Busca:

Aluísio Machado

Alcides Aluísio Machado
13/4/1939 Campos dos Goytacazes, RJ

Dados Artísticos

Com o sucesso obtido como cantor e compositor do Império Serrano, passou a se a se apresentar em boates da Zona Sul do Rio de Janeiro, como Oba Oba, entre outras. Na década de 1960, atuou como músico, ao lado de Nara Leão e João do Vale no show "Opinião". No ano de 1963 seu samba "Meu mundo caiu" (c/ Walter Rosa) foi incluído no LP "As Grandes Escolas de Samba", na interpretação instrumental da Orquestra e Coro Odeon. No ano de 1965 "Sam B a Bá", em parceria com Joe Lester, foi gravada pelo grupo Anjos do Sol. Em 1966 sua composição "Carnaval que passou" (c/ Acyr Pimentel e Nelson Caetano) foi incluída no disco "Carnaval de 1967", na voz do cantor João Dias. No ano seguinte, em 1967, o samba seria regravado por Moacyr Silva, no LP "Carnaval de Boate - Volume 4". No ano de 1968 a cantora Dalila gravou em seu compacto simples a faixa "Sou feliz" (c/ Erly Muniz). No ano posterior, em 1969,Jamelão gravou "O peixeiro" (c/ Ferreira dos Santos) e o samba "Vai ficar um" (c/ Quivo) foi interpretado por Ari da Guarda no disco "Partido Alto no Samba". No ano seguinte, em 1970, seu samba "Valorização da mulata" (c/ Arthur Soares), foi incluído no LP "Botando pra quebrar", do grupo Brasil Ritmo 67 & As Três Mais. Neste mesmo ano o conjunto Os Autênticos gravou de sua autoria "Porta-Bandeira". Entre os anos de 1971 e 1983 participou ativamente da "Noitada de Samba", no Teatro Opinião, em Copacabana, evento idealizado e produzido pela dupla Jorge Coutinho e Leonildes Bayer, no qual participavam João Nogueira, Dona Ivone Lara, Nei Lopes, Wilson Moreira, entre outros. Neste mesmo ano lançou um compacto simples com as faixas "Quero mais" (c/ Oldemar Magalhães) e "Acontece que não dá" (c/ Zé Tinoco). No ano posterior, em 1972, o grupo Imperiais do Ritmo regravou "Quero mais" (c/ Oldemar Magalhães) e "Gente". Neste mesmo ano Míriam Batucada interpretou, em compacto simples, a composição "Gente". Em 1973 sua composição "Quem me ensinou já morreu", foi gravada por Jorginho do Império. Neste mesmo ano, integrando a Ala de Compositores da Escola Unidos de Vila Isabel chegou às finais da escola do samba-enredo da agremiação com o samba "Zodíaco do Samba", em parceria com Ailton Gemeu. No ano seguinte, em 1974, foi lançado o disco coletivo "Casa de Bamba" da Ala de Compositores da Unidos de Vila Isabel, no qual, ao lado de Antônio Grande, Barbinha, Diógenes, Estrela, Jonas, Jorge Saberas e Paulo Brazão, participou interpretando de sua autoria a faixa "Sou mais a Vila". Zaíra, no LP "Samba sensacional" interpretou "Segurança", parceria com Roberto Nunes. Neste mesmo ano participou do LP "Tem gente bamba na roda de samba", ao lado de Ary Guarda, David Correia, Gisa Nogueira, Nei Lopes e Wilson Moreira, disco no qual interpretou de sua autoria a faixa "Comida baiana" (c/ Jaburu). Participou do disco "Isto que é partido alto - 5" cantando a faixa "Quem me ensinou já morreu", LP no qual também estavam presentes Aparecida, Chico Bondade, Darcy da Mangueira, Dida, Embaixadores do Samba, Explosão do Samba, Paulão e Sidney da Conceição. Neste mesmo ano, de 1974, participou do programa "A Grande Chance", de Flávio Cavalcanti (TV Tupi), no qual interpretou de sua autoria a composição "Aí, então". No ano de 1975 o cantor Reinaldo, no disco "Papel assinado", gravou de sua autoria a composição "Banco do amor" (c/ Chiquinho e Arlindo Cruz); Xangô da Mangueira cantou "Ô menina" em seu disco "Velho Batuqueiro" e o cantor Sílvio Aleixo incluiu "Vamos recomeçar", no LP "Alerta". Neste mesmo ano de 1975 gravou seu primeiro LP intitulado "Apesar dos pesares", lançado pela gravadora CBS. No LP interpretou de sua autoria as composições "Eu me perdoo", "Êh menina", "Insinceridade", "Como é que pode", "Acontece que não dá" (c/ Zé Tinoco), "Saudades de ter saudade", "Ai então", "Vai ficar um" (c/ Quivo), "Cabeça e espinha" (c/ Darci de Souza), "Causa e efeito" e "Sou gente homem", além da faixa-título "Apesar dos pesares". No ano seguinte, em 1976, lançou dois compactos simples com as composições "Discretamente" (c/ Washington) e "Ajoelhou tem que rezar - Homenagem à Mangueira", de autoria de Washington (gravadora Top Tape), e "Artifício" (c/ Aluízio Ramos) e "Ajoelhou tem que rezar" (c/ Byli), pela gravadora CBS. No ano de 1977 gravou, ainda pela CBS, outro compacto simples com as faixas "Jacob do Bandolim" e "Me perdi", esta última em parceria com Antônio Grande. No ano posterior, em 1978, seu samba "Cachorro mordido de cobra", em parceria com Ari do Cavaco, foi gravado por Bibiu da Portela no LP "Olé do partido alto". Em 1979 Zaira gravou "Dona Moça" em seu LP "Simplesmente Zaira". O ano de 1981 foi bem profícuo para o compositor, vários intérpretes gravaram suas obras: "Minha filosofia" (por Alcione); "O suburbano" (c/ Beto Sem Braço) por Almir Guineto; "Escasseia" (c/ Beto Sem Braço e Zé do Maranhão) por Beth Carvalho no LP "Na fonte"; "Te contei" (c/ Beto Sem Braço), pelo grupo Sambrasil no disco "Meu samba" e as faixas "Meu amanhã" (c/ Ovídio Bessa) e "Novo endereço" (c/ Beto Sem Braço e Zé do Maranhão) pelo grupo Sambatour. O samba-enredo "Bum bum paticumbum prugurundum", de sua autoria em parceria com Beto Sem Braço, deu o primeiro lugar do Grupo 1A ao Império Serrano no carnaval de 1982. O próprio compositor declarou a José Carlos Rego, Helena Theodoro e Lygia Santos, em depoimento ao Museu da Imagem e do Som, do Rio de Janeiro:   "Esse termo foi usado pelo Ismael Silva para explicar a sonoridade da batucada. O Sérgio Cabral teve a sensibilidade de registrá-lo no livro "As Escolas de Samba" e a carnavalesca Rosa Magalhães ousou batizar o nome do enredo com ele. O nome original do samba era "Candelária, Praça XV e Marquês de 'Sapecaí'. Não era um samba fácil, a onomatopeia era complicada e, ainda assim, fez o maior sucesso".    O samba ganharia o "Estandarte de Ouro" da Rede Globo neste mesmo ano de 1982 em que mais dois sambas de sua autoria foram gravados: "Maça do amor" (c/ Beto Sem Braço), por Jorginho do Império no LP "Coisa boa"; "Efeitos da evolução", por Martinho da Vila no disco "Verso & reverso". No ano seguinte, em 1983, a mesma dupla Aluísio Machado e Beto Sem Braço, também ganharia o prêmio da Rede Globo "Estandarte de Ouro" com outro samba enredo, desta vez com "Mãe Baiana Mãe", para a Escola de Samba Império Serrano. Neste mesmo ano, Martinho da Vila, no LP "Novas palavras", interpretou "Clara Nunes" (c/ Ovídio Bessa), e Arlindo Cruz, no disco "Arlindinho", incluiu "Pra ser lembrado depois" (c/ Arlindo Cruz e Acyr Marques). No ano de 1984, ao lado de Wilson Moreira, Nei Lopes, Cláudio Jorge e Sonia Ferreira, participou do projeto "Roda de Samba", no Teatro João Caetano, no Rio de Janeiro. No ano posterior, em 1985, participou do LP "Pique brasileiro”, ao lado de David Correia e Gracia do Salgueiro, lançado pela gravadora BMG Ariola, no qual interpretou de sua autoria as faixas "Vegetariano" (c/ Ovídio Bessa e Zé do Maranhão), "Pique brasileiro" (c/ Gracia do Salgueiro e David Correia), "Obrigado meu Deus" (c/ Beto Sem Braço) e "O vacilão", em parceria com Ovídio Bessa. Neste mesmo ano o cantor Dellano, no LP "A voz do samba", gravou "Artifício" (c/ Aluizio Ramos) e "Filosofia de boi" (c/ Dellano), e Neguinho da Beija-Flor interpretou "Se ligue, Doutor" (c/ Beto Sem Braço) no LP "Ofício de puxador". Em 1986, Dominguinhos do Estácio, no disco "Bom ambiente", gravou "Dura prova" (c/ Beto Sem Braço e Serginho Meriti); Alcione no LP "Fruto e raiz", pela RCA, gravou outra composição sua, "Pique, rabo, emenda". Ainda em 1986 ganharia mais um "Estandarte de Ouro" com o samba enredo "Eu Quero", em parceria com Luiz Carlos do Cavaco e Jorge Nóbrega, também para o Império Serrano. Em 1989, em parceria com Bicalho, Arlindo Cruz e Beto Sem Braço, compôs o samba-enredo "Jorge Amado: Axé Brasil", com o qual o Império Serrano desfilou naquele ano. No ano de 1991 o Grupo Pirraça no disco "Eterna procura", incluiu de sua autoria a faixa "Atividade, malandro" (c/ Jorge Carioca, Luizinho e Marquinhos PQD). Em 1993 o Grupo Pirraça voltaria a gravar mais uma composição sua, desta vez o samba "Nova estação", em parceria com Evandro Lima e Gígio. Por essa época compôs "Império Serrano: um ato de amor" (c/ Acyr Marques, Arlindo Cruz e Bicalho), samba-enredo com o qual a escola foi a vice-campeã do Grupo 1, de Acesso, retornando ao Grupo Especial. Neste mesmo ano, de 1993 ganharia mais um "Estandarte de Ouro", conferido pelo Jornal O Globo. No ano de 1996, em parceria com Beto Pernada, Lula, Índio do Império e Arlindo Cruz, compôs o samba-enredo "E verás que um filho teu não foge à luta", com o qual a Império Serrano desfilou naquele ano e ganhou o prêmio "Estandarte de Ouro", do Jornal O Globo, na categoria "Melhor Samba-Enredo" e ainda classificou a escola em 6º lugar do Grupo Especial. No ano de 2001, participou do projeto "Meninos do Rio", série de três shows que reuniu no palco do Centro Cultural Banco do Brasil 15 sambistas: Dauro do Salgueiro, Nei Lopes, Nelson Sargento, Baianinho, Niltinho Tristeza, Casquinha, Zé Luiz, Nílton Campolino, Jair do Cavaquinho, Monarco, Elton Medeiros, Luiz Grande, Jurandir da Mangueira e uma única mulher: Dona Ivone Lara. O projeto foi registrado em disco produzido por Paulinho Albuquerque e Cláudio Jorge, pela gravadora Carioca Discos, lançado neste mesmo ano. Neste disco interpretou de sua autoria "Minha filosofia", "Falange do Erê" (c/ Arlindo Cruz) e "Bumbum paticumbum", em parceria com Beto Sem Braço). No ano seguinte, em 2002, a escola Império Serrano classificou-se em 9º lugar no Grupo Especial com um samba-enredo de sua autoria "Aclamação e coroação do Imperador da Pedra do Reino: Ariano Suassuna", em parceria com Carlos Senna, Elmo Caetano, Lula e Maurição. Neste mesmo ano, Marquinho Santanna incluiu no disco "Nosso show" uma composição de sua autoria: "Mar de carinhos", em parceria com Arlindo Cruz. No ano de 2003, foi um dos convidados de Guaracy Sete Cordas na Roda de Samba, no Clube Copa Leme, no bairro do Leme, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, em parceria com Maurição, Elmo Caetano, Carlos Senna e Arlindo Cruz, compôs o samba-enredo "E onde houver trevas... Que se faça a luz!" com o qual o Império Serrano desfilou no carnaval. Ainda em 2003, sua composição "Sambista de fato" (c/ Acyr Marques), interpretada por Débora Cruz (filha do compositor Acyr Marques e sobrinha de Arlindo Cruz), foi classificada em 6º lugar no "Festival Fábrica do Samba", com a final no Maracanazinho, no Rio de Janeiro. Em 2005 o grupo carioca Casuarina regravou "Minha filosofia" em CD homônimo lançado pela gravadora Biscoito Fino. No  ano de 2006, com Dona Ivone Lara e outros compositores importantes do Império Serrano, participou do show e do CD "Império Serrano - Um Show de Velha Guarda", lançado pela gravadora Biscoito Fino. Neste mesmo ano o Império Serrano desfilou com seu samba-enredo "O Império do Divino", em parceria com Arlindo Cruz, Carlos Sena, Elmo Caetano e Maurição, quando também conquistou mais uma vez o prêmio "Estandarte de Ouro".  No ano de 2011 foi o convidado especial do grupo paulista Inimigos do Batente para a roda de samba "Anhanguera Dá Samba", da cidade de São Paulo. Neste mesmo ano, de 2011, lançou o DVD "Arte não tem idade" (c/ Grupo Mukeka de Xaréu) pelo Selo MCD Estúdio. No ano de 2014 apresentou-se no projeto "Meio Dia em Ponto", do Centro Cultural Light, comandado e apresentado por Ricardo Cravo Albin, no qual interpretou sucessos da carreira, a maioria em parceria com Beto Sem Braço e Arlindo Cruz, gravados por vários intérpretes do samba. Neste mesmo ano voltou a participar da roda de samba "Noitada de Samba", desta vez uma segunda edição organizada por Cély Leal, ao lado de Martinho da Vila, Nilze Carvalho e Baianinho, entre outros, no Clube Carnavalesco Cordão do Bola Preta, na Lapa. No ano seguinte, em 2015, voltou a se apresentar no projeto "Meio Dia em Ponto", do Centro Cultural da Light, em show com roteiro e apresentação de Ricardo Cravo Albin. Na ocasião, interpretou composições de sua autoria. Na entrevista falou sobre seus vários prêmios recebidos durante a carreira de compositor de samba-enredo da Escola de Samba Império Serrano. Neste mesmo ano de 2015 foi lançada, no Centro Cultural da UERJ, a sua biografia "Aluísio Machado: Sambista de Fato, Rebelde por Direito" (Acervo Universitário do Samba, uma iniciativa da COART e do Departamento Cultural da Universidade DECULT-UERJ) editada pela Outras Expressões (São Paulo), com prefácio do compositor e pesquisador Nei Lopes. Na ocasião, além da breve apresentação do trabalho feita pelo autor e professor da UERJ Luiz Ricardo Leitão, houve um pequeno espetáculo com o artista e o grupo que gravou o CD encartado no livro, com o clássico "Bumbum Paticumbum Prugurundum" e mais sete composições inéditas, interpretadas pelo próprio compositor, acompanhado de jovens músicos universitários da UNIRIO e por um coro do projeto "Ah! Banda", do Cap-UERJ, sob a direção da maestrina Ilana Linhales, coordenadora da COART. No CD foram incluídas as faixas "A carta", "Doca Street", "Sambista de fato", "Meu torrão", "Minha bandeira", "Virgulino", "Inteiração" e "Bom marido", todas interpretadas por Aluísio Machado, tendo como acompanhamento um grupo integrado pelos músicos Mariana Serra (clarineta e arranjo), Rodrigo Rodrigues (fragote e arranjo), Marcos Tanuri (cavaquinho e arranjo), Dudu Souto (violão e arranjo), Lucas Videla (percussão e arranjo), Maria Candida Petit (percussão e arranjo) e Marina Chuva (percussão e arranjo), além da participação especial da cantora Débora Cruz, em disco com produção musical de Alexandre Seabra (arranjos) e direção musical de lIana Linhales. No ano de 2017 a cantora Zilá Santos gravou "Requiem para Jacó do Bandolim" no CD "Coisas do interior". Teve composições gravadas por vários intérpretes, entre elas "A Taxa" (c/ Beto Sem Braço) pelo Grupo Exporta Samba no LP (s/d) "Gabinete do partido alto"; "Artifício" (c/ Aluízio Ramos) pelo cantor Noite Ilustrada no disco (s/d) "Bem melhor"; "Se ligue, Doutor" (c/ Beto Sem Braço) e "Estrela bonita" (c/ Beto Sem Braço) por André do Villar em compacto simples (s/d); "Sou gente, homem!" no disco coletivo "Olé do partido alto" (s/d) e ainda, a composição "Amigo", gravada ao vivo no LP "Samba de montão" (s/d) na quadra de ensaio da Império Serrano.

Mais visitados
da semana

1 Festival da Música Popular Brasileira (TV Record)
2 Sant'Anna
3 Noel Rosa
4 Festivais de Música Popular
5 Hermeto Pascoal
6 Moacir Bedê
7 Gilberto Gil
8 Nelson Cavaquinho
9 Candeia
10 Caetano Veloso