Busca:

Alaíde Costa

Alaíde Costa Silveira Mondin Gomide
8/12/1935 Rio de Janeiro, RJ

Dados Artísticos

Iniciou sua carreira profissional em 1955, como crooner do dancing Avenida, no Rio de Janeiro.   Em 1957, gravou um 78 rpm contendo "Tarde demais" (Hélio Costa e Lenita Andrade). Ainda nesse ano, lançou mais um 78 rpm com as canções "Conselhos" (Hamilton Costa e Richard Franco) e "Domingo de amor" (Fernando César).   Em 1959, levada por João Gilberto, entrou em contato com os compositores da bossa nova. Gravou, nesse ano, seu primeiro LP, "Gosto de você", contendo as faixas "Pela rua", (Ribamar e Dolores Duran), "Minha saudade" (João Donato e João Gilberto), " Vontade de chorar" (Ivon Cury), "Lobo bobo" (Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli), "Terminemos em paz" (Oldemar Magalhães e Renato Lima), "Conversa" (Jair Amorim e Evaldo Gouveia), "Canção de ir embora" (Paulo Tito e Ricardo Galeno), "Erros de gramática" (Marino Pinto e Carlos Lyra), "Estrada branca" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Madrugada" (Candinho e Marino Pinto), "Porque? (Sebastião de Souza e Jonas Garret) e a canção-título (Geraldo Serafim e Armando Nunes).   Em 1960, lançou o LP "Alaíde canta suavemente", registrando as canções "Complicação" e "Fim de noite", ambas de Chico Feitosa e Ronaldo Bôscoli), "Esquecendo você" (Tom Jobim), "História de nossa história" (Marino Pinto e Aloísio de Barros), "Ciúme" (Carlos Lyra), "É mentira nosso amor" (Maria Cecília), "Chora tua tristeza" (Luvercy Fiorini e Oscar Castro Neves), "Dindi" (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), "Jura de pombo" (Roberto Menescal e Ronaldo Bôscoli), "O nosso olhar" (Geraldo Serafim e Sergio Ricardo), "Dê-me o braço" (Jasson Fernandes e Luiz Bandeira) e "Discussão" (Newton Mendonça e Tom Jobim). Nessa época, começou a apresentar-se nos shows de bossa nova realizados no Rio de Janeiro.   Gravou, em 1961, o LP "Alaíde, jóia moderna", contendo sua composição "Canção do amor sem fim" (c/ Geraldo Vandré), além de "Ponto final" e "No mundo da lua", ambas de Ana Maria Portella, "Encontro com a saudade" (Nilo Queiróz e Billy Blanco), "Samba de nós dois" (Baden Powell e Billy Blanco), "Se foi passado" (Aldacir Louro, Willian Duba e Linda Rodrigues), "Gostar de ninguém" (Hugo Almeida e Valsinho), "Só de mentirinha" (Benil Santos e Paulo Tito), "Gosto do seu lhar" (Luvercy Fiorini e Iko Castro Neves), "Sem você" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Segue a vida em paz" (Hugo Almeida e Baden Powell) e "Lágrima" (Luvercy Fiorini e Oscar Castro Neves).   No ano seguinte, casou-se e fixou residência em São Paulo.   Em 1963, lançou o LP "Afinal...", contendo, além da faixa-título, de sua autoria, as canções "Natureza" e "Igrejinha", ambas de Theo de Barros, "E agora" (Hayban e Hélio Simões), "Cadê o amor" (Walter Santos e Tereza Souza), "Ouvi tua voz" (Paulinho Nogueira), "Insensatez" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), "Historinha" (Rita Moreira e Paulinho Nogueira), "Tristeza de amar" (Luiz Roberto e Geraldo Vandré), "Manhã chegou" (Manguito e André Perez), "Rimas de ninguém" (Vera Brasil) e "Como eu gosto de você" (Gracindo Jr. E Rildo Hora).   Participou, em 1964, do programa "O fino da bossa", realizado no Teatro Paramount (TV Record/SP), interpretando com grande repercussão "Onde está você" (Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini), canção que viria a se tornar emblemática em sua carreira, A consagração obtida no espetáculo lhe valeu um contrato com a emissora. Em seguida, apresentou-se em temporada com Oscar Castro Neves no Teatro Santa Rosa (RJ), participou do I Festival Universitário da TV Tupi (SP) e realizou um recital de canções renascentistas no Teatro Municipal de São Paulo, intitulado "Alaíde alaúde", com o maestro Diogo Pacheco.   Em 1965, gravou o LP "Alaíde Costa", contendo "Sonho de um Carnaval" (Chico Buarque), "Onde está você" (Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini) e "Preciso aprender a ser só" (Marcos e Paulo Sérgio Valle), entre outras, além de sua composição "Tudo o que é meu" (c/ Vinicius de Moraes).   No ano seguinte, afastou-se do cenário artístico devido a problemas de saúde.   Retomou sua carreira em 1972, gravando em dueto com Milton Nascimento a faixa "Me deixa em paz" (Airton Amorim e Monsueto), incluída no LP "Clube da Esquina". Apresentou-se, em seguida, ao lado do compositor, no Teatro Teresa Raquel e na Sala Cecília Meirelles (RJ). Ainda em 1972, voltou a gravar, lançando um compacto simples contendo as canções "Diariamente" (Paulo César Girão e Gérson) e "Antes e depois" (Oscar Castro Neves). Também nesse ano, lançou um compacto duplo com "Diz" (Walter Santos e Teresa Souza), "Enlouqueci" (Luís Soberano, Valdomiro Pereira e João Sales), "Ansiedade" (Paulinho da Viola) e "E a gente sonhando" (Milton Nascimento).   Em 1973, gravou, com Oscar Castro Neves, o LP "Alaíde Costa e Oscar Castro Neves", produzido por Aloysio de Oliveira, com destaque para as canções "Sabe você" (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes), "Companheira da manhã" (Oscar Castro Neves e Regina Werneck) e "Cala meu amor" (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), além da faixa "Amigo amado", de sua autoria em parceria com Vinicius de Moraes.   No ano seguinte, lançou o LP "Alaíde Costa", registrando as canções "Me deixa em paz" (Airton Amorim e Monsueto) e "Primavera" (Carlos Lyra e Vinicius de Moraes), entre outras. Também em 1974, gravou um compacto duplo com as canções "Calvário" (Marcos Calazans e Cao Pimentel), "Avenida fechada" (Élton Medeiros, Cristóvão Bastos e Antônio Valente), "Primavera" (Carlos Lyra e Vinícius de Morais) e "O rei da França na ilha da assombração" (Zé Di), samba-enredo do Salgueiro. Ainda nesse ano, participou, ao lado de Johnny Alf e Lúcio Alves, do segmento "Bossa Nova", da série radiofônica "MPB-100", produzida e apresentada por Ricardo Cravo Albin para o "Projeto Minerva", transmitida em cadeia nacional, gerando oito LPs.   Em 1975, regravou a canção "Onde está você", lançada em compacto simples.   No ano seguinte, lançou o LP "Coração", com destaque para a faixa-título (Nelson Angelo e Ronaldo Bastos), "Tomara" (Maurício Tapajós, Novelli e Paulo César Pinheiro) e "Viver de amor" (Toninho Horta e Ronaldo Bastos), entre outras, além de sua composição "Tempo calado" (c/ Paulo Alberto Ventura).   Em 1982, gravou o LP "Águas vivas: Alaíde Costa canta Hermínio Bello de Carvalho", registrando obras do compositor, como "Valha-me Deus" (c/ Baden Powell), "Mudando de conversa" (c/ Maurício Tapajós) e "Pressentimento" (c/ Élton Medeiros), entre outras, além de sua parceria com o autor na faixa "Cadarços".   Em 1988, lançou o LP "Amiga de verdade", com a participação de Paulinho da Viola, Milton Nascimento, Ivan Lins e Egberto Gismonti, entre outros. O disco registrou as canções "Cinema antigo" (Sueli Costa e Cacaso), "Absinto" (Fátima Guedes) e "Morrer de amor" (Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini), entre outras, além da faixa-título (Aldir Blanc e Gilson Peranzzetta).   Em 1991, apresentou em São Paulo os espetáculos "Coração violão", acompanhada por Paulinho Nogueira, e "Alaíde Costa canta Tom Jobim".   Em 1995, lançou, com o pianista João Carlos Assis Brasil, o CD "Alaíde Costa & João Carlos Assis Brasil". Nesse mesmo ano, foi convidada por José Miguel Wisnik para participar do evento "Rumos Musicais" (Instituto Cultural Itau/SP).   No ano seguinte, apresentou-se, com muito sucesso, no Teatro Municipal de São Paulo, interpretando canções de Tom Jobim.   Em 1999, fez show no Vinícius Piano Bar, no Rio de Janeiro.   Lançou, em 2000, o CD "Falando de amor", gravado em Paris, em 1987. No repertório, as canções "Amor é outra liberdade" (Sueli Costa e Abel Silva) e "Tudo se transformou" (Paulinho da Viola), entre outras, além da faixa-título (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Nesse mesmo ano, apresentou-se no Mistura Fina (RJ) e no Vinicius Piano Bar (RJ).   Ao longo de sua carreira, participou de discos de outros artistas, como "Clube da Esquina" (Milton Nascimento e Lô Borges), "No Tom da Mangueira" (Tom Jobim e Velha Guarda da Mangueira), "Songbook Tom Jobim", "Pouco pra mim" (Carlos Navas) e "Milton Nascimento - Sua vida, sua música".   Em 2003, apresentou-se, com Johnny Alf, no London Jazz Festival, realizado no Queen Elizabeth Hall, em Londres.   Lançou, em 2005, o CD "Tudo que o tempo me deixou", produzido por Antônio Carlos Vidigal. O disco contou com a participação de Gilson Peranzzetta (arranjos, direção musical, piano e teclados), Paulo Russo (contrabaixo acústico), João Cortez (bateria), David Chew (violoncelo) e Mauro Senise (sax alto e flauta). No repertório, suas composições "Saída", "Você é amor" (c/ Tom Jobim) e "Meu sonho" (c/ Johnny Alf), além de "Voz de mulher" (Sueli Costa e Abel Silva), "Conversa com o coração" (Guinga e Paulo César Pinheiro), "Estranha saudade" (Cristóvão Bastos e Hermínio Bello Carvalho), "Coração sem saída" (Dori Caymmi e Paulo César Pinheiro), "Predestinado amor" (Maurício Carrilho e Paulo César Pinheiro), "Minha Nossa Senhora" (Fátima Guedes), "Pra Tânia" (Sebastião Tapajós e Geraldo Julião), "Ana Luiza" (Tom Jobim), "Leilão" (Carlota Marques e Paulo César Feital), "Solidão" (Dolores Duran) e a faixa-título (Gilson Peranzzetta e Paulo César Pinheiro). Nesse mesmo ano, foi contemplada com o Prêmio Rival Petrobras da Música, na categoria Melhor Cantora. Ainda em 2005, participou, ao lado de Elza Soares e Jair Rodrigues, do show "Brasil Brasileiro", apresentado em Paris como atividade de encerramento do Ano do Brasil na França. Em 2011, numa parceria do Instituto Cultural Cravo Albin com o selo Discobertas, foi lançado o box "100 Anos de Música Popular Brasileira", contendo quatro CDs duplos, com áudio restaurado por Marcelo Fróes da coleção  de oito LPs da série homônima produzida por Ricardo Cravo Albin, em 1975, com gravações raras dos programas radiofônicos “MPB 100 ao vivo” realizadas no auditório da Rádio MEC, em 1974 e 1975. A cantora participou dos volumes 5 e 6 da coletânea, nas seguintes faixas: “Desafinado” (Tom Jobim e Newton Mendonça); “Garota de Ipanema” (Tom Jobim e Vinicius de Moraes), em duo com Johnny Alf; e “Influência do jazz”; “Eu não existo sem você” (Tom Jobim e Newton Mendonça); e “Lobo bobo” (Carlos Lyra e Ronaldo Bôscoli). Em 2014, finalmente realizou o seu sonho de gravar um disco autoral. "Canções de Alaíde" foi lançado pelo selo "Nova Estação" e produzido por Thiago Marques Luiz. Dentre as músicas selecionadas, apareceram clássicos da bossa nova como "Amigo amado", parceria com Vinicius de Moraes, "Você é amor", com Tom Jobim, e "Canção do breve amor", com Geraldo Vandré). O trabalho foi uma forma de comemorar seus 60 anos de carreira, contados a partir de seu primeiro contrato musical como crooner do Dancing Avenida, no Rio de Janeiro. No mesmo ano, a editora Imprensa Oficial lançou, pela coleção "Aplausos", o livro "Alaíde Costa: faria tudo de novo". Escrito por Ricardo Santhiago, o livro rememorou os principais momentos de sua carreira e seus encontros musicais. Ao lado de Dalva Torres apresentou o show "Porcelana", em Recife. Em 2015, em comemoração aos seus 80 anos de idade, apresentou-se no Teatro Rival BR, em show no qual revisitou sua obra apresentando-se ao lado de convidados como Áurea Martins e João Senise. Também em 2015, ainda em comemoração aos seus 80 anos, gravou com o violonista e guitarrista Toninho Horta O CD "Alegria é Guardada em Cofres, Catedrais" no qual interpretou músicas como "Travessia", e "Outubro", de Milton Nascimento e Fernando Brant; "Beijo partido", de Toninho Horta; "Nascente", de Flávio Venturini e Murilo Antunes; "Sol de primavera", de Beto Guedes e Ronaldo Bastos; "Tudo que você podia ser", de Márcio Borges e Lô Borges; "Saguin", de Toninho Horta; "Bons amigos", de Toninho Horta e Ronaldo Bastos, e "Sem você", de Tom Jobim e Vinicius de Moraes.

Mais visitados
da semana

1 Festivais de Música Popular
2 Caetano Veloso
3 Música Sertaneja
4 Lupicínio Rodrigues
5 Hermeto Pascoal
6 Dorival Caymmi
7 Chico Buarque
8 Raul Seixas
9 Dona Ivone Lara
10 Daniela Mercury