Busca:

Alberto Gino

Carlos Alberto Albuquerque de Oliveira
17/12/1941 Vitória, ES

Dados Artísticos

Ainda adolescente, apresentou-se em dupla com o mineiro Altemar Dutra, recém-chegado a Vitória. No ano de 1959, em São Paulo, foi finalista no "Concurso Nacional A Voz de Ouro ABC". Pouco depois, mudou-se para o Rio de Janeiro. Por essa época, participou de diversos programas na TV Tupi e TV Rio: "Aerton Perlingeiro Show", Agnaldo Rayol e Flávio Cavalcante. Em 1966, ao lado de Clara Nunes, foi indicado por César de Alencar como "Cantor revelação" daquele ano. Ainda em 1966, gravou pela Phillips o primeiro disco, um compacto simples com as músicas "Uma prece" (Luiz Bonfá) e "Dois estranhos", de autoria de Carlitos e Romeu Nunes. No ano seguinte, lançou pela mesma gravadora outro compacto, desta vez com a música "Talvez setembro", versão de Romeu Nunes para "Maybe september". No ano de 1969, pela gravadora CBS, lançou seu primeiro LP: "Alberto Gino - a voz do sucesso". Em 1970, Hélio Portinhal interpretou, de sua autoria, "Esperarei", em compacto pela Odeon. Em 1972, gravou pela Odeon o disco "Clássicos da Música Popular Brasileira", no qual interpretou "Chão de estrelas", "Feitio de oração" e "Carinhoso", entre outras. Por essa época e pela mesma gravadora, Miltinho incluiu em disco a música "Quero morrer de sambar", de sua autoria. No ano seguinte, lançou em compacto duas composições de sua autoria: "Enquanto houver amor" e "Quero amor ao luar". Em 1975 e por sete anos consecutivos, como cantor, integrou o elenco do show "Brazilian follies", que fez temporada no Hotel Nacional, no Rio de Janeiro. Durante esse tempo, trabalhou com diversos artistas e profissionais que passaram pelo elenco, entre eles Arlindo Rodrigues (figurinista), Fernando Pamplona (Cenógrafo), Sivuca, Marlene, Rosita Gonzales, Ivan Paulo, Raul de Barros, Abel Ferreira, Jorge Goulart e Trio de Ouro. Em 1982, Carlos José interpretou "Gente acordada", de sua autoria. Por essa época, Emilinha Borba interpretou "Meu último carnaval". No ano seguinte, com sua composição "Amazonas marañon", ganhou o Festival Internacional da Canção Sobre o Rio Amazonas, realizado em Iquitos, no Peru. No ano de 1984, lançou pela RGE o LP "Amanhecer", no qual constaram "Gente acorda" e "Meu sábado é seu", ambas de sua autoria, além de interpretar "Duas vidas" (Claudionor Cruz e Pedro Caetano), "Meu violão" (Homero Ferreira) e "Amanhecer", de autoria de Paulinho Pereira, que deu título ao disco. Em 1986, "Indecisão" (c/ Eduardo Prates) foi gravada por Pery Ribeiro. Dois anos depois, Alcione interpretou "Toque macio" de sua autoria. Atendendo a pedidos de Arnaldo Niskier, na época presidente da Academia Brasileira de Letras, musicou dois poemas de Machado de Assis: "Olhar judaico" e "À Carolina". Musicou, a pedido do então governador do Estado do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, o poema "Amor imortal", escrito para a primeira dama do estado. É autor, por concurso público e decreto do prefeito César Maia, da canção "Hino da Guarda Municipal do Rio de Janeiro". Musicou, do poeta Fagundes de Menezes, "Canto de amor a Conservatória", que se tornou hino e placa da cidade. No ano de 1986, lançou pela RGE o LP "Ponto vinte". Jamelão, em 1993, no CD "Minhas andanças", pela RGE, incluiu duas composições suas: "Esse louco" e "Dá um tempo", que se tornaram sucessos em todo o país. Em 1998, gravou o CD "Morena mel - Campo Grande 100 anos". O disco, patrocinado pela prefeitura da cidade, conta com 12 composições de sua autoria, entre elas "Morena mel", "Rainha do Centro-Oeste", "Sem igual" e "Morena de Campo Grande". No ano seguinte, com "Hino de Nossa Santa Padroeira", em parceria com Maria José A. de Oliveira (sua mãe), ganhou os prêmios de melhor música e melhor intérprete no "1º Festival Nacional da Canção Mariana", promovido pelo Santuário Nacional de Nossa Senhora da Aparecida. No ano 2000, Jamelão lançou pela Som Livre o CD "Por força do hábito", no qual interpretou 12 composições de sua autoria, entre elas "Quanta gente aí", "Não vou mudar" e "Êxtase". Em 2001, lançou, pela gravadora Movieplay, o CD "De boêmio para boêmio". Nesse disco, interpretou 20 músicas: "A volta do boêmio", "Maria Bethânia", "Mulher", "Negue" e "Normalista", entre outras, que foram sucessos na voz de Nélson Gonçalves. No ano de 2013, acompanhado por Oscarzinho do Violão, apresentou-se no Instituto Cultural Cravo Albin, na palestra-musical "120 Anos de Orestes Barbosa", proferida por Roberto Orestes Barbosa (neto do escritor) e Carlos Didier (músico e escritor).

Mais visitados
da semana

1 Chico Buarque
2 João Gilberto
3 Geraldo Pereira
4 Tom Jobim
5 Pixinguinha
6 Caetano Veloso
7 Música Sertaneja
8 Noel Rosa
9 Nelson Cavaquinho
10 Jackson do Pandeiro