em 1983, após apenas dois anos de estudos de viola, foi aceito por concurso na Orquestra Sinfônica Jovem do Rio de Janeiro. Durante quatro anos, trabalhou junto ao Teatro Musical Brasileiro e em telenovelas, como músico intérprete, arranjador e assistente de direção musical.

Com a obra a obra “Fantasieta para Trompa e Piano”, obteve, em 1984, o 1º Lugar no I Concurso Nacional de Composição (Coomusa, RJ). Entre os jurados estavam Guerra-Peixe e Radamés Gnatalli, com quem viria a receber lições particulares. Também nesse ano, recebeu, com a mesma obra, o Diploma Alla Terza Lettura, no Concurso Internacional de Vercelli.

Em 1986, venceu a concorrência Funarte Sala Sidney-Miller, com sua música de cunho ecológico “Suíte Floral”.

Voltou, em 1988, para Belo Horizonte. No ano seguinte, após um breve período de estudos acadêmicos na Escola de Música da UFMG, foi admitido por concurso como violista da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais - Fundação Clóvis Salgado - Palácio das Artes.

Em 1992, após concluir seu bacharelado em composição musical, obteve, no Festival de Verão de Poços de Caldas, o Premio di Studio da Arts Academy of Rome, para participar do Festival di Anzio-Itália.

Foi convidado para organizar e dirigir o Coro do Centro de Estudos da Embaixada do Brasil em Roma, em 1993, período em que também freqüentou a Reale Accademia Filarmonica di Bologna com especialização em Música para Cinema. Nesse mesmo ano, recebeu o Premio IILA (Istituto Italo-Latino Americano di Roma), que lhe valeu um estágio na Accademia Chigiana di Siena, sob a orientação de Ennio Morricone e a presença em seminários sobre música e cinema com Sérgio Micelli, Ettore Scola e Giuseppe Tornatore.

Vem apresentando suas obras no Brasil e no exterior e recebendo encomendas de sua música por parte de diversas organizações, patrocinadores, artistas brasileiros e estrangeiros.

Obteve, em 1996, o 1º Lugar no II Concurso Nacional de Composição (UFMG-ABC), com a obra “Sonata para Contrabaixo e Piano”.

Em 1998, obteve simultaneamente o 1º Lugar no I Concurso César Guerra-Peixe de Composição para Banda Sinfônica (Funarj-RJ), com a obra “Toccata”, e o 2º Lugar no II Concurso de Composição Camargo Guarnieri para Orquestra de Cordas (OSUSP), com a obra “Sinfonia Ameríndia”.

Em 2001, foi premiado no Festival de Cinema de Gramado (RS), na categoria Melhor Trilha Sonora em 8 mm. Recebeu ainda premiações nas seguintes categorias: Quarteto de Cordas (1º Lugar), Orquestra de Cordas (2º Lugar), Orquestra Sinfônica (2º Lugar) e Prêmio do Júri Popular. Também nesse ano, com sua obra “Toccata para Banda Sinfônica”, obteve o 1º Lugar entre 56 compositores das Américas, Europa e Ásia, no “1er Councours de Composition pour Orchestre d'Harmonie" - "Lys Music Orchestra", em Comines - Warneton, na Bélgica.

Vem organizando, produzindo e atuando por mais de duas décadas em eventos musicais, gravações, palestras e projetos culturais, no Brasil e exterior, e obtendo destaque na área da criação e direção de diversos grupos vocais e instrumentais, entre os quais Orquestra Experimental (Teresópolis, 1983), Septheto Rio (1986), Coro Pedagógico da Febem (1991), Coro do Centro de Estudos da Embaixada do Brasil em Roma (CEB, 1993), "Coro da Cultura Inglesa BH" (1994), Trio Barroco (1994), Orchestra Virtual (1995), Stockholm Nonet (1996), The Duo – Suécia (1997) e Camerata Primavera (2003).

Com seu texto "Ópera de Chocolate", recebeu, em 2000, o "Diploma", no "II Concurso Grandes Escritores de Minas Gerais" promovido pela Litteris Editora (RJ).

Em 2001, sua obra musical serviu para a defesa de Tese de Mestrado na Universidade do Rio de Janeiro (UNIRIO) por Marcelo Cunha.

Em julho de 2002, gravou, como maestro-compositor, à frente da Moravian Philarmonic Orchestra, na República Tcheca. Nesse mesmo ano, foi selecionado, entre 500 candidatos de vários países, para participar do Mova Arts Festival, em Alabama.

Em 2004, foi um dos cinco compositores finalistas no I Concurso Internacional de Lille - Capital Cultural da Europa, entre 200 candidatos de 40 países.

Compôs, dirigiu e produziu música para os seguintes filmes: “A cartomante” (Cláudio C.Val), “Próximo passo”, “Gun's Speech, 3:00:AM” (Sérgio Gomes), “Corações ardentes” (Ray Evans), “Filhos de Adão” (Afonso Nunes), “Perdidos em Abbey Road” (Denis Curi), “Vivalma” (Rubens Camara), “Manuelzão e Bananeira” (Geraldo Elísio) e “Jogando pelo amanhã” (Filmmakers).

Possui em seu acervo cerca de 200 obras, compostas para quase todos os gêneros e formações instrumentais e vocais existentes. Sua obra criativa inclui peças para teatro além de argumentos para filmes - curtas e longas.

Desenvolveu estudos, trabalhos e projetos artísticos nos seguintes países além do Brasil: Suécia, Itália, Estados Unidos, Rússia, Canadá, República Tcheca, Honduras, Reino Unido, Portugal, França, Grécia e Bélgica.

Leciona História Comparada da Música no Palácio das Artes e Música para Cinema na Oficina de Cinema em Belo Horizonte.

Ao longo de sua trajetória, recebeu diversas premiações.

Mais visitados
da semana

1 Caetano Veloso
2 Tom Jobim
3 Assis Valente
4 Nelson Cavaquinho
5 João Gilberto
6 Hermeto Pascoal
7 Música Sertaneja
8 Ary Barroso
9 Gilberto Gil
10 Chico Buarque